Projetos

Com projeto de Zaha Hadid, museu de arte e arquitetura traz Roma para o século 21

Iwan Baan / Divulgação
imagem: Iwan Baan / Divulgação

Pelo menos do ponto de vista arquitetônico, Roma já pode se considerar uma cidade contemporânea. Assim como Bilbao, na Espanha, com seu Guggenheim (projeto de Frank Gehry), Londres com a Tate Modern (de Herzog de Meuron), Paris e seu Centro Georges Pompidou (Renzo Piano e Richard Rogers), a milenar capital italiana agora também conta com uma obra polêmica, midiática e cara – custou 150 milhões de euros.

O recém-inaugurado MAXXI – Museu Nacional das Artes do Século 21 foi, na realidade, planejado no século 20. Em 1999 o Ministério da Cultura da Itália lançou um instigante desafio arquitetônico: um museu de arte contemporânea para ser construído entre as relíquias arquitetônicas da capital. Foram 273 os escritórios do mundo todo que tiveram a ousadia de responder ao chamado e 15 os finalistas, entre eles gente do calibre de Toyo Ito, Rem Koolhaas, Jean Nouvel, Kazuyo Sejima e Eduardo Souto de Moura.

O trabalho aprovado, entretanto, foi o de Zaha Hadid, arquiteta iraquiana radicada em Londres, reconhecida com o prêmio Pritzker, considerado o Nobel da arquitetura, em 2004. Segundo a crítica internacional, a escolha de uma obra tão cara e de difícil execução certamente se baseou no desejo de rejuvenescer a cidade. Não que Roma seja totalmente destituída de edifícios contemporâneos. Existem lá obras de Renzo Piano, Richard Meyer e outros. Mas nenhuma de tamanho impacto.

Distribuição de densidades

O novo museu ocupa um terreno onde ficavam alojamentos militares, a cerca de 20 minutos do centro histórico. De acordo com a arquiteta, a ideia foi manter o contexto urbano dos alojamentos, compondo um edifício baixo que contrasta com os edifícios residenciais mais altos do entorno, construídos no início do século 20.

O projeto sinuoso de Hadid e sua equipe proporcionou permeabilidades ao edifício, que tem vários acessos e transparências. Até uma passagem fechada por cerca de 100 anos pôde ser reaberta graças às linhas sinuosas da construção, que se adaptam ao lote. Assim, com seu formato em L, o prédio cumpre outra função planejada pelos arquitetos: se torna um articulador urbano.

Internamente a obra se mostra mais complexa. Planejado para abrigar um centro de artes e um de arquitetura, o museu é formado por dois edifícios que se cruzam. As galerias fluem, não há espaços compartimentados. A circulação é contínua e não existem pontos-chave, mas uma "distribuição de densidades", como descreve Hadid.

A arquiteta aponta a necessidade de a arquitetura desafiar a "neutralidade" dos museus e de dar continuidade a "sua relação crítica com a sociedade e a estética". Com isso ela impõe um grande desafio aos curadores, que terão de trabalhar com a flexibilidade de divisórias suspensas do forro propostas por Hadid, e a ausência de paredes convencionais onde perdurar suas telas. A arquiteta argumenta que seu projeto permite alterar dimensões e geometria dos espaços de acordo com a necessidade dos curadores. Fica para a experiência comprovar se a ideia funciona. (Simone CapozziI, editora de UOL Casa e Imóveis)

Ficha técnica

Museu Nacional de Artes do Século 21, Roma, Itália

Projeto de Zaha Hadid Architects

Detalhes do projeto
  • Cliente Italian Ministry of Culture e Fondazione MAXXI
  • Área do Terreno 29.000 m²
  • Área Construída 63.000 m²
  • Início do Projeto 1999
  • Conclusão da Obra 2009
  • Projeto Zaha Hadid e Patrik Schumacher
  • Equipe Gianluca Racana
  • Colaboradores Anja Simons, Paolo Matteuzzi, Mario Mattia (supervisores); Anja Simons,Paolo Matteuzzi,Fabio Ceci, Mario Mattia, Maurizio Meossi, Paolo Zilli, Luca Peralta, Maria Velceva, Matteo Grimaldi, Ana M.Cajiao, Barbara Pfenningstorff, Dillon Lin, Kenneth Bostock, Raza Zahid, Lars Teichmann, Adriano De Gioannis, Amin Taha, Caroline Voet, Gianluca Ruggeri, Luca Segarelli
  • Projeto Estrutural - Concreto Anthony Hunt Associates e OK Design Group
  • Construção Consortium MAXXI 2006 - Italiana Construzioni (Gruppo Navarra), Group S.A.C. Società Appalti Costruzioni S.p.A. (Gruppo Cerasi)
  • Gerenciamento da Obra ABT srl
  • Projeto de Instalações Elétricas Max Fordham and Partners e OK Design Group
  • Projeto Luminotécnico Equation Lighting
Topo