Casamento

Véu ainda é xodó de noivas modernas; conheça a história da peça tradicional

Mariana de Borba
Casar com véu comprido era um sonho de infância de Rita de Cássia imagem: Mariana de Borba

Marina Oliveira e Amanda Sandoval

Do UOL, em São Paulo

“Desde criança, ensaiava o meu casamento arrastando um lençol pela casa, preso ao meu cabelo. Era o meu véu”, diz a advogada Rita de Cássia Outeiro Dorneles Rodrigues, 28. Ela se casou com um véu de três metros de comprimento, feito de tule, com aplicações de rendas e cristais. “Para mim, o véu faz parte do pacote do casamento, é tão importante quanto o noivo, o vestido e o buquê”, declara.

Esse “pacote casamento” a que Rita se refere virou um modelo a ser seguido em 1840, por influência da rainha inglesa Vitória. A nobre escolheu sozinha o próprio marido, fez o pedido de casamento e inaugurou o modelo de núpcias que persiste até hoje: com direito a vestido branco e entrada triunfante embalada pela marcha nupcial.

O véu, especificamente, já era um elemento muito importante no traje das noivas romanas. Só a cor mudava: era laranja, para simbolizar a deusa do lar e do fogo sagrado, Vesta. Segundo a tradição, ao usar a peça, a noiva também se protegia dos olhares de cobiça dos convidados do casamento e mantinha sua pureza. O acessório aparece até na Bíblia, no livro Gênesis, que conta que Rebeca se cobriu com um véu para se aproximar do futuro marido, Isaque.

GMonteiro
Para Livian, o véu significa a pureza do amor do casal imagem: GMonteiro
Porém, na Idade Média, o tecido que cobria o rosto da noiva foi proibido em casamentos da realeza, com o objetivo de evitar que as mulheres fossem trocadas antes de chegar ao altar. No século XVI, o acessório parou de ser usado e só voltou a se tornar popular por ocasião do casamento da rainha Vitória.

Fieis à tradição
A enfermeira Livian Damiele Coelho Ramos, 31, fez questão de usar o véu em sua cerimônia de casamento. Para ela, o acessório marca o início de uma nova etapa da vida. “O véu significa a pureza do amor do casal. Sempre o vi como um símbolo da mudança que se inicia quando ambos se entregam para a vida a dois”, diz. O véu usado por ela também media três metros e foi confeccionado em tule.

XPhotos Produções
Janaina escolheu o véu primeiro e só depois o vestido imagem: XPhotos Produções
A profissional autônoma Janaina Ribas do Nascimento, 24, tinha tanta certeza que usaria um véu longo para casar que fez o contrário de muitas noivas: escolheu o acessório primeiro e só depois o vestido. O véu tinha três metros de comprimento e foi totalmente confeccionado em renda. “O véu não é apenas um acessório para embelezar o vestido, mas um ícone da pureza e do respeito pelo companheiro”, diz.

O desejo de Janaina de casar-se usando o véu também surgiu na infância. “Sempre achei lindo o casamento estilo princesa. E o véu faz parte desse universo”, diz. “O meu esposo se emocionou tanto ao me ver na porta da igreja com o traje que passou o tempo todo dizendo o quanto eu estava linda”, diz.

Arquivo Pessoal
O véu de Lígia deu o tom tradicional que ela tanto queria ao traje imagem: Arquivo Pessoal
Já a empresária Lígia Polezi Lopes, 29, prezou pela elegância ao escolher entrar na igreja com um véu de três metros e meio de comprimento. “Quando o coloquei junto com o vestido, percebi que ficou chique. Era o elemento tradicional que eu tanto queria”, diz. Porém, ela confessa que sofreu um pouco para chegar ao modelo ideal. “Demorei quase quatro meses para decidir, já que há muitas opções no mercado. Optei por um modelo com o qual me senti confortável, nem precisei ensaiar para usá-lo”, diz. 

Arquivo Pessoal
O véu de Lígia deu o tom tradicional que ela tanto queria ao traje imagem: Arquivo Pessoal
Topo