Comportamento

A seita na América Central que espera Jesus e não leva as crianças ao médico

El Nuevo Diario/ Alejandro Sanchez
Mais de 600 pessoas esperam pelo Espírito Santo e arrebatamento divino na Nicarágua imagem: El Nuevo Diario/ Alejandro Sanchez

Enquanto seus pais ou responsáveis aguardam o retorno de Jesus Cristo na Nicarágua, mais de 300 crianças e adolescentes estão sem ir à escola ou receber atendimento médico.

Essas pessoas são membros de um grupo religioso com mais de 650 integrantes que se autodenomina "O corpo místico de Cristo". Eles aguardam em El Viejo, uma vilarejo perto da cidade de Chinandega, o "arrebatamento divino" - um evento narrado na Bíblia em que pessoas seriam levadas aos céus para ficarem com Deus após o apocalipse.

Entre os membros do grupo há nicaraguenses, mas também pessoas de El Salvador, Guatemala e Honduras, de acordo com autoridades do país.

Uma jornalista nicaraguense, Carol Munguía, do El Nuevo Diario, visitou a comunidade e contou ter ficado chocada com o estado de precariedade em que se encontram seus habitantes, especialmente as crianças e adolescentes.

"Há ali mais de 600 pessoas, muitos adolescentes e crianças em estado vulnerável e todas amontoadas", disse Munguía à BBC Mundo.

A repórter relatou que os pastores que lideram a comunidade, 11 no total, moram em casas de cimento, com computadores e acesso à internet, enquanto os "outros estão amontoados, vivendo em cabanas feitas com folhas de palmeira, plástico e madeira, uma a meio metro da outra, e dormem em redes".

Relatos sobre as condições de vida na comunidade tiveram grande repercussão no país, onde há grande preocupação com o estado de saúde das crianças que, por ordem dos adultos, não têm acesso à atenção médica.

Muitas crianças estão com catapora, mas os adultos não permitem que sejam atendidas sequer pelas Brigadas Médicas que o governo enviou para a região.

"Existe o perigo de que haja um surto epidemiológico", diz Munguía, "mas eles insistem que têm um único salvador: Jesus."

A coordenadora do Conselho de Comunicação e Cidadania e primeira-dama da Nicarágua, Rosario Murillo, disse que "não pudemos convencer essas pessoas da necessidade de que as crianças sejam atendidas".

Apesar de destacar que na Nicarágua as crenças e a fé das pessoas é respeitada e que há liberdade de culto e religião, Murillo insistiu que "as crianças têm direito a receber saúde e educação e à proteção de uma família e essa lei tem que ser respeitada".

Não se sabe, por exemplo, quantas das crianças presentes estão acompanhadas dos pais ou, se não, se têm permissão dos pais para permanecer ali.

O governo do presidente Daniel Ortega estuda uma intervenção no local.

A ministra da Família, Adolescência e Infância, Marcia Ramírez, esteve no local na terça-feira.

Minutos antes de começar a visita à área, ela disse à BBC Mundo que seu objetivo era monitorar a situação, em especial a dos menores, conversar com os membros do grupo e buscar possíveis soluções.

'Arrebatamento divino'

Os membros do movimento religioso, qualificado como seita pelos meios de comunicação locais, chegaram à zona rural de El Viejo há dois meses.

O grupo, liderado pelo pastor Javier Sánchez, que atualmente está detido, espera alcançar a salvação nesta pequena localidade a 200 km da capital, Manágua.

"Foram chamados por um pastor do movimento 'O corpo místico de Cristo', formado há uns dez anos, e estão concentrados à espera de um arrebatamento divino", conta Munguía.

"Eles esperam esse acontecimento da vinda do Espírito Santo e acreditam que pode ocorre a qualquer momento de alguns meses atrás até a próxima primavera (do hemisfério norte)."

Segundo o sacerdote católico Luis Santamaría del Río, da Rede Iberoamericana de Estudo de Seitas, o "arrebatamento divino" se daria na chegada do fim do mundo: "Quando chegar o fim dos tempos, no momento anterior ao infortúnio previsto pelo Apocalipse, os crentes verdadeiros serão arrebatados (ou levados) corporalmente pelo Senhor".

Mas ele adverte que "os acontecimentos finais são de iniciativa divina, e não podem ser adiantados ou atrasados pelos homens, como às vezes defendem alguns intérpretes que estão errados."

'À mercê do pastor'

Até o momento, a medida mais chamativa das autoridades foi a detenção, no final de semana passado, de Javier Sánchez, o pastor que lidera o movimento.

Sánchez foi preso enquanto tentava entrar no país vindo de Honduras com parentes do país e cinco outros pastores.

A jornalista Carol Munguía disse que, ao conversar com membros do grupo, percebeu que são pessoas que estão sem opções, "à mercê do que o pastor diz".

"São pessoas que, procedentes de vários países da América Central, venderam tudo, seus bens, eletrodomésticos, veículos, e deram a ele todo o dinheiro dos pastores, que estão administrando o dinheiro."

"Agora, sem líder, estão um pouco perdidos, se perguntam porque o detiveram", acrescenta.

A polícia nacional e as Brigadas Médicas observam o lugar, prontos para uma eventual intervenção - que será muito diferente da que esperam os integrantes do grupo.

Topo