Casas

Em meio à mata, casa com alma indígena tem banheiro de madeira

Ledy Valporto Leal

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Uma cobertura curva e metálica repousa sobre a mata verde e causa impacto por seu brilho cintilante. É a Casa Arca, localizada a 10 km de Paraty (RJ), num terreno de 20 mil m², que já foi um bananal e faz fronteira com o Parque Nacional da Serra da Bocaina.

O nome foi dado pelos vizinhos, motivado pela semelhança com as costelas de um barco. Mas, segundo o proprietário e autor do projeto, o arquiteto Marko Brajovic, "ela é inspirada num tipo de casa indígena do Médio Xingu e pretende associar alta tecnologia e espaço multifuncional contrastando visualmente com a natureza".

A forma

A estrutura vertebral é uma concha nervurada autossustentável inspirada em organismos vivos. O sistema dá corpo ao telhado, às paredes e, ainda, resolve parte dos acabamentos. Com construção rápida, quatro meses bastaram para a acomodação da obra em meio à leveza da paisagem, em um pequeno platô natural. Com impacto mínimo junto ao meio, sua implantação evitou qualquer tipo de interferência na topografia, dispensando inclusive maquinário para remoção de terra.

O material utilizado para estruturar a concha é o galvalume: uma liga de aço carbono, alumínio e zinco, importada de Israel. Autoportante (que ajuda a dar sustentação) e resistente a ventos de até 160 km/h, o metal cobre toda a residência, ou seja, uma área de 110 m², pelo emprego de módulos curvos, cada um com 2,2 m. A montagem, feita no local, levou apenas duas semanas e a forma construtiva permite que o conjunto seja facilmente desmontado e transportado para outro lugar, uma "solução que celebra o nomadismo", como diz o arquiteto.

Dias de calor

O material utilizado nessa casca se comporta de forma peculiar quando o assunto é o isolamento térmico: a densa vegetação que envolve a construção assegura o frescor, mesmo nos dias de verão quando o sol aquece a cobertura. Porém, o tipo de liga metálica determina que o resfriamento seja rápido, garantindo noites agradáveis. O isolamento acústico, necessário para amenizar o barulho de pancadas mais fortes de chuva, é alcançado graças à presença de uma segunda ondulação no sistema de chapas.

Com duas faces envidraçadas e duas portas principais com 2,5 m de altura, a casa é bem iluminada e tem arejamento dado pela ventilação cruzada, auxiliada pelas janelas máximo-ar. A circulação do ar é auxiliada, também, pela presença de dois exaustores no teto e das grelhas na base da cobertura.

Sistema construtivo

Duas grandes vigas laterais (sapatas) apoiam a cobertura metálica. No piso, a laje tradicional foi substituída por um assoalho de madeira (eucalipto) sustentado por uma série de pilares de concreto armado. As únicas paredes da Casa Arca são as de madeira (eucalipto) que asseguram a privacidade dos dois dormitórios e do banheiro. Com 5,6 m de pé-direito, o amplo salão admite múltiplos usos, em especial, o convívio de familiares e amigos nos fins de semana. Segundo Brajovic, "a casa é um manifesto, tem arquitetura leve e se integra ao entorno sem se esconder".

Ficha técnica

Casa Arca, Paraty (RJ)

Projeto de Atelier Marko Brajovic

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 20 mil m²
  • Área Construída 110,85 m² (térreo + subsolo)
  • Início do Projeto setembro/ 2014
  • Conclusão da Obra abril/ 2015
  • Projeto Atelier Marko Brajovic
  • Equipe Marko Brajovic; Bruno Bezerra; Lucas de Sordi
  • Projeto de Arquitetura Marko Brajovic
  • Gerenciamento da Obra Lindomar Princisval (mestre artesão)
Topo