Casas

Intervenções pontuais criam ambientes confortáveis em casa distribuída em patamares

Éride Moura

Do UOL, em São Paulo

Antes de fechar a compra da casa em um condomínio no Alto de Pinheiros, bairro da zona oeste paulistana, a cliente - uma empresária que mora com a filha - quis a opinião de Marília Veiga sobre algumas modificações que pretendia fazer na planta original. Além de espaços amplos, aconchegantes e contemporâneos para viver e receber amigos e parentes, a nova moradora desejava uma suíte grande, com closet e banheiro espaçosos. Segundo a decoradora, tudo perfeitamente possível de ser satisfeito através de pequenas intervenções.

Projetada em patamares e com o programa organizado em três pisos, a casa, recém-construída, precisava de algumas adaptações. Do térreo, com garagem, pequena sala e área de serviços, uma escada leva ao primeiro patamar, meio piso acima, com espaçoso living, de pé-direito duplo, dividido em dois ambientes por uma lareira e aberto a uma pequena área ajardinada. Em um segundo patamar estavam organizados sala de jantar, lavabo, copa e cozinha. Por sua vez, a parte íntima, com quatro quartos e pequena sala, ocupa o segundo pavimento.
 
A nova casa, em poucos traços
 
O projeto de Marília Veiga incluiu, além de mudanças na planta, a colocação de materiais de acabamento, uma vez que a casa foi entregue semi-finalizada. O piso escolhido, de madeira, com rodapé alto, revestiu toda a residência, que teve também suas tomadas adaptadas às novas exigências de segurança. Todos os ambientes receberam forros de gesso e luminárias embutidas e a escada - que dá acesso ao piso superior - foi revestida de madeira e ganhou guarda-corpos de vidro. Junto a ela, uma parede em tom vermelho chama a atenção e dá identidade ao espaço. 
 
“Com a mudança de algumas paredes no primeiro piso, conseguimos integrar a cozinha com a copa e a antiga sala de almoço se transformou em sala de jantar. O lavabo, antes próximo deste bloco, foi deslocado para o piso térreo, junto à entrada, deixando mais espaço para as áreas de refeição. No mesmo piso, foi criado o home theater, que passou a ocupar a área da antiga sala de jantar”, conta Veiga. 

Clique para ver a decoração para um apê com 180 m², assinado pela decoradora Marília Veiga

  • Daniel Veiga/ Divulgação
 
Situado meio patamar acima do living, o espaço agora destinado ao home theater era protegido por um guarda-corpo de ferro, que foi substituído por um móvel de madeira com a dupla função, desenhado pela decoradora: de um lado serve de apoio às costas do sofá, e do outro, de estante para o living. 
 
O living, com pé-direito duplo, ganhou dois ambientes: além do espaço de estar, foi criado um canto com poltrona e estante, para leitura. Entre eles, a lareira foi embelezada com revestimento de madeira de demolição. E, ainda nesse pavimento, a área ajardinada deu lugar a um espaço para banho de sol, com pergolado e um pequeno jardim.
 
Ala íntima e detalhes de decoração
 
Na parte íntima, um dormitório foi suprimido, tendo sua área ocupada pelo closet e pela ampliação do banheiro da suíte máster, que ganhou uma banheira separada do chuveiro. No quarto, o destaque fica por conta do nicho iluminado atrás da cama, que além de elemento decorativo, é também funcional. 
 
A outra suíte - ocupada pela filha - e uma sala íntima, reversível para quarto de visitas, ocupam o outro extremo do pavimento, que conta ainda com um pequeno banheiro social. 
 
A madeira é um elemento predominante no projeto, utilizada tanto no mobiliário quanto em portas de correr. Nas paredes, as cores usadas têm base neutra, uma das características do trabalho de interiores de Marília Veiga, que prefere pontuar com cores vivas, nas peças de arte e nos objetos decorativos. 
 
A iluminação, embutida e indireta, foi muito bem estudada e oferece diversas possibilidades de ambientação. A luminotécnica destaca-se pelo uso de focos dispostos “no frame” no teto e balizadores na escada, cujo uso é complementado por abajures e luminárias. 
 
Na sala de jantar, a decoradora escolheu o tom esverdeado para a mesa, inspirada na coleção de peças de cerâmica do tipo celadom da proprietária do imóvel. A mesa divide espaço com um grande espelho redondo, que brinca com o reflexo, e um buffet com tampo de mármore e portas de vidro jateado. Tanto a mesa quanto o buffet  foram desenhados pela decoradora. 

Ficha técnica

Casa no Alto de Pinheiros, São Paulo (SP)

Projeto de Marília Brunetti de Campos Veiga

Detalhes do projeto
  • Área Construída 300m²
  • Início do Projeto 2008
  • Conclusão da Obra 2008
  • Projeto Marília Brunetti de Campos Veiga
  • Projeto de Decoração Marília Brunetti de Campos Veiga
  • Projeto Luminotécnico Lumini
Topo