Comportamento

10 tipos de "falsianes" para manter distância no trabalho

Getty Images
"Falsiane" é aquele tipo de pessoa que esbanja simpatia, mas no trabalho é um perigo imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Gíria de autoria incerta que surgiu na internet, “falsiane” é aquele tipo de pessoa –homem ou mulher-- que esbanja simpatia e palavras doces como “querida” ou “lindo”, sempre se fazendo de amiga e de ser mais agradável da face da Terra. Tudo fachada para camuflar a personalidade fofoqueira, dissimulada e, como o próprio termo diz, falsa.

Como é no ambiente de trabalho que passamos a maior parte do tempo, obviamente é nele que prolifera gente falsa de todo tipo.

“Em geral, alguns são aqueles colegas imaturos profissional ou pessoalmente que acabam assumindo comportamentos inadequados para ganhar espaço social. Outros têm mesmo caráter duvidoso e posturas antiéticas ou inescrupulosas”, diz Maria Andrea Duarte de Souza Leite, coordenadora do curso de gestão de recursos humanos da Umesp (Universidade Metodista de São Paulo).

A seguir, consultores e especialistas em carreira descrevem os dez tipos mais comuns de “falsiane” no ambiente profissional.

Fontes: Maria Andrea Duarte de Souza Leite, coordenadora do curso de gestão de recursos humanos da Umesp (Universidade Metodista de São Paulo); Ylana Miller, sócia-diretora da consultoria organizacional Yluminarh e professora de gestão de carreiras da faculdade Ibmec, ambas no Rio de Janeiro; Eline Rasera, psicóloga e professora da IBE-FGV (Institute Business Education – Fundação Getulio Vargas) e especialista em gestão de pessoas, liderança e coaching executivo, e Andreia Rego, psicanalista e coach em desenvovlimento humano, do Rio de Janeiro.

  • A coitadinha

    Sabe aquela pessoa que acha que todos estão contra ela e se coloca como vítima das circunstâncias? É o perfil típico dos inseguros, que optam por se fazer de coitados para não assumirem erros e atitudes. Falsianes do tipo coitadinha se melindram com tudo e têm dificuldade para aceitar críticas, mesmo as construtivas. É importante não se envolver emocionalmente com esse perfil. Para enfrentá-la, mantenha-se naturalmente firme.

  • A "Maria vai com as outras"

    A atitude comum desse tipo é esperar os demais opinarem para literalmente "ficar em cima do muro", não discordando de ninguém. Outra ação típica é mudar de ponto de vista conforme sua necessidade ou interesses.

  • A falsa solícita

    Fofoqueira, finge se interessar pelos outros, esbanjando sorrisinhos e oferecendo ajuda. O que pretende, na verdade, é saber sobre a vida alheia e tirar proveito disso. O problema é que, em geral, são muito incentivadas, uma vez que as outras pessoas também sentem necessidade de saber da vida alheia. Existem chefes que incentivam esse comportamento para ter conhecimento do que se passa na empresa. Com uma "falsiane" desse tipo, o recomendável é lançar mão da discrição e falar apenas o necessário, sem comprometer nada nem ninguém.

  • A manipuladora

    Investe no joguinho de amizade, ludibria com elogios ou promessas falsas para conseguir o que quer. Sorrateiramente, leva os outros a tomar decisões e atitudes que, de algum jeito, podem beneficiá-la. Sua ascensão na empresa pode ser rápida. Muito cuidado com esse perfil. Como é difícil de identificar no início, o jeito é desconfiar de pessoas muito agradáveis, mas que revelam algum comportamento estranho, fora dos padrões ou antiético. Para driblar essa "falsiane", é necessário ter autoconhecimento, segurança em si, autonomia e, principalmente, firmeza de opinião.

  • A amigona

    A turma das "falsianes" costuma sempre se mostrar amistosa, mas algumas forçam ainda mais a barra. A amigona se aproxima sempre com segundas intenções: diz gostar das mesmas coisas e até mente sobre determinados fatos para fingir que vocês têm algo em comum.

  • A invejosa

    Está sempre por perto fingindo-se de amiga e vendo tudo o que você faz para fazer igual ou melhor. Muito cuidado, porque, além de tentar fazer tudo igual, gente invejosa pode tentar eliminar o objeto de admiração, com fofocas ou criação de situações complicadas. Com esse tipo de colega, o melhor é limitar a convivência a uma relação mais formal, com pouca ou nenhuma informação mais pessoal.

  • A oportunista

    Oportunistas se aproveitam das fraquezas alheias para conseguirem tirar algum proveito. É preciso tomar cuidado, porque não só costumam se apropriar de ideias e iniciativas dos colegas como ainda se valem de determinadas situações para demonstrar que são melhores do que eles.

  • A exibida

    Em um trabalho de equipe, sempre dá um jeito de passar a impressão de que teve as melhores ideias, de que tomou as rédeas do projeto. Nas reuniões, fala alto e atropela a fala alheia. Evite dividir objetivos com esse gênero de "falsiane", pois você corre o risco de ter suas sugestões divulgadas e "vendidas" como se fossem dela. Mantenha um convívio cordial, porém distante.

  • A distraída

    Fingindo distração, essa falsiane sempre deixa escapar --perto do ouvido do chefe ou de alguém com poder-- que fulano está atrasado ou que sicrana ainda não entregou o relatório. Para combate-la, o melhor jeito é não dar trela aos comentários que ela tece sobre os outros. Sem ouvintes, seu poder diminui.

  • A puxa-saco

    Bajula o chefe ao máximo e, mesmo que não obtenha sucesso, dá a impressão aos outros de que é muito próxima do poder. Ao ser percebida, tende a ser discriminada pelo grupo ou a ser usada para que se consigam atingir objetivos. O problema é que o ser humano gosta de ser bajulado e alguns chefes se satisfazem com isso, estimulando esse comportamento nocivo.

Topo