Comportamento

Aprenda a driblar 10 situações irritantes que só acontecem no WhatsApp

Getty Images
Siga as dicas e contorne as situações irritantes sem perder a educação imagem: Getty Images

Andrezza Czech

Do UOL, em São Paulo

Se você usa o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp com frequência, com certeza já se viu irritado em alguns momentos. Pode ter sido por causa daquela mensagem do chefe em pleno domingo à noite, com aquele amigo descontrolado que não parava de criar grupos ou até mesmo com seu par, que resolveu ter uma D.R. com você por mensagem. 

"O WhatsApp pode ser extremamente útil e eficaz quando bem usado, ou extremamente invasivo", diz a consultora de marketing pessoal e comportamento profissional Maria Aparecida Araújo, autora de "Etiqueta Empresarial - Ser Bem Educado é..." (Ed. Qualitymark).  

Contornar essas situações irritantes sem perder a educação não é difícil. Veja, a seguir, dicas de especialistas.

  • Quando o chefe vem falar sobre trabalho a qualquer hora

    Desde que todos passaram a ter celulares, ser contatado pelo chefe a qualquer hora do dia se tornou algo comum. Com o WhatsApp, a falta de limites se tornou ainda pior. Para a consultora de etiqueta empresarial Maria Aparecida Araújo, o melhor a se fazer é combinar com o chefe como será o contato fora do ambiente de trabalho. "Se ele não te der abertura para conversar e as mensagens não forem sobre algo urgente, tente não responder imediatamente, assim você mostra que está ocupado", diz ela. Mas, se você visualizou a mensagem, não responder pega muito mal, segundo a publicitária e palestrante Carolina Lima, autora do livro "Como Acabar com sua #empresa em Apenas 140 Caracteres" (Ed. Novatec). Nesse caso, é melhor dizer que não tem a informação no momento e que irá resolver tudo assim que chegar ao escritório.

  • Quando contatos profissionais decidem falar pelo WhatsApp

    Você está em horário de almoço, aproveitando seu descanso até voltar ao trabalho, e surge no seu celular uma mensagem daquele cliente te fazendo pedidos ou explicando demandas. "Isso é uma invasão do horário de folga. Todos têm o direito de fazer uma refeição em paz. Você se sente compelido a responder", diz a consultora de marketing pessoal e etiqueta empresarial e social Maria Aparecida Araújo. Segundo ela, o melhor a se fazer para que esta situação não se repita é dizer que você se organiza melhor com as informações importantes no e-mail.

  • Quando alguém que mal te conhece pede para adicionar o contato

    Você acabou de ser apresentado a alguém com quem mal sabe se terá afinidade e já ouve a pergunta: "Me passa seu número para eu te adicionar no ?Whats??" Mesmo se a vontade for responder com um "não", as boas maneiras te obrigam a dar aquele sorriso amarelo e dizer "claro". Minutos depois, já surge a mensagem daquela pessoa querendo bater papo ou te convidar para algum evento. Segundo a consultora de etiqueta empresarial e social Maria Aparecida Araújo, há como não passar o número sem ficar com fama de mal-educado. "Você pode dizer que não costuma usar o aplicativo com tanta frequência e que prefere falar pelo Facebook, por exemplo", diz. Agora, se você já foi adicionado e se sentir incomodado, a solução é ignorar as mensagens, recomenda a psicóloga Miriam Barros.

  • Quando começam a te colocar em dezenas de grupos

    Todos nós conhecemos algum louco por grupos de WhatsApp. Às vezes, eles até ajudam a unir pessoas com afinidades. Mas, em excesso, se tornam um problema. Para a psicóloga Miriam Barros, não é falta de educação sair dos grupos que te incomodam, desde que você dê uma explicação, como dizer que não tem tempo para acompanhar as mensagens e que prefere falar em conversas particulares. "A pessoa tem direito de sair. Pode até ser que alguém torça o nariz e diga que você é antipático, mas, se está sendo excessivo e chato, não é sua obrigação ficar", diz. Segundo ela, se o amigo louco por grupos for alguém próximo, vale dar um toque para que ele entenda que está sendo inconveniente.

