Comportamento

"Aulas de pegação" ganham seguidores no Brasil e são alvo de crítica por estímulo ao assédio

Reprodução
Luis Desiro beija mulher em vídeo do YouTube no qual ensina homens a pegar desconhecidas imagem: Reprodução

Felipe Souza Da BBC Brasil em São Paulo

Um jovem aborda uma mulher desconhecida na avenida Paulista, uma das vias mais movimentadas de São Paulo. Ele pede uma informação, começa a conversar e, minutos depois, estão se beijando.

A situação se repete dentro de shoppings, estações de metrô e parques. Tudo é filmado à distância por uma câmera escondida e publicado no YouTube. A intenção é servir de exemplo e ensinar outros homens a "conquistar" mulheres.

"O motivo dos vídeos é que já fui totalmente travado e quero mostrar para as pessoas que a vida pode ser maravilhosa a partir do momento que você dá a cara a tapa. O cara tem de ter mais vontade do que medo. Se eu consegui, outras pessoas também podem se relacionar com uma mulher legal", diz Luís Francisco Desiro dos Santos, 24, que criou o site "Conquista Social" com o amigo Bruno Castro, 17, há cinco meses.

Desiro começou a se interessar pelo assunto após um amigo recomendar a leitura de uma cartilha da RSD (Real Social Dynamics), que ensina técnicas para ser um "homem pegador".

A RSD ficou conhecida mundialmente por vender a polêmica ideia de que é possível reverter uma situação em que mulheres dizem não às investidas sexuais com métodos capazes de "ativar a prostituta que existe dentro delas".

O suíço Julien Blanc, "instrutor de pegação" da RSD, causou revolta nas redes sociais antes de ter o visto negado ao tentar entrar no Brasil e no Reino Unido para dar palestras em 2014. Um abaixo-assinado reuniu 400 mil assinaturas pedindo o veto dele ao Brasil e outras 150 mil ao Reino Unido.

A pedido da BBC Brasil, a militante da Marcha Mundial das Mulheres Carla Vitória, 24, assistiu a alguns vídeos dos canais brasileiros. Para ela, as imagens fazem parte da cultura do estupro e passam a ideia de que as mulheres devem estar sempre disponíveis.

Reprodução
Suíço Julian Blanc em vídeo no qual ensina como homens devem abordar mulheres imagem: Reprodução
"Eles tratam as mulheres como se fossem objetos e confundem paquera com assédio, e isso precisa ficar claro. Em alguns vídeos, o rapaz tenta beijar uma delas à força. Um absurdo", disse.

O criador do "Conquista Social" não vê as abordagens como uma ação violenta e diz que elas são "comuns" em países estrangeiros. "Lá fora, as mulheres já estão muito acostumadas a serem abordadas por desconhecidos na rua. Não há nenhum mal isso, desde que seja com respeito", contou, sem explicitar em que países isso ocorre.

Desiro conta que passou a praticar as técnicas para quebrar a barreira da timidez. Meses depois, resolveu se tornar também um difusor das estratégias. Só em 2015, ele relata ter abordado mais de mil mulheres nas ruas brasileiras --cerca de três por dia. A meta dele é de que, neste ano, a média ultrapasse a marca de cinco mulheres por dia.

Em um dos vídeos do "Conquista Social", o rapaz conhece uma garota dentro de um shopping e tenta beijá-la algumas vezes, sem sucesso. Depois de certa insistência e já do lado de fora do centro comercial, ele consegue o beijo.

"Mulher não é objeto, parceiro. Ridícula atitude", comentou um internauta em um dos vídeos do canal. Em alguns vídeos, os "treinadores" chegam a colocar mulheres contra a parede e buliná-las enquanto se beijam.

Consultoria

Apesar de relativamente novos, um dos vídeos produzidos pela dupla já alcançou mais de 250 mil visualizações. Além da fama no YouTube, Desiro já lucra com consultorias para ensinar a arte da conquista. "A gente tira dúvidas por e-mail, Facebook, Skype ou presencialmente. Custava R$ 200, mas gente aumentou para R$ 500 cada dia de treinamento. Três dias saem por R$ 1.000", afirmou.

