Comportamento

Como reconhecer os sintomas do 'vírus' do amor em seu corpo

Thinkstock
Pesquisadores afirmam que o amor tem comportamento parecido com o de uma doença imagem: Thinkstock

Apaixonar-se é uma questão de química. Literalmente.

Engloba uma série de reações corporais que cientistas acreditam terem sido desenvolvidas para garantir a sobrevivência de nossa espécie.
 
De forma parecida com a de uma doença, os sintomas físicos são claramente identificáveis: mãos suadas, perda de apetite, face enrubescida e batimento cardíaco acelerado.
 
O amor também tem estágios diferenciados, cada um ditado por uma série de substâncias químicas que detonam diferentes reações físicas.
 
Há a fase da luxúria, um desejo sexual básico, que pode progredir e se transformar em um "apego" mais comum em longos relacionamentos.
 
Porém, um fato interessante é que, segundo cientistas, os estágios não precisam ocorrer necessariamente nessa ordem.
 
"Você pode sentir uma forte ligação com algum colega de escritório ou em seu círculo social e aí, meses ou mesmo anos depois, as coisas mudam. De repente, você se apaixona por ele ou ela", explicou à BBC a pesquisadora Helen Fisher, da Rutgers University, em Nova Jersey (Estados Unidos).
 
Em cada um desses estágios, cientistas identificaram grupos de substâncias químicas atuando. Eles são:
 

Estágio 1: Luxúria

A luxúria é "alimentada" por dois hormônios: a testosterona e o estrogênio.
 
A testosterona, ao contrário do que se pensa, não é restrita aos homens. Ela também tem um papel de destaque no desejo sexual feminino.
 

Estágio 2: Atração

É neste estágio que as pessoas apaixonadas não pensam em outra coisa. Elas podem até perder o apetite e dormir menos, preferindo passar horas sonhando acordadas com seu novo interesse amoroso.
 
Isso é "culpa" de um grupo de enzimas neuro-transmissoras chamadas monoaminas. Mais precisamente de três delas:
 
Dopamina: Também ativada pela cocaína e pela nicotina, causa sensação de euforia.
 
Norepinefrina: Conhecida também como noradrenalina. Faz com que suemos e acelera os batimentos cardíacos.
 
Serotonina: Uma das mais importantes substâncias da "química do amor", e que pode fazer com que fiquemos temporariamente insanos.
 

Estágio 3: 'Apego'

Este é o estágio que se instala após a atração, se um relacionamento durar. Se a atração durasse para sempre, nada mais que bebês seriam feitos num relacionamento.
 
O 'apego' é um compromisso mais longo e este laço é que mantém os casais juntos.
 
Neste estágio, cientistas acreditam que dois hormônios liberados pelo sistema nervoso têm papel na formação de laços.
 
Vasopressina: Outra importante substância química nos compromissos de longo termo. Pesquisas com ratos do deserto sugerem que a supressão de vasopressina em machos faz com que a ligação entre parceiros deteriore imediatamente, com a perda de devoção e a falha em proteger a parceira de novos pretendentes.
 
Oxitocina: Produzida pelo hipotálamo, uma glândula cerebral, e liberada tanto por homens e mulheres durante o orgasmo, a oxitocina ajuda a fortalecer ligações entre casais, segundo cientistas. A teoria é simples: quanto mais um casal fizer sexo, mais forte o elo entre eles fica.
Topo