Equilíbrio

"Quando confrontei troll que dizia me odiar apenas porque sou gorda, só pude sentir pena"

Arquivo Pessoal
Artista e escritora feminista, Lindy West falou à BBC sobre ataques que sofre por estar acima do peso imagem: Arquivo Pessoal

A feminista americana Lindy West reconhece estar "gorda", mas não entende por que desconhecidos se sentem no direito de insultá-la por causa disso.

Nesta semana, uma repórter do jornal carioca Extra passou por uma situação semelhante. Durante uma entrevista ao vivo transmitida na internet, ela foi ofendida por um usuário, que a chamou de "gorda", "gorducha" e "leitoa" nos comentários.

Samanta Vicentini interrompeu a conversa e desabafou: "Gordo não é ofensa. Isso aqui é só embalagem. Falta de caráter é pior do que gordura".

Mas a americana Lindy foi além. Ela confrontou um de seus trolls - gíria da rede para designar pessoas que agem com o intuito de provocar ou ofender. E acabou por perdoá-lo.

Confira o relato dela à BBC:

"Hoje acordei com um email cujo assunto era "Gorda". No corpo da mensagem, só havia duas palavras: "Oink, oink". Recebo emails e tuítes como esse todos os dias.

Assim como outras milhares de pessoas, quem me enviou esse email não aceita que uma mulher gorda leve uma vida feliz, alegre e completa.

Comentários desse tipo me deixam completamente exaurida. Também me impressiono com a quantidade de pessoas cruéis no mundo. Pior: como sou artista e escritora, dizem que sou obrigada a aguentar todo esse ódio direcionado a mim como "ônus da vida pública".

Mas o que você faria se ouvisse todo tipo de ameaça, insulto e violência todos os dias?

Há alguns anos, fui alvo da pior ofensa que já ouvi de um troll. Um desconhecido fez uma conta falsa no Twitter com o nome do meu pai, que havia morrido 18 meses antes. A conta estampava uma foto do meu pai, que ele deve ter pegado do obituário publicado na internet.

Na biografia, lia-se "pai constrangido de uma idiota". Já a localização da conta remetia a "um buraco sujo". Esse homem me enviava mensagens horríveis a partir dessa conta falsa.

Decidi escrever um artigo que mencionava como isso me afetou e convidava meu ofensor a lê-lo. Foi quando recebi um email dele me pedindo desculpas. Não poderia imaginar que um troll faria isso ? nunca havia escutado algo do tipo acontecer.

No ano passado, eu pedi a ele para conversar comigo no programa de rádio This American Life para explicar por que ele fez o que fez. Ele me disse que havia descoberto detalhes sobre o meu pai procurando pelo meu nome na internet e decidiu criar uma conta falsa a partir daí.

"Me senti muito mal logo em seguida. Normalmente, despejaria todo o meu ódio na internet e depois me esqueceria do que fiz. Mas não consegui", afirmou ele.

Ele disse que me ofendeu quando estava no pior momento da sua vida. Falou que odiava seu trabalho e estava sozinho porque havia levado um pé na bunda da namorada. Detestava seu corpo e estava gordo. Descrevia sua vida como "sem graça".

Também foi revelador perceber que ele havia sido movido pelo ódio que tinha contra si mesmo. Acabou se fixando em mim porque me mostrei como uma pessoa autoconfiante e que parecia muito feliz.

Eu já tinha suspeitado disso, mas confirmar as minhas crenças tornou mais fácil lidar com os trolls. Agora meu sentimento por eles é de pena. Não tenho instinto de vingança - a dor deles talvez tenha sido o motivo principal para as ofensas.

Tento não perder de vista a humanidade deles, assim como eles perderam de vista a minha.

Me senti confortável para até conversar com o meu troll. Gostei dele. Foi assustador descobrir que ele era uma pessoa normal. E que agora estava reconstruindo sua vida e havia parado de ofender as pessoas pela internet.

Seria fácil culpar a mídia ou a tecnologia por alimentar as inseguranças dos trolls, mas acho que se trata de um problema cultural mais profundo. As mulheres são vistas como alvos fáceis na sociedade e criticar pessoas gordas parece ser a coisa certa.

Há uma ideia de que pessoas gordas são um fardo para a sociedade - que somos preguiçosos e estúpidos, que causamos desconforto e que tomamos muito espaço quando sentamos ao lado dos outros no trem ou no avião.

É um argumento sedutor porque significa que pessoas magras são automaticamente inteligentes e moralmente íntegras. Dessa forma, atacar-nos gera neles uma satisfação.

Acredito que devemos encorajar as pessoas a julgar menos e ser mais solidárias. Passei boa parte do começo da minha vida vivendo no futuro, achando que minha vida só começaria quando emagrecesse. Percebi, no final dos meus 20 anos, que minha vida estava em ponto morto.

Precisava aceitar o meu corpo daquele jeito para poder seguir em frente.

Agora estou de bem comigo mesma. Considero importante praticar exercícios físicos, assim como ter uma boa alimentação. Mas não vou deixar que isso tome o controle da minha vida.

Se o meu corpo não se ajusta a um determinado tamanho, não me sinto uma fracassada. Não acho que devo me punir e ficar cheia de remorsos. Não acho que isso seja bom para a minha saúde. Pelo contrário: é ruim viver nesse estado constante de vergonha. Você não pode cuidar de algo que odeia.

Na medida em que minha carreira progrediu e as pessoas passaram a ver quem eu sou, os comentários se tornaram mais e mais pessoais.

Agora recebo pelo menos uma ofensa no Twitter todos os dias, mas não deveria ser assim.

Você tem várias oportunidades de escolha na vida. Pode escolher ser gentil em vez de ser rude. O mundo precisa de mais pessoas boas e de cabeça aberta.

Topo