Vídeos

Conheça a casa galpão, criada para ser um refúgio de tranquilidade em MG

Ledy Valporto Leal

Do UOL, em São Paulo

Um refúgio na serra do Curral, em Belo Horizonte (MG), foi criado pelo arquiteto Allen Roscoe. A casa foi pensada para ele mesmo, um apaixonado colecionador de jipes, e apresenta uma linguagem característica dos galpões, tipo de construção com a qual o arquiteto trabalhou durante muitos anos de sua vida profissional.

A fim de abrigar a coleção de peças nada compactas, a casa Mangabeiras é constituída por um único volume, implantado em terreno com 469 m² e acentuado desnível de 18 metros. Para vencer tal inclinação, o arquiteto utilizou uma série de contenções escalonadas feitas com pedras obtidas pela movimentação manual de terra do próprio lote.

Quase industrial, o sistema estrutural é constituído por lajes moldadas "in loco", apoiadas em pilares e vigas de idênticas seções, compostos por tubos circulares unidos por treliças planas em chapa dobrada formando uma malha de 12 m². Os pilares, porém,  têm alturas variadas,  determinadas pela topografia, o que permite o assentamento natural e em escala.

Tanto as paredes quanto a cobertura foram executadas com peças inteiriças de telhas galvanizadas, de modo a evitar emendas. O necessário isolamento térmico é assegurado nas paredes pelo emprego de colchões de ar e alvenaria fina, enquanto sob a superfície da cobertura foi utilizada lã de vidro.  

Uma das faces do galpão de 24 m x 36 m apresenta um chanfro em 45°, decorrência do ângulo agudo do terreno, por onde se faz o acesso à residência. Na fachada, o franco predomínio das superfícies cegas permite apenas a redutora presença de um portão multiuso (6,5 m), executado em tela de aço e uma longa janela de esquina, com comprimentos de 12 m e 24 m, elevada do solo de modo a garantir segurança e privacidade e, ao mesmo tempo, proporcionar uma vista privilegiada da capital mineira.

Era uma casa

Com 350 m² de área construída, a casa Mangabeiras ganhou a seguinte distribuição: térreo com estar, lavabo e espaço para oito jipes; mezanino com dormitório do casal e banheiro e subsolo com depósito, adega e cozinha, cuja ventilação se dá por um vão de apenas cinco centímetros entre a alvenaria e a laje.

A reciclagem e o reaproveitamento de materiais de demolição são uma constante na residência do arquiteto Allen Roscoe. É o caso do lavabo, cujas paredes foram revestidas com chapas litográficas usadas e onde o porta-toalhas e o porta-papel são feitos com peças de corrimãos de ônibus; e, do mezanino, com o piso do banheiro em chapas de aço revestido por borracha e paredes metálicas constituídas de embalagens utilizadas. O sistema hidráulico é todo aparente e possui algumas partes com mangueiras flexíveis que permitem a movimentação da pia da cozinha, por exemplo.

A casa Mangabeiras traduz com perfeição o que se chama de personalização de espaços: “Tudo aqui está associado ao meu estilo de vida”, afirma o arquiteto. No mezanino, por exemplo, a cama do casal tem rodízios e, ao ser deslocada, deixa aparecer a banheira que está embaixo dela. Assim, tanto durante o repouso quanto na hora do banho, é possível admirar a paisagem. Ainda no dormitório, destaque para o guarda-corpo que nada mais é do que armário para as roupas e objetos do casal.

Porém, as peculiaridades da residência atingem o auge na grande sala do térreo que foi reservada ao estar e para abrigas os jipes. Ou seja, visitas e carros convivendo em harmonia, assistindo a prática do principal hobby do proprietário: recuperar e colecionar esses carros robustos e antigos.

Ficha técnica

Casa Mangabeiras, Belo Horizonte (MG)

Projeto de Allen Roscoe

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 469 m²
  • Área Construída 350 m²
  • Início do Projeto 1991
  • Conclusão da Obra 1992
  • Projeto Allen Roscoe da Cunha
  • Projeto de Arquitetura Allen Roscoe da Cunha
  • Projeto de Fundação Sérgio Velloso
  • Projeto Estrutural - Aço MIL Montagem de Indústrias Ltda.
Topo