Comportamento

A ciência do prazer: por que gostamos do que gostamos?

Creative Commons/Reprodução
O artista austríaco Gustav Klimt foi um dos mestres em retratar o prazer, como se pode ver na obra 'Danae' imagem: Creative Commons/Reprodução

O circuito do prazer no cérebro humano não é simples, mas também não é tão complicado. Existem gatilhos quase universais para o prazer. No entanto, há pessoas cujo prazer só é desencadeado por coisas mais específicas.

"Há algumas coisas que gostamos porque somos programados para gostar, como consumir alimentos e tomar água e manter relações sexuais", diz à BBC David Linden, professor de Neurociência na Universidade Johns Hopkins de Baltimore, nos Estados Unidos, e autor de A Bússola do Prazer.

"Existem outras coisas que aprendemos a desfrutar. Por exemplo: estamos programados para gostar do sabor doce, mas as preferências pessoais são determinadas pela experiência individual, o aprendizado, a família, a cultura, todas as coisas que fazem de nós indivíduos."

"As pessoas gostam das coisas com as quais cresceram. Eu vivo em Baltimore e aqui há pessoas que gostam de pimentas, outras não. Se eu vivesse no México, é muito provavel que quase todas as pessoas gostassem."

A afirmação de Linden leva a outra pergunta: pode-se dizer que o mesmo acontece com animais de estimação? Eles aprendem a gostar das coisas que seus donos comem, apesar de seus instintos?

"Os gatos desenvolvem gosto por pimenta? Nunca. Isto é algo que os humanos fazem, mas outros mamíferos não - e não sabemos a razão", afirma o especialista.

Nada amargo

Thinkstock/Reprodução
Por enquanto, ele gosta de chocolate, mas serão necessários mais alguns anos para que ele veja se aguenta o amargo da cerveja imagem: Thinkstock/Reprodução

Linden afirma que parece que os humanos estão programados para evitar o sabor amargo. Na natureza, coisas amargas frequentemente são tóxicas.

"Por isso, não é raro que uma criança não saiba ainda muito sobre comida e rejeite coisas amargas. À medida que crescemos e vamos aprendendo o que devemos comer ou não, pode ser que comecemos a gostar de algumas coisas amargas", diz.

A genética também pode exercer um papel sobre nossos gostos. Linden cita o coentro. "Há quem odeie ou ame. E, agora, sabemos que os que odeiam têm uma mutação em um receptor olfativo em particular, no nariz, que detecta uma substância química liberada quando se mastiga coentro."

Mas isto não ocorre com muita frequência. Um estudo com gêmeos que cresceram em lugares diferentes mostra que a maior parte das preferências alimentares é aprendida, não herdada.

Beleza

AP/Reprodução
Nem todos os prazeres nascem iguais, mas acabam sendo iguais imagem: AP/Reprodução

Samir Zeki, professor de neuroestética no University College de Londres, no Reino Unido, investiga como a beleza nos dá prazer. "Eu sou especializado no cérebro visual e nas respostas afetivas - como desejo, amor, beleza - desencadeadas por estímulos visuais", explica.

"Quando uma pessoa experimenta a beleza - uma paisagem, peça musical, na matemática, em um rosto, em um corpo - não importa a forma, é ativada a mesma parte do cérebro emocional."

"É o centro do prazer no cérebro, e está associado com satisfação. A beleza é prazer, é gratificante, é parte do mesmo estado afetivo, da relação de satisfação, recompensa", disse.

Mas todos os prazeres são iguais? O prazer que temos com drogas, sexo ou comida, têm o mesmo efeito sobre o cérebro?

"Uma das coisas que descobrimos é que, quando se trata de prazer, parece haver um santuário interno de regiões do cérebro que são unitárias", afirma Morten Kringelbach, neurocientista das universidades de Aarhus, na Dinamarca, e Oxford, no Reino Unido.

"Isto é muito interessante e surpreendente. O prazer que a comida dá é diferente do prazer da música. Mas a informação indica que provavelmente não deveríamos nos guiar por nossas experiências: os sinais elétricos em regiões específicas do cérebro são os mesmos."

A ameaça do prazer

Thinkstock/Reprodução
As autoridades governamentais e religiosas querem regular mecanismos de prazer que têm a ver com a conduta, como o consumo de drogas imagem: Thinkstock/Reprodução

Na base de tudo isso, está algo com um nome muito grande: 3,4-dihidroxifenilalanina, ou dopamina, um neurotransmissor.

"É crucial. Se você aumenta a quantidade, aumenta o prazer. Se a retira, bloqueia a capacidade de sentir prazer. Sabemos que ela atua em lugares específicos do cérebro que, se forem destruídos, impedem a pessoa de sentir prazer."

O prazer ocorre em três fases, de acordo com Kringelbach. Primeiro vem o desejo: a antecipação, o anseio. Depois há um período de gosto: desfrutar a comida, o vinho, o sexo, um filme ou uma droga. Depois, vem a saciedade, o período da satisfação.

Linden afirma ainda que autoridades governamentais ou religiosas querem regular coisas que fazemos guiados pela busca do prazer.

"Estou falando de sexo e drogas. Dizem: 'Não podem ter relações sexuais se não está casado' ou 'Não pode pagar por elas' ou 'Não pode ser homossexual' e 'Não pode consumir drogas que ativem seu centro de prazer, seja nicotina, álcool, maconha etc'. Enquanto outros dizem: 'Pode tomar álcool, mas nada além disso'."

"Neste sentido a regulação de nosso circuito de prazer no cérebro é uma das grandes missões tanto de governos como de religiões", acrescenta. E, para o pesquisador, nosso centro de prazer pode ser uma ameaça.

"Acho que se preocupam muito com nossos prazeres porque são eles que regem nossa conduta. São muito fortes. Para estas instituições, isso representa uma ameaça, pois as coisas que são muito prazerozas podem alterar a ordem estabelecida."

Dor

Thinkstock/Reprodução
Prazer e dor andam de mãos dadas na cama e na mesa imagem: Thinkstock/Reprodução

Alguns prazeres são óbvios e comuns entre muitas pessoas: o chocolate ou uma música de Bach, uma cerveja ou um entardecer. Outros parecem estranhos. Um sádico tem prazer causando a dor, e um masoquista, sentindo a dor.

"Não há nada que explique biologicamente por que alguns desenvolvem gosto por certas práticas sexuais e outros não. Mas isso diz alguma coisa sobre o prazer e a dor", afirma Linden.

"Ambos são indicadores de algo que é importante, significativo. Dizem: 'Preste atenção a isto! Guarde na memória, porque isto é algo de que você vai precisar se lembrar mais à frente!'."

"Isto é o que o prazer e a dor têm em comum, assim, é possível que, quando se misturem, seja em alguma prática sexual ou em um prato de comida com pimenta, há pessoas que desfrutem, pois são (experiências) supersignificativas e isto é gratificante de alguma forma", complementa o neurocientista.

Topo