Acessórios da noiva

Sob medida ou importados: quanto valem os vestidos mais caros no Brasil?

Marina Oliveira e Amanda Sandoval

Do UOL, em São Paulo

Casar com um vestido de noiva feito sob medida, ou importado, costuma ser caro. Mas há noivas que não se importam com este "detalhe" e se programam para bancar o luxo e tornar seu grande dia ainda mais especial.

Quem opta por fechar negócio com estilistas brasileiros o faz, na maior parte das vezes, por saber que o profissional se entregará quase exclusivamente a ela. “O meu principal trabalho é dedicar tempo e generosidade para encontrar o modelo ideal para cada cliente. Mais do que uma estilista, me torno uma stylist, porque penso em todas as particularidades do look junto com a noiva”, explica Giselle Nasser, da marca Nouveau, de São Paulo.

Para o estilista Lucas Anderi, a noiva que o procura quer o caimento do vestido impecável, o que só é possível quando o modelo é feito a partir das medidas precisas do corpo da mulher. “Cada vestido meu é adaptado à cliente para que pareça um biscuit no corpo feminino”, explica. Tamanha dedicação tem seu preço. Os modelos criados por Anderi, por exemplo, custam a partir de R$ 18 mil. Os da linha mais luxuosa da Nouveau, que utiliza somente tecidos de seda pura e renda francesa, ultrapassam os R$ 15 mil.

Além do atendimento, o preço alto se justifica pelo fato de que esses estilistas não utilizam matéria-prima barata. Afinal, é preciso garantir que a peça será bonita e terá caimento perfeito. A utilização de produtos importados também encarece o vestido, já que sobre os materiais incidem impostos que chegam a dobrar o custo original. Fora isso, há o fato de que, em uma produção exclusiva, não é possível negociar com empresas para obter tecidos e rendas a um preço mais baixo. “Como regra geral, quanto maior a quantidade de tecido comprado, mais barato ele sai. E o mesmo se dá com rendas e pedrarias", explica Giselle.

Também é preciso considerar que, em um ateliê, muitas pessoas são envolvidas na produção de uma única peça. “São cerca de dez artistas, com funcções distintas, como modelagem, corte, costura, curva, bordados, aplicações... A mão de obra também é cara”, afirma Anderi.

Vestidos gringos
Já as peças importadas sofrem com a conversão da moeda e encargos que recaem sobre a chegada ao Brasil. “Somando tudo, um vestido chega a ter seu valor aumentado em até 92%”, diz Thais Calfat, gerente de produto da marca brasileira Black Tie. “Assim, uma peça que custou US$ 200 vai chegar à loja com um custo de US$ 344. Com a conversão, sai por mais de R$ 1.000 sem que a loja ganhe um centavo”, explica Thais.

Em compensação, modelos importados podem carregar o nome de grandes estilistas internacionais --como Oscar de la Renta e Vera Wang-- e serem confeccionados com tecelagem exclusiva. “Um vestido importado é feito em escala e, geralmente, o dono da marca consegue desenvolver os tecidos para aqueles modelos. Aqui, você fica refém de matérias-primas prontas”, explica a gerente de produto.

A desvantagem de comprar um vestido importado é que, muitas vezes, é necessário fazer adaptações ao modelo original, já que cada país produz de acordo com o estilo de corpo da maioria de sua população. Também é preciso considerar que outros países nem sempre acompanham as tendências das noivas brasileiras, o que dificulta a vida da mulher em busca de algo atual. “Nesse momento, por exemplo, estamos passando por uma tendência de vestido de noiva com manga longa no Brasil. Mas isso não está acontecendo no exterior”, diz Thais. 

Topo