Apartamentos

Duplex com 59 m² ganha visual descolado e decoração "vintage"

Vinícius Abbate

Do UOL, em São Paulo

O apartamento de 59 m², em que vive um morador de 40 anos na Alameda Campinas – em São Paulo -, foi remodelado e ganhou interior com cara nova, desde o "layout" até os revestimentos e a iluminação. “O morador está há dez anos no apartamento. Minha primeira preocupação foi convencê-lo a não se mudar para um apartamento maior”, explica o arquiteto Maurício Arruda, responsável pelo projeto. Acostumado a viver sozinho em um espaço reduzido e conhecendo bem as limitações do imóvel, o cliente,  então, solicitou uma transformação geral de todos os ambientes internos.

De acordo com Arruda, o sofá da sala de estar foi o ponto de partida para o andar inferior e influenciou toda a composição de formas, cores e texturas do projeto. O design da peça, fabricada em 1962, é de Sergio Rodrigues. A nova ambientação do duplex foi feita a partir de uma paleta de cores e materiais restritos. No piso inferior, por exemplo, a marcenaria teve acabamento em freijó ebanizado, para a estante da sala e para os armários da cozinha.

“Para inverter a usual combinação ‘piso de madeira e paredes brancas’, optamos por uma pintura em tinta epóxi branca sobre o piso de ipê nos dois andares”, explica o arquiteto. As paredes foram pintadas em um tom que combina as cores bege e cinza, conhecido como “greyge”, que tem a sobriedade do cinza aliada ao tom quente da gama marrom.

 Cor com personalidade

“Apesar do apartamento ser pequeno, procurei fugir das soluções habituais. Assim, as paredes ganharam um tom com aparência aconchegante e a opção pelo piso claro criou superfícies de reflexão para a luz, compensando os revestimentos escuros, em especial, no volume da escada e na marcenaria do térreo, revestida de carvalho ebanizado preto”, afirma Arruda.

Uma casa completa em 26 m²? Veja!

  • MB/ UOL

As únicas exceções à paleta branco, preto e “greyge” no piso inferior são o ladrilho hidráulico floral do piso da cozinha, as gravuras e tapeçarias e o tapete marroquino Berber, que compõem a coleção “vintage” do morador. No andar superior, o preto da marcenaria foi substituído pelo tom natural da caviúna e do freijó e pelo azul cobalto, com acabamento brilhante do armário principal.  Ali, outro armário, com portas revestidas de espelho, delimita os espaços do quarto e do banheiro.

Pequeno, mas amplo

“Para criar a sensação de amplitude, me preocupei em estabelecer uma unidade entre cores e revestimentos e deixar o mais fluido possível a divisão entre os ambientes. Internamente, o apartamento possui apenas duas portas, sendo uma de espelho para o banheiro e outra de palhinha para a área de serviço, mas que permitem deixar a luminosidade se propagar”, enfatiza Arruda. A palhinha, revestimento tradicional brasileiro, reveste a porta que dá acesso à lavanderia, localizada junto ao banheiro, que, por sua vez, tem pastilhas cinza no piso e paredes de cerâmica branca brilhante, com aspecto retrô.

No duplex, o pé-direito é de aproximadamente 2,70m, mas para que a sensação de amplitude fosse ainda maior, os rodapés foram retirados da base das paredes. A iluminação de teto limita-se ao lustre sobre a bancada da cozinha e ao plafon próximo aos armários do quarto, peças respectivamente dos anos 1960 e 70. Todo o restante do apartamento é iluminado por luzes embutidas nas marcenarias e pelos abajures junto aos sofás e à cama.

Ficha técnica

Duplex da Alameda Campinas , São Paulo (SP)

Projeto de Mauricio Arruda

Detalhes do projeto
  • Área Construída 59 m²
  • Início do Projeto julho de 2010
  • Conclusão da Obra fevereiro de 2011
  • Projeto Mauricio Arruda
  • Equipe Mauricio Arruda, Henrique Lauer, Sandra Telles, Bruno Castanhari e Isabella Angeloni
  • Colaboradores Henrique Lauer e Sandra Telles
  • Projeto de Arquitetura Mauricio Arruda (reforma)
  • Projeto de Decoração Mauricio Arruda
  • Projeto de Paisagismo Mauricio Arruda
  • Gerenciamento da Obra Marlos Empreiteiro
  • Projeto de Instalações Elétricas Marlos Empreiteiro
  • Projeto Luminotécnico Mauricio Arruda
Topo