  • Quando não param de te enviar vídeos e fotos

    Para a consultora de etiqueta empresarial e social Maria Aparecida Araújo, o ideal seria que as pessoas perguntassem se o outro gostaria de receber um vídeo ou foto. "Vídeo é um problema, demora para abrir. E ninguém tem tempo de ver todos?, afirma. Há também quem resolva enviar fotos de tudo que faz durante o dia. Nestas situações, não há muito que fazer. Apenas ignorar o que não achou interessante e esperar que o outro se toque.

  • Quando alguém resolve criar um grupo da família

    Se você ainda não tem um grupo de WhatsApp com familiares, não se preocupe, pois terá em breve. A ideia é excelente para se aproximar daquelas pessoas que lamentava encontrar somente nas festas de fim de ano, mas a diferença de idade e de interesses entre os membros pode ser um problema. "Podem acontecer brigas se cada um interpretar o que foi dito de um jeito. O melhor é pensar bem antes de escrever alguma coisa e evitar fazer brincadeiras que possam magoar", diz a psicóloga Miriam Barros, psicoterapeuta de casal e família. Se o grupo começar a te incomodar, jamais saia sem falar nada. O melhor, segundo Carolina Lima, que trabalha com planejamento e comunicação digital, é tirar as notificações ou, se optar por sair, avisar antes que você não está conseguindo acompanhar as conversas e que isso está te atrapalhando no trabalho, por exemplo.

  • Quando começam a enviar correntes e frases motivadoras

    As correntes e montagens com fotos de bichinhos fofos e frases inspiradoras já haviam migrado dos emails para o Facebook e, agora, estão pipocando nos grupos de WhatsApp. Se você se incomoda com este tipo de comportamento, a melhor coisa a fazer é ignorar as mensagens. "Se fingir que não viu, a pessoa se toca do quanto isso é chato", diz a psicóloga Miriam Barros. E, claro, silencie as notificações.

  • Quando você recebe áudios infinitos

    Nem sempre você está em um local adequado ou com tempo suficiente para ouvir áudios de WhatsApp. Se eles tiverem mais de um minuto, então, nem pensar. Ao mesmo tempo, ignorá-los pode parecer falta de educação. Por isso, seja sincero. "Diga que não consegue ouvir no momento e peça para que a pessoa escreva, caso seja algo urgente", diz a psicóloga Miriam Barros.

  • Quando começa uma conversa paralela entre duas pessoas do grupo

    Você ficou três horas completamente concentrado em um projeto no trabalho e, quando foi checar seu grupo de amigos no WhatsApp, já havia mais de duzentas mensagens não lidas. Quando começa a ler, percebe que o papo nada tinha a ver com você: eram apenas dois amigos tendo uma conversa paralela. Se já percebeu que esta é uma dinâmica comum neste grupo, a melhor atitude é silenciar as notificações. Para a publicitária e palestrante Carolina Lima, vale também falar, de forma bem humorada, para seus amigos abrirem uma janela privada para conversarem.

  • Quando você se vê em uma D.R.

    Além de discutir o relacionamento com seu parceiro, você percebe que está fazendo isso pelo pior meio possível: mensagens de celular. "Escuto muitos casos de pessoas que tiveram D.Rs. por WhatsApp. Isso acontece porque, muitas vezes, elas se articulam melhor escrevendo ou não têm coragem de falar pessoalmente", afirma a psicóloga Miriam Barros, terapeuta de casal e família. Por mais que a intenção seja boa, a D.R. tem tudo para dar errado. Se, pessoalmente, já é comum que aconteçam alguns mal-entendidos, já pensou por WhatsApp? ?O olho no olho é sempre melhor. Mas, se não houver mais saída e a pessoa precisar continuar a conversa, pare de escrever e, pelo menos, ligue para o outro?, afirma Miriam.

Topo