Casamento

Participação do noivo é fundamental para que ele não se sinta uma visita no próprio casamento

Thinkstock
Noivo deve participar da organização do casamento para aproveitar cada momento do casamento imagem: Thinkstock

Marcelo Testoni

Do UOL, em São Paulo

A maneira de organizar um casamento mudou bastante de uns tempos para cá. Antigamente, familiares e amigas próximas à noiva se dividiam em mutirão para atender às exigências do “grande dia” --escolher o vestido, preparar o bufê e definir o tema da decoração, por exemplo, eram encargos exclusivamente femininos. Atualmente, de formas diferentes, ambos os sexos participam da organização do evento.

Para o consultor Will Araújo, da assessoria Santo Casamenteiro, ‘‘tão ou mais valiosa do que a pergunta ‘quer casar comigo?’ é a colaboração voluntária que vem depois”. E continua: “às vezes, pelo fato de o casal já morar junto, o pai da noiva não se sente na obrigação de arcar com as despesas. Por isso, quando decidem fazer uma comemoração, os noivos têm de ter em mente que as despesas são um compromisso deles mesmos e de mais ninguém.’’

Parceria
E não é por que grande parte dos assuntos de um casamento gira em torno do universo feminino que o homem pode se ausentar e não colaborar com sua opinião masculina. Além disso, o evento é um dos primeiros projetos conquistados a dois e, segundo Vera Simão, idealizadora do evento Casar e presidente da ABRAFESTA (Associação dos Profissionais, Serviços para Casamento e Eventos Sociais), a prévia do que será o matrimônio pode muito bem se revelar em uma discussão sobre o sabor do bolo.

  • Arquivo Pessoal

    Rafael Aquaroli vai se casar em março de 2013 com Elisa Romano e organizar o casamento já virou um passatempo para o casal


‘‘Conheço casos de pessoas que descobriram algumas habilidades se envolvendo com assuntos que não faziam parte de suas vidas. Organizar um casamento é uma novidade para todos. Com ele, desenvolvemos sensações jamais vividas e enfrentamos muitos de nossos medos e receios. Por isso, a meu ver, o segredo de uma união duradoura vai além das sugestões de um assessor; está mais na cooperação mútua e na criatividade do casal se reinventar todos os dias, sempre.’’

Foi o que aconteceu com o fisioterapeuta Rafael Aquaroli (foto ao lado). Para colaborar com sua noiva e ter a chance de deixar o próprio casamento mais autoral, ele tratou logo de ter uma conversa a respeito da divisão das obrigações. ‘‘A princípio, para não sobrecarregá-la, acertei as atividades que eu poderia cumprir sozinho. Por exemplo, flores e móveis da moda nunca foram a minha praia; preferi mesmo negociar os preços e elaborar a planta do espaço da festa’’, explica.

Mas o que era para ser uma simples ajuda à noiva acabou se tornando um passatempo. ‘‘Com o decorrer dos meses, acabei revendo os meus conceitos e me envolvi com outros assuntos. Atualmente, fico com uns 40% dos afazeres e isso inclui até a parte da decoração’’, diz Aquaroli, que se casa em março de 2013.    

No entanto, existem outras tarefas que podem ser realizadas majoritariamente pelo noivo. Abaixo, veja algumas e saiba como tornar a festa em uma construção a dois.

Toque masculino: escolher o carro que fará o trajeto do casal à igreja, assim como cuidar do bar e preparar o cardápio de drinques são algumas das atividades que os homens assumem sem pestanejar. Assim, o noivo ainda contribuirá para não se sentir um convidado no próprio casamento. ‘‘Que dá trabalho, dá, mas no quesito ‘bebidas e preços’ os noivos se saem melhor que as noivas’’, garante Márcia Costa, diretora da Çavá Gestão e Eventos.

Burocracia: a organização de um casamento não é só emoção, pois também envolve muitas cláusulas e contratos. “Cada casal tem uma rotina e um perfil próprio mas, em geral, a noiva ainda tem mais tempo de se envolver com a cerimônia do que o noivo. O homem que deseja ajudar, mas ainda reluta em ficar com a parte da decoração, por exemplo, pode se oferecer para resolver a parte burocrática”, diz Vera. Portanto, ele pode se encarregar com a data e o local da cerimônia civil, além de separar os documentos necessários. E, se a família da noiva for daquelas que segue a linha tradicional e faz questão de bancar todas as despesas da festa, o noivo pode acertar os detalhes e papeladas da lua de mel.

Gastos precipitados: o noivo ainda pode salvar o casal de contrair as primeiras grandes dívidas. ‘‘Eu costumo brincar ao dizer que o homem é mais racional que a mulher, mas não é. O que acontece é que a noiva vê algo maravilhoso no casamento de uma amiga e precisa fazer igual. A cerimônia e a festa devem estar de acordo com o gosto e a realidade do casal’’, afirma Márcia Costa.

  • Thinkstock

    Noivo ainda pode colaborar ajudando a noiva a tomar decisões com a decoração e buffet da festa


O papel do noivo, no entanto, não é podar os sonhos da parceira, mas aconselhá-la de que os dois podem aproveitar esse dinheiro em situações mais oportunas, como na lua de mel, por exemplo. Para Vera Simão, “muitas vezes, a noiva, com as emoções à flor da pele, age por impulso. Portanto, a dica é definir orçamento com o noivo e visitar os principais fornecedores’’. Portanto, o noivo pode colaborar, também, ao reservar os serviços, negociar os preços e conversar sobre o tipo de trabalho oferecido.

Conselheiro: são raras as noivas que têm certeza de todos os detalhes que querem para o dia do casamento. Muitas vezes, elas ficam cercadas de indecisões --seja em relação ao sabor do bolo, às toalhas da recepção ou ao que será entregue aos convidados como lembrancinha. ‘‘É importante que, desde o princípio, ele se envolva com as atividades dela, nem que seja telefonando ou enviando um e-mail para saber como vai o andamento do evento. Assim, ele ainda se sentirá mais confortável ao opinar sobre temas que, até então, não faziam parte do universo masculino’’, aconselha Vera.

 

Topo