Apartamentos

Edifício tem 15 apartamentos, todos diferentes e prontos para mudanças - veja um deles

Um edifício residencial com 15 apartamentos em oito andares e capaz de atender várias demandas de consumo – de quem mora sozinho a uma família com dois ou três filhos. O Ourânia, na zona oeste de São Paulo, é um tipo de empreendimento pouco comum hoje em dia, quando o mercado imobiliário prefere investir em prédios uniformes, voltados para um único nicho, com unidades idênticas. Incorporado pela IdeaZarvos, que já tem no portfólio outros empreendimentos de perfil diferenciado, o Ourânia foi projetado pelo escritório Gui Mattos Arquitetura.

 

O fio condutor do trabalho foi oferecer aos compradores a possibilidade de definir o layout de seu imóvel: para a área pré-estabelecida do apartamento, puderam determinar o número de dormitórios, a localização da cozinha, da sala de estar e da área de serviços. Para isso, a estrutura do prédio é desvinculada dos interiores, assim como as instalações elétricas e hidráulicas também foram projetadas de forma independente e preparadas para serem configuradas individualmente. 

No mote da personalização, quem mora no novo Edifício Ourânia tem, para um lado, vista limpa e privilegiada da Vila Madalena e, para outro, o horizonte do Alto de Pinheiros. O prédio consegue chamar atenção por sua aparente simplicidade - sem perder o estilo casual e contemporâneo, tão a gosto dos frequentadores assíduos de bares, restaurantes e lojas da região.
 

  • Arte UOL

    A sugestão de distribuição de ambientes feita no projeto de Gui Matto previa um apartamento de dois quartos. A intervenção feita por Victoria Kertzer, deixou apenas um, mas criou um espaçoso escritório e incluiu um lavabo. A cozinha também foi alterada e, o living, invertido

A fachada é irregular, e seus vãos apresentam-se modulados em muitas janelas. Deixam de constituir aberturas únicas, apesar de expor grandes blocos transparentes e envidraçados por quase todo o perímetro do prédio.

Fachada personalizada

"Desenvolvemos uma caixilharia especial para o edifício, de alumínio, que pode tanto ser fechada com vidro, como com painéis cimentícios", explica o autor do projeto, Gui Mattos. As esquadrias não têm um desenho que identifique o ambiente onde estão instaladas – se é sala, dormitório, banheiro. Em três tamanhos, juntam-se ou separam-se em módulos, adaptando-se a qualquer tipo de espaço. "Quem comprou o imóvel na planta, definiu antes da construção onde elas estariam", complementa o arquiteto e gerente de marketing da IdeaZarvos, Guilherme Fiorotto.

Dessa forma, os fechamentos foram executados na medida em que o proprietário determinava qual seria a intensidade da iluminação natural em seu imóvel – e por onde a luz passaria. "A possibilidade de deslocar janelas ou fechá-las em ambientes mais privados foi condição essencial para o sucesso do projeto e do empreendimento", diz Gui Matto, "quando primeiro imaginamos o edifício, ainda não sabíamos qual seria a configuração final da fachada", explica.

Instalações flexíveis

As verdadeiras responsáveis pela flexibilidade das lajes do prédio são as colunas estruturais em U. Distribuídas por todo o perímetro do edifício e ao redor dos elevadores, essas colunas garantiram que as lajes ficassem livres da presença de pilares. "Sem pilares no meio do caminho, paginar e repaginar os ambientes vira quase uma brincadeira, e pode ser feito a qualquer momento, sem maiores dificuldades, porque toda a divisão interna entre cômodos é feita com drywall", diz Mattos.

Dentro dos vazios da coluna em U passam shafts que contêm todas as instalações hidráulicas e elétricas do edifício, e que são o "pulo do gato" da personalização de cada unidade.

Apenas uma piscina

Muito simples na implantação em L, a base do Ourânia ascende sobre um retângulo. "É tudo lógico e comum para um bairro onde os terrenos são estreitos: pela própria Rua Ourânia está o acesso à garagem, que passa por debaixo do deck de madeira ao lado da raia de natação", descreve Gui Mattos. À frente da portaria, num recuo da rua até a guarita de segurança, foi feita uma pequena praça, com área verde que ficará acessível aos vizinhos do Alto de Pinheiros.     

O projeto flexível do edifício parece ter agradado ao público: 14 das 15 unidades de entre 120 m² e 420 m², comercializadas por valores na faixa de um milhão de reais, já estão ocupadas – em um empreendimento que não oferece "clube", nem a lista interminável de espaços de uso coletivo e fachadas neoclássicas que o mercado imobiliário lança repetidamente.  (Giovanny Gerolla, colaboração para o UOL)

Ficha técnica

Edifício Ourânia, São Paulo (SP)

Projeto de Gui Mattos

Detalhes do projeto
  • Cliente IdeaZarvos Planejamento Imobiliário / Pombeva Incorporadora
  • Área do Terreno 1.100 m²
  • Área Construída 4.440 m²
  • Início do Projeto agosto de 2007
  • Conclusão da Obra dezembro 2009
  • Projeto Gui Mattos
  • Colaboradores Fabio Mendes
  • Projeto de Paisagismo Andre Paoliello
  • Projeto de Fundação Apoio Assessoria e Projeto de Fundações
  • Projeto Estrutural - Concreto Esteng Estrutural Engenharia
  • Construção DP Unique Engenharia
  • Projeto de Instalações Elétricas Gera Serviços Engenharia
  • Projeto Luminotécnico Reka Luminotécnica
Topo