Em janeiro deste ano, o estudante Felipe Assis Vasconcelos, 21, deixou Juiz de Fora (MG) e viajou cerca de 500 km para fazer dois dias de curso. Ele conta que a intenção foi resolver o problema, que carrega desde a adolescência, de se relacionar com pessoas e fazer amigos.

"A consultoria foi muito proveitosa e eu recomendo. O único problema é que não consegui manter o treinamento na minha cidade. Acho que o fato de estar sozinho ainda cria uma barreira", afirmou.

Desiro conta que alguns alunos o procuram com frequência e que há reuniões mensais para que os ex-alunos tirem dúvidas. As mais recorrentes, segundo ele, são sobre o que falar durante a conversa, quando partir para o beijo e qual o momento certo para chamar uma garota para sair.

Reprodução
Homem beija mulher em estação do metrô de São Paulo para ensinar como pegar uma mulher desconhecida imagem: Reprodução


Há outros canais brasileiros de conquista, como o "Sétimo Amor", com vídeos que registraram mais de 1 milhão de visualizações. Eles também oferecem aulas presenciais de conquista e exibem fotos de cursos lotados.

Referência para os brasileiros, algumas abordagens filmadas por russos e americanos já foram vistas mais de 50 milhões de vezes.

Ação judicial

O advogado e coordenador estadual do Movimento Nacional de Direitos Humanos, Ariel de Castro Alves, disse que as mulheres que se sentirem ofendidas pelas filmagens podem entrar com ações judiciais contra os responsáveis pelas publicações.

"Entre os crimes que podem ocorrer nessa situação estão o assédio sexual ou estupro, caracterizado por um beijo à força ou apalpadas excessivas sem consentimento. Também pode haver o constrangimento ilegal, quando a pessoa é intimidada ou forçada a fazer algo. Nesses casos, é necessário demonstrar que houve ameaça ou violência", disse Alves.

A exposição da imagem de alguém em situação vexatória também pode causar constrangimento e motivar uma ação judicial, segundo o advogado. Nesses casos, a vítima pode pedir um ressarcimento por danos morais e materiais. As penas podem se agravar em situações que envolvam crianças e adolescentes.

"Há várias punições, mas todas dependem da polícia e por isso é importante a Delegacia da Mulher. Em uma delegacia comum, os policiais podem minimizar a situação por não estarem preparados para ouvir a pessoa ou compreender aquele caso", disse Alves.

O advogado ressalta que é necessário diferenciar um assédio de uma paquera. "Não podemos criminalizar as paqueras e as relações amorosas naturais entre jovens, que inclusive costumam frequentar baladas e bares em busca dessa interação. Se houver autorização para a publicação do vídeo, demonstra-se consentimento (das mulheres) e uma situação menos grave", afirmou.

Objeto sexual

Carla Vitória, da Marcha Mundial das Mulheres, também faz críticas ao "uso da mulher como objeto sexual para ganhar dinheiro". Ela afirma que os vídeos "refletem a cultura em que vivemos, na qual o homem é colocado no espaço público, enquanto as mulheres devem ficar em casa" se quiserem evitar abusos.

Desiro, do "Conquista Social", rebate as críticas e diz que preserva a imagem das mulheres que aparecem nos vídeos. "não quero colocar ninguém em uma situação desconfortável. Nós borramos rostos e tatuagens. Muitas feministas criticam o nosso trabalho e eu digo que não faço nada de errado. Simplesmente beijei e elas me beijaram", afirmou o fundador do "Conquista Social".

Ele relata que já teve de excluir dois vídeos após mulheres se reconhecerem nas imagens.

Marcela Lisboa Rodrigues da Silva, 24, do coletivo Juntas, também assistiu a alguns vídeos e afirmou que o principal problema dessas abordagens é a superexposição das mulheres. "O cara pensa que não divulgar informações pessoais é razoável para preservar alguém, e não é."

O fundador do "Conquista Social" afirma que pretende passar a avisar às mulheres que foram alvo da ação gravada em vídeo. "falo que não é para o meu ego, mas para ajudar pessoas pelo Brasil. digo: 'Minha intenção é fazer com que um homem consiga sair com uma mulher como você'."

Desiro afirma que nenhuma mulher o procurou para fazer o curso da conquista. A reportagem não encontrou nenhum vídeo no YouTube de mulheres tendo "aulas de pegação".

Topo