Comportamento

Viagem no tempo virtual pode ajudar a superar traumas

BBC
No teste, o participante, sem saber, deixava um assassino ter acesso às vítimas imagem: BBC

Melissa Hogenboom Repórter de Ciência, da BBC News

Se na vida real n $!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Como era esperado, a maioria das cobaias resolveu intervir e não deixar o assassino subir. No mundo virtual, as pessoas podiam se deslocar e conversar livremente, de forma semelhante à vida real. O mais interessante, segundo os pesquisadores, foi o impacto emocional que a experiência virtual teve sobre os participantes. A maioria teve menos sentimentos de culpa e remorso após "voltar no tempo" e salvar mais vidas. "Quanto mais eles sentiam a ilusão, maior o senso de sua própria moral", explica o co-autor Mel Slater, da Icrea (Instituto Catalão de Pesquisa) e da University College London.

 
Mundo virtual, experiência vívida
 
"Na realidade virtual, o sistema mais superficial de percepção do cérebro não distingue entre o mundo virtual e o real. E o cérebro considera verdadeiro o que vê e ouve no ambiente", afirma Slater. Por isso, a equipe aponta que viagens virtuais no tempo podem ajudar a superar transtornos de estresse pós-traumático ou mesmo reavaliar decisões ruins que tenham sido tomadas anteriormente.
 
Segundo as leis da física, é claro, a viagem no tempo é algo impossível. Mas o principal autor do estudo, Friedman Doron, da Faculdade Ofer de Comunicações, em Israel, disse que a sua equipe chegou o mais perto possível de torná-la possível. "A realidade virtual imersiva é muito visceral. As pessoas se escondem atrás da mesa quando levam um tiro. É o mais próximo que podemos chegar a uma viagem no tempo, até que os físicos façam o seu trabalho e inventem uma verdadeira máquina do tempo”, diz.
 
O físico Robert Nemiroff, da Universidade de Tecnologia de Michigan, nos Estados Unidos, afirmou que o trabalho é interessante, embora ache isso estranho, já que "a capacidade de mudar o passado não é algo provável de acontecer". "Se alguma versão da ‘terapia de viagem no tempo’ pode ajudar as pessoas a tomar melhores decisões no futuro e a entender melhor suas decisões ruins, apoio a ideia”, diz. Mas Nemiroff alerta que essa ilusão de mudar o passado pode ter "repercussões negativas" que não foram examinadas.
 
Para o pesquisador James Broadway, da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, as pessoas há tempos fantasiam em voltar no tempo. “É comum ouvirmos pessoas dizerem: ‘Se naquela época eu soubesse o que seu hoje’. E, apesar de obviamente ser impossível mudar ações do passado, os resultados desse estudo sugerem que essa técnica poderia ser usada para promover uma maior aceitação dos erros no passado, assim como uma melhor capacidade de tomar decisões no futuro”, pondera.
Topo