Vida no trabalho

7 comportamentos que podem empacar o progresso profissional

Getty Images
Fazer o mesmo trabalho por anos pode gerar acomodação, por isso fique atento para não entregar mais do mesmo imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

Que o país vive uma crise econômica é inegável, mas a estagnação na carreira pode estar sendo motivada por comportamentos inadequados do próprio profissional.

Veja a seguir sete erros comuns.

 

  • Gerenciar mal o tempo

    No trabalho, quem utiliza mal o tempo fatalmente deixará de produzir os resultados que o empregador ou o cliente espera. Porém, ao elaborar um planejamento, é importante respeitar o próprio ritmo. Talvez você goste de começar a trabalhar assim que recebe uma demanda, talvez prefira gastar mais tempo na organização das etapas do que na execução. Há ainda pessoas que investem parte do tempo na criação de vínculos de confiança com clientes e profissionais. "Seja qual for o seu perfil, é fundamental pautar a jornada de trabalho pela organização", diz o consultor em gestão de pessoas Marcio Ogliara, professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

  • Entregar mais do mesmo

    Fazer o mesmo trabalho por anos pode gerar acomodação. É natural querer crescer em aprendizado, responsabilidade e recompensa. E, quando não há essa evolução, é preciso pensar em uma forma de mudar. Um dos caminhos é conversar com o seu superior e perceber de que maneira ele enxerga você. Ser proativo também ajuda: vale sugerir formas diferentes de fazer o trabalho ou mesmo incorporar outras atividades relacionadas ao que já faz. De acordo com o consultor de carreira José Augusto Minarelli, o mobilizador de mudanças mais poderoso é a necessidade. "Muitos profissionais que perderam o emprego deram grandes guinadas na carreira simplesmente porque precisavam trabalhar e ganhar dinheiro", diz. Mas você não precisa esperar um susto desses para se movimentar, basta se afastar um pouco da zona de conforto.

  • Abrir mão da saúde

    Para trabalhar bem, é preciso energia e disposição, que dependem de uma alimentação equilibrada, de uma rotina baseada em bons hábitos, com tempo adequado para o lazer e o descanso. "O bem-estar físico tem relação direta com o processamento mental e a capacidade de comunicação do indivíduo", diz Reinaldo Passadori, fundador do Instituto Passadori de Educação Corporativa. Além disso, quem está bem fisicamente tende a suportar de forma mais tranquila as pressões e o ritmo de trabalho.

  • Não saber se promover

    Todo profissional deve ser conhecido e lembrado pelas pessoas com quem convive no trabalho. Promoções e convites são feitos para quem conta o que sabe e diz o que gostaria de fazer. "A autopromoção não deve ser algo para expor o ego e, sim, para mostrar competências e qualidades que possam contribuir com a atividade e o ambiente profissional", diz Passadori. E, segundo o especialista, mesmo os tímidos podem adquirir essa habilidade. "É preciso treinar para aprender e ficar seguro. Minha recomendação é que se comece a praticar com os amigos e com as pessoas próximas", fala José Augusto Minarelli.

  • Preocupar-se com erros do passado

    As falhas podem ser vistas de duas maneiras: como uma oportunidade de aprendizado e crescimento ou como algo que incomoda e abala a autoconfiança. "Só fica preso ao passado aquele que não resolveu seus problemas de forma adequada. Só que essa postura traz obstáculos emocionais que, eventualmente, podem impedir a pessoa de entender como deve seguir com a carreira", diz Marcio Ogliara. Embora não seja um processo fácil para todos, é válido o esforço para aceitar com naturalidade que erros acontecem. Em vez de apontar culpados e se torturar, o melhor é levar uma lição da falha e se dedicar a fazer melhor dali para a frente.

  • Não ter visão de futuro

    "Viver o presente, olhar o futuro e aproveitar as boas experiências do passado são o segredo do progresso", diz Reinaldo Passadori. Para caminhar em direção à realidade que almeja alcançar, é preciso saber o que deseja e estabelecer os passos para chegar até lá.

  • Negligenciar o networking

    "O networking é fundamental para a vida, a carreira e o emprego, pois tudo depende de pessoas. As oportunidades estão nas pessoas", diz José Augusto Minarelli. Ter bons relacionamentos e cultivá-los quando a gente não precisa é uma forma de acumular créditos de capital social. E, em algumas circunstâncias, eles podem valer mais do que dinheiro, conforme lembra o consultor de carreiras. "Quando se tem crédito, fica mais fácil solicitar e receber ajuda", afirma Minarelli. O importante é encontrar uma maneira de atuar e se sentir confortável ao estabelecer esses contatos. "Tem de respeitar os limites individuais e soar como uma coisa positiva para todos os envolvidos", fala Marcio Ogliara.

Topo