! Quer casar em outra cidade? Saiba como se planejar e os cuidados a tomar - 15/01/2015 - UOL Estilo de vida

Festa e cerimônia

Quer casar em outra cidade? Saiba como se planejar e os cuidados a tomar

Marina Oliveira e Thaís Macena

Do UOL, em São Paulo

Astral diferente, mais dias de festa, voltar a um local especial na história para o casal... Todos esses motivos podem levar um casal a considerar a possibilidade de realizar um destination wedding (destino de casamento, traduzido para o português) nome pelo qual são chamados os casamento que acontecem em uma cidade diferente de onde os noivos moram. “O simples fato de fugir do tradicional já torna tudo mais atrativo”, diz a cerimonialista Alessandra Costa, de São Paulo.

Quase sempre, um casamento em destino diferente dura mais de um dia. “Na data anterior à cerimônia, os noivos geralmente marcam um jantar com os parentes mais próximos na cidade escolhida. Alguns noivos também oferecem um almoço para as pessoas com quem têm mais intimidade no dia seguinte à festa”, explica a assessora de eventos Ana Cristina Magalhães, do Rio de Janeiro.

Por conta da distância e da necessidade de deslocamento, esses casamentos acabam sendo eventos mais exclusivos, destinados apenas às pessoas mais queridas. Mesmo assim, é preciso cuidado para não restringir tanto o número de convidados. “Considere que a taxa de falta será maior do que em um casamento convencional por conta da distância”, diz o cerimonialista carioca e produtor de eventos Sergio Felipe Coutinho.

Custos plenejados
O custo da viagem até o local também pode afugentar alguns convidados. Por isso, embora não seja obrigação dos noivos pagar pelas despesas dos convidados, é interessante que possam oferecer algumas facilidades àqueles que gostariam que estivessem presente no enlace. “Os noivos podem indicar pousadas e agências de viagens e até conseguir alguns descontos para os convidados. Disponibilizar transporte do hotel até a festa também é uma medida interessante”, diz Alessandra.

Esse tipo de casamento, normalmente, sai 30% mais caro que o tradicional. E a decisão de contratar mais ou menos serviços estará atrelada, obviamente, ao orçamento disponível. É preciso levar em conta que, em muitos casos, é necessário levar fornecedores de outra cidade até o local do casamento. E o deslocamento é cobrado como uma taxa à parte, além do valor do serviço.

Para baratear, é possível fechar com fornecedores locais que, dependendo do tamanho da cidade, podem até cobrar menos do que nos grandes centros urbanos. Contar com locais, no campo ou na praia, que ofereçam o mínimo de estrutura física, como um hotel que disponibiliza salão para a festa com banheiros e área coberta, por exemplo, também ajuda a reduzir o custo final do evento.

Porém, para que a seleção de fornecedores não deixe a desejar, o ideal é contar com serviços recomendados por pessoas de confiança. Antes de fechar, também vale a pena conhecer os representantes pessoalmente. Por isso, vale programar-se para visitar a cidade do enlace ao menos três vezes antes do casamento. “Esse contato é de grande importância para desenvolver uma relação de confiança com o fornecedor”, diz a assessora de casamentos Talita Uoya. “Com essas visitas, os noivos também podem organizar o evento com base na estrutura e nas condições que a cidade oferece”, afirma.

O tempo de preparação de um destination wedding é semelhante ao de um casamento tradicional, ou seja, um ano. No entanto, é recomendável avisar os convidados da data seis meses antes, para que possam se programar. “Uma boa dica é marcar os casamentos em cidade ou estado diferentes durante um feriado. Assim, todos conseguem se deslocar com mais facilidade”, diz Coutinho. 

Topo