Vida no trabalho

5 estratégias para suportar um emprego que você detesta até conseguir outro

Getty Images
Mantenha o comprometimento; passar o dia de olho no relógio só vai fazer o tempo correr mais lento para você imagem: Getty Images

Do UOL

Nem sempre um novo emprego aparece logo que a insatisfação profissional toma conta. E se você não tem dinheiro guardado para jogar tudo para o alto, terá de engolir o emprego atual, até que uma oportunidade melhor apareça. Mas o processo não precisa ser tão sofrido. Há formas de tornar o dia a dia profissional menos estressante e mais estimulante.
 

  • Comece a agir para mudar de emprego

    Buscar um novo emprego deve ser uma das razões para você sair da cama todos os dias. "O que faz as pessoas desanimarem é a falta de perspectiva", diz a psicóloga orientadora de carreira Adriana Gomes, autora do livro "Tô Perdido! Mudança e Gestão de Carreira" (editora Qualitymark). O primeiro passo é atualizar o currículo (inclusive no LinkedIn e em sites de vagas), o que pode ajudar a aumentar a autoestima profissional, uma vez que o exercício permite se deparar com a própria evolução. Retomar contatos com quem você já trabalhou é outra estratégia eficiente, avisando sobre o seu interesse por novas oportunidades. Participar ativamente de grupos que discutem assuntos profissionais nas redes sociais é outra forma de se aproximar de novas pessoas, que poderão indicar vagas.

  • Mantenha o comprometimento

    Ainda que esteja descontente com a posição que ocupa, é preciso entregar um trabalho de qualidade. Até porque passar o dia de olho no relógio só vai fazer o tempo correr mais lento para você. A capacidade de tornar um trabalho chato suportável também pode ser bem-vista por avaliadores em processos seletivos de outras empresas. "Isso mostra que o profissional consegue lidar com situações desagradáveis, que colocam à prova a resiliência. É uma habilidade que poderá servir como instrumento de transformação em outros ambientes organizacionais", diz o consultor de recursos humanos Fernando Capella.

  • Considere mudar de área dentro da empresa

    Às vezes, novos ares, um novo chefe ou novos desafios são medidas paliativas que ajudam a manter o estímulo para ficar mais alguns meses na empresa. "O caminho para a mudança é estabelecer relações com as pessoas daquela área e entender quem manda ali. Só chegue no chefe da área quando estiver pronto para dizer como pode contribuir e jamais critique o departamento ou o gestor atual", diz a especialista em comportamento do trabalho Daniela do Lago, professora da Fundação Getúlio Vargas. E não é preciso se sentir culpado por pleitear uma nova vaga, mesmo se tiver planos de deixar a empresa. "O profissional tem de ver o que é melhor para ele. A mudança lateral dentro de uma corporação cuja cultura ele conhece pode amenizar a ansiedade", diz Adriana Gomes.

  • Invista em novos conhecimentos

    Matricular-se em um curso é uma forma de obter novos aprendizados que vão estimulá-lo no dia a dia, além de ser um recurso para turbinar o currículo. "É uma boa oportunidade para estabelecer novos contatos e agilizar outros trabalhos", diz Daniela. A duração do curso vai depender do que se pretende. "Se é desenvolver uma habilidade técnica em uma única ferramenta, um de curta duração é suficiente. Se o desejo é mudar de cargo, é preciso pensar em estudos de longa duração, como uma pós-graduação", diz a especialista em comportamento do trabalho.

  • Tenha um hobby

    A atividade servirá para aliviar as tensões e assim melhorar o humor e aumentar a disposição. É também uma maneira de aumentar sua rede de contatos, de conhecer pessoas novas. É importante que a satisfação pessoal seja o único retorno esperado. "Hobby é algo prazeroso e não deve ser encarado como uma forma de ganhar dinheiro. Porque aí vira um segundo trabalho", diz Daniela. Também não pode haver nenhum tipo de compromisso ou obrigação com a atividade. Fotografar, pintar, nadar, dançar, cozinhar e aprender a tocar um instrumento musical são algumas das infinitas opções nesse caminho.

Topo