Últimas de Estilo de vida

Família reforma sobrado na Liberdade e quer uma vida mais tranquila em SP

Giovanny Gerolla

Do UOL, em São Paulo

Uma daquelas casas “com cara de vó”, das quais muita gente sente saudade e, no fundo, sonha ter. Com enormes vitrôs coloridos à entrada, grandes portas de madeira, pé direito altíssimo – que ultrapassa os três metros -, e muita, muita história para contar.

Assim parecia a casa na Liberdade, bairro central da capital paulista. A região, aliás, está cheia desses “presentinhos” históricos, que esperam pelo interesse de uma boa alma a se apaixonar e investir na manutenção do patrimônio cultural e arquitetônico da cidade.

De saída – melhor dizendo, desde a porta de entrada -, o observador se depara com um lance de escadas em madeira trabalhada, corrimão e guarda-corpo, tudo original, de perobinha do campo. O piso é em tábuas corridas de peroba rosa, formando um parquet com desenho-estrela comum nos anos 1950 e, hoje, raridade aclamada.

No piso térreo, as salas de estar e as áreas externas agora estão integradas por portas de madeira com vidros, para deixar a claridade passar, da frente para os fundos e dos fundos até a frente – a depender da posição do sol. E para quem não gosta de pouco luxo e trabalha em casa – porque com uma morada dessas, não dá vontade de sair: quintal com jardim e edícula que, além de área de serviços, abriga escritório e dá direito a canteiro de ervas e plantas ornamentais.

Estilo estrutural

O “retrofit” (reforma que visa personalizar, adaptar, recuperar e melhorar os equipamentos, a estrutura e o conforto de uma construção antiga) foi projetado e executado pelo escritório SET Arquitetura e partiu para algumas alterações estruturais que deixassem a residência mais de acordo com seu estilo original, pois detalhes haviam sido alterados desde a década de 1950, por antigos moradores. O sobrado também precisava se tornar mais funcional, para família com dois filhos e se adaptar às necessidades elétricas e hidráulicas da modernidade.

A fachada frontal foi liberada de uma laje-cobertura fechada com portão metálico que servia de garagem para carros, mas cobria e sombreava a beleza do volume histórico. Enquanto no fundo do quintal, o jeito foi demolir uma edícula pré-existente, retirar 16 caminhões de terra e construir outra nova.

A passagem do hall principal para a sala de estar, através de estreita porta, teve de ser literalmente escancarada, porque o foyer, com a escadaria e pisos clássicos de madeira, merecia ter destaque. Para tanto, foi arrancada a porta e reforçado o novo vão com dois metros de largura, através de estruturas metálicas com pilares apoiados diretamente nas fundações, além de vigas de aço.

Mas não bastava: a passagem entre a sala de estar e a de TV também precisava ser aberta para melhor aproveitamento dos dois ambientes e da luz natural que vinha da rua, através da fachada. A mudança proporcionou um aumento do tamanho das esquadrias pré-existentes e também do número de folhas da porta entre uma sala e outra, que agora se abre por completo.

No pavimento superior do volume principal, onde ficam os dormitórios, uma antiga varanda foi integrada ao quarto dos fundos, que viria a ser de uso do filho do casal. Além da incorporação do balcão, o banheiro único e original foi “dividido” e um novo se abriu para o dormitório do casal, pois há 60 anos, ninguém se preocupava em ter suíte.

Por fim, o projeto de decoração mescla romantismo, em tons de vermelho e estampas tradicionais, com tijolos aparentes, madeira crua, muitas peças com pés-palito – mesas, poltronas, sofás -, móveis de antiquário (inclusive camas) e elementos contemporâneos, como revestimentos em porcelanato.

Por R$ 400 mil reais, incluindo demolições, retirada de entulho, marcenaria e acabamentos – e toda a madeira de demolição que reveste partes do piso restaurado -, a reforma mostrou-se uma ótima opção de investimento e de qualidade de vida, para o presente e para o futuro.

Ficha técnica

Sobrado na Liberdade, São Paulo (SP)

Projeto de Flavio Cunha, SET Arquitetura

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 184 m²
  • Área Construída 145 m² (área construída pré-existente: 92 m²)
  • Início do Projeto 2013
  • Conclusão da Obra 2014
  • Projeto SET - Arquitetura e Construções
  • Equipe Flavio Cunha Machado e Elcio Tanaka
  • Colaboradores Flavio Cunha Machado, Elcio Tanaka, Telma Galuppo Damasceno, Renato Talasamov e Francisco Félix de Lima
  • Projeto de Arquitetura SET - Arquitetura e Construções
  • Projeto de Decoração SET - Arquitetura e Construções
  • Projeto de Paisagismo SET - Arquitetura e Construções
  • Projeto Estrutural - Concreto SET - Arquitetura e Construções e Engenheiro Rogério da Silva
  • Gerenciamento da Obra SET - Arquitetura e Construções
  • Projeto de Instalações Elétricas SET - Arquitetura e Construções
  • Projeto Luminotécnico SET - Arquitetura e Construções e OSRAM
Topo