Casa e decoração

Reforma integra sala e cozinha e cria suíte a partir de banheiro de serviço

Silvana Maria Rosso

Colaboração para o UOL, de São Paulo

Em São Paulo, o apê 62 construído nos anos 1960 e com 93 m² era uma casa confortável, mas estava “fora de moda”. Composto de sala, banheiros social e de serviços, três quartos, cozinha e lavanderia, o apartamento cinquentão era bem compartimentado, exigindo um redesenho que atendesse às necessidades dos dias atuais. A proprietária, Nathália Favaro, arquiteta do escritório Vitrô Arquitetura, queria espaços abertos, amplos, claros e sem hierarquias.

A fim de ganhar amplitude e fluidez, a arquitetura buscou integração: uniu sala e cozinha, transformando os espaços em uma única área social. Outro recurso adotado foi "manter a circulação contínua, ao redor dos banheiros, que interliga as áreas social, íntima e de serviço", explica a arquiteta.

A área íntima foi redistribuída e adaptada: um dos quartos foi transformado em suíte apenas alterando o acesso do banheiro de serviços, que, agora, se abre para o dormitório. O segundo quarto que interliga a área íntima a de serviço virou um closet e o terceiro foi ocupado pelo escritório-ateliê.

Como o taco de madeira original estava comprometido, a escolha do piso foi crucial para garantir o dinamismo e a homogeneização dos ambientes. Um único material percorre quase toda a morada: granilite claro e com juntas de dilatação. As exceções são a lavanderia e os banheiros, onde foi mantida a cerâmica hexagonal da época da construção.

As etapas

A reforma começou pela retirada das portas e pela abertura dos novos vãos. Na sequência, a alvenaria que separava cozinha e sala foi demolida. Foi quando os tijolos de barro originais foram descobertos. "A ideia de deixá-los aparentes norteou a escolha dos demais acabamentos", conta Nathália.

"O tijolo aparente funciona como um revestimento natural, no sentido de já estar ali, de já fazer parte do edifício. Também traz a sensação de rusticidade", afirma a arquiteta. A preciosa alvenaria foi protegida com a mesma resina usada no acabamento do granilite. Na cozinha, bastou retirada os azulejos para a parede ficar nua. Já no quarto foi preciso descascar o emboço e o reboco, para que os tijolos aparecessem.

As vigas e o pilar de concreto foram expostos e as bancadas de concreto, moldadas ‘in loco’, dialogam com tais elementos estruturais. Para a iluminação, a arquiteta buscou explorar a luz natural e, quando os focos artificiais são acionados, a preferência recai sobre as projeções indiretas, auxiliadas por pontos de claridade gerados pelos abajures.

O design de interiores arrematou os ambientes com poucos móveis, tapetes marcantes, madeira, toques de azul e pitadas de vermelho resultando em combinações ora aconchegantes, ora inteligentes e funcionais, bem ao estilo contemporâneo.

Ficha técnica

Apê 62, São Paulo

Projeto de Vitrô Arquitetura

Detalhes do projeto
  • Área Construída 93 m²
  • Início do Projeto 2013
  • Conclusão da Obra 2013
  • Projeto Vitrô Arquitetura
  • Colaboradores Sarah Mota Prado
  • Projeto de Arquitetura Nathália Favaro - Vitrô Arquitetura
  • Projeto de Decoração Nathália Favaro - Vitrô Arquitetura
  • Projeto Luminotécnico Nathália Favaro - Vitrô Arquitetura
Topo