Casa e decoração

Reforma rejuvenesce apê quarentão sem abrir mão de seu charme original

Juliana Nakamura,

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Localizado na zona sul de São Paulo e vencedor de prêmios de arquitetura nos anos 1970, o edifício Gemini foi projetado por Eduardo de Almeida, um dos grandes nomes da arquitetura paulistana. Por isso, ao planejar a reforma de uma das unidades do prédio para ser sua morada, o arquiteto Takuji Nakashima teve certa reverência.

A ideia era valorizar as características que davam personalidade aos espaços, como a estrutura de concreto com pilares e vigas desnudas, a vedação com tijolos aparentes e os caixilhos de ferro com medidas incomuns. Além disso, havia a necessidade de respeitar um orçamento limitado.

A intervenção na planta com 87 m² teve início com a integração parcial da sala de estar com um dos dormitórios, agora convertido em escritório. A parede foi parcialmente demolida, transformando-se na divisória que sustenta uma prateleira feita com laminado melamínico e folhas de madeira (freijó). A mudança aumentou a área de armazenamento e garantiu fluidez entre os ambientes, sem comprometer a privacidade.

A harmonia dos opostos

A sala combina superfícies imaculadamente brancas com uma parede de tijolinhos por onde as instalações elétricas correm em canaletas metálicas aparentes. Nakashima conta que a decisão de manter tais elementos visíveis se deu pela rapidez da execução e pelo desejo de evitar intervenções em uma parede que já soma quatro décadas. O cuidado com o patrimônio se estendeu pelas janelas do piso a teto. Elas estão no quarto, no escritório e no living e foram valorizadas pela pintura azul anil.

Em todos os ambientes são identificáveis as referências aos anos idos e sua harmonização com elementos atuais. Entre os exemplos está a poltrona com encosto de palhinha desenhada por Sergio Rodrigues e executada em madeira (tauari). O móvel compartilha o espaço com as bicicletas penduradas em um pequeno trecho remanescente de parede, revestido com folhas de madeira (freijó).

Tanto no quarto quanto na sala o piso original de tacos foi preservado, estabelecendo mais uma conexão com a história do lugar. Nos demais ambientes o revestimento é feito com pintura epóxi. O projeto de iluminação também tira partido estético das instalações aparentes e oferece novos pontos de luz ao apê. Todos eles foram envoltos de plafons de sobrepor, cúpulas metálicas e réguas, que ajudaram a criar a composição com alma contemporânea.

Ficha técnica

Apê Gemini, São Paulo (SP)

Projeto de Takuji Nakashima

Detalhes do projeto
  • Área Construída 87 m²
  • Início do Projeto 2012
  • Conclusão da Obra 2013
  • Projeto Takuji Nakashima
  • Projeto de Arquitetura Eduardo de Almeida (original); Takuji Nakashima (reforma)
  • Projeto de Decoração Takuji Nakashima
  • Gerenciamento da Obra Aquiles Accocella
  • Projeto de Instalações Elétricas José Carlos Santos
  • Projeto Luminotécnico Reka
Topo