Casas

Desenho engenhoso aproveita ventilação natural e refresca casa de praia

Giovanny Gerolla

Do UOL, em São Paulo

Para entender a arquitetura da Casa Pernambuco, desenhada pelo arquiteto Flavio Castro e localizada no Guarujá (SP), é preciso imaginar três eixos longitudinais e perpendiculares à via pública, que dividem o terreno em porções compridas e paralelas.

O eixo central, "vazio", faz a circulação entre o ponto de entrada na casa, à frente, e os fundos, atravessado um jardim. À esquerda estão os ambientes de serviços e o recreio – este último composto pela cozinha interna aberta para salas, cozinha externa com churrasqueira e área verde.

À direita ficam as áreas sociais de “estar” - como as salas da lareira e de jantar e o espaço dedicado ao home theater -  que se alinham à piscina com deck de madeira e ao bloco dos fundos que abriga a sauna e os vestiários.

Apesar da continuidade longitudinal, a casa é reservada e há uma diferença brusca entre as intenções arquitetônicas nas fachadas da frente e dos fundos. Na primeira, o intuito é o de resguardar a privacidade através de janelas pequenas, no piso térreo, posicionadas estrategicamente; enquanto a posterior se vale de imensos panos de vidro e, portanto, generosas transparências que ligam a piscina e os jardins aos espaços internos. 

A casa, que se quer luminosa e fresca, possui também fechamentos laterais com vãos regulares em vidro a fim de buscar o máximo aproveitamento da luz natural. Assim, as empenas (paredes larerais voltadas para os terrenos vizinhos) são quase cegas. Elas também receberam vegetação, que filtra a luz solar.

Ventilação cruzada e otimização da luz

O eixo livre e central da circulação se afunila da rua para os fundos e cruza um outro, que garante a mobilidade vertical, formado pela escada autoportante (que se sustenta com o apoio de uma só extremidade) entre os pavimentos inferior (social) e superior (íntimo).

Este cruzamento abre caminho para eficiente ventilação por convecção, onde uma veneziana metálica instalada no ponto mais alto da cobertura funciona como verdadeiro exaustor, eliminando o ar quente dos interiores, quando as portas pivotantes - alinhadas em ambas as fachadas - estão abertas.

“Além de dispensar refrigeração, economizando energia com conforto térmico, a Casa Pernambuco faz uso de outros aspectos sustentáveis, como o sistema de aquecimento solar para água e as aberturas estratégicas nas fachadas, que permitem a incidência constante de luz natural em todo o espaço interno, de forma que a iluminação artificial seja dispensável ao longo do dia”, explica Flavio Castro.

A volumetria da fachada posterior também acompanha a incidência solar local, de forma que a laje que cobre a área de churrasqueira faça sombra sobre as áreas sociais. “O sombreamento ajuda a manter a temperatura interior mais amena nas horas de sol mais forte”, afirma o arquiteto.

Outra vantagem da concepção arquitetônica foi ter facilitado cálculos estruturais e a execução da obra, pois regimenta os espaços modularmente, com vãos regulares e proporcionais entre as colunas de concreto. O resultado é uma casa de praia fresca, acolhedora e bem iluminada.

Ficha técnica

Casa Pernambuco, Guarujá (SP)

Projeto de Flavio Castro

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 500 m²
  • Área Construída 430 m²
  • Início do Projeto 2006
  • Conclusão da Obra 2007
  • Projeto Flavio Castro
  • Projeto de Arquitetura Flavio Castro
  • Projeto de Decoração Flavio Castro
  • Projeto de Paisagismo Flavio Castro
  • Gerenciamento da Obra Flavio Castro e José Claudio Magalhães
  • Projeto de Instalações Elétricas W. Mirham
  • Cálculo Estrutural Engas Engenheiros Associados - Osny Machado de Lima Jr.
  • Projeto Luminotécnico Flavio Castro
Topo