Últimas de Estilo de vida

Dossiê do bem-casado: saiba tudo sobre o doce-ícone dos casamentos

Marina Oliveira e Amanda Sandoval

Do UOL, em São Paulo

Hoje em é mais fácil ver uma noiva vestida de vermelho do que uma festa sem uma mesa repleta de bem-casados para deliciar os convidados na saída do evento. O doce composto por dois pedaços de pão de ló unidos por um recheio delicioso e banhado em uma calda de açúcar é item obrigatório na maioria dos casamentos. A versão brasileira dele é uma adaptação do lusitano casadinho, feito de maneira quase igual ao doce nacional, porém, com uma massa mais densa.

O doce português, por sua vez, foi inspirado nos tradicionais alfajores árabes, que uniam dois biscoitos com um recheio de doce de leite. “O significado do bem-casado é justamente a união: são dois bolinhos que só ficam juntos por causa do recheio. Por essa razão, o doce é uma tradição nos casamentos”, explica Silvia Chuairi, sócia e filha da fundadora do Atelier Mariza Doces, que produz bem-casados há 52 anos.

Mil sabores
As versões tradicionais levam um recheio de doce de leite ou baba de moça (feita com gemas, leite condensado e leite de coco). Porém, com as inovações constantes do mercado culinário e de festa, atualmente é fácil encontrar bem-casados de chocolate e com opções variadas de recheio: limão, tangerina, goiaba, brigadeiro, trufa, beijinho, pistache e até maçã com canela.

Apresentação é tudo
A versão mais pedida ainda é a embalada em papel crepom e amarrada com uma delicada fita de cetim. Mas, para combinar com a decoração da festa, o bem-casado pode ser oferecido de diversas maneiras: embrulhado em tecido, papel importado, saquinhos, envelopes, caixinhas personalizadas com os nomes dos noivos, amarrados com flores, medalhinhas religiosas e até cristal Swarovski.

“Também estão saindo muito as versões para comer de colher, que vão na própria colher de porcelana, em potinhos de acrílico ou vidro”, diz Larissa Montanari, proprietária da loja virtual de doces e lembranças Cake & Craft.

Preços
Bem-casados geralmente são vendidos por unidade. E, como regra, quanto maior a quantidade comprada, menor será o valor de cada doce. Os preços variam de acordo com a região do Brasil, mas é possível encontrar boas opções a um custo inicial de R$ 2. “É a embalagem que vai influenciar no preço”, diz Silvia. Por isso, estimar até quanto um doce pode custar é difícil, uma vez que são as preferências e a criatividade dos noivos que influenciarão no custo. 

O bem-casado perfeito
Cada doceira tem seu próprio segredo para preparar a sobremesa, mas há características comuns que devem ser observadas ao provar um bem-casado. “O bolinho deve estar fresquinho, com massa aerada e leve. O recheio tem que ser na medida certa, sem tornar-se enjoativo. Também não pode cheirar a ovo”, explica Angela Toribio, diretora da Oficina do Açúcar.

Quantidade ideal
Segundo a tradição, para garantir uma união feliz deve-se oferecer, ao menos, um bem-casado a cada convidado. Mas as doceiras são unânimes em afirmar que, por precaução, devem ser encomendados cerca de três por pessoa. Até porque, levar um (ou mais) desses doces para comer no dia seguinte também virou uma prática comum.

Da festa para o congelador
Os noivos que terminarem a celebração com mais bem-casados do que é possível consumir no prazo de validade de sete dias, podem congelar o doce. Ao sair do freezer, a massa não estará tão molhadinha e o recheio ganhará mais consistência, no entanto, o sabor é garantido. “O bem-casado pode ser congelado por três meses”, diz Silvia.

Topo