Equilíbrio

Ortorexia nervosa: o transtorno que mostra que até o saudável, em excesso, é ruim

Tudo começa com o desejo de nos sentirmos bem, comendo apenas alimentos puros, "limpos". Até aí, tudo bem. Isso nos leva a dizer adeus a certos grupos de alimentos, como grãos, açúcares e produtos animais. No final, a dieta se reduz a uma quantidade tão restrita de alimentos que acabamos ficando desnutridos. Esse transtorno tem um nome: ortorexia nervosa.

O termo foi criado em 1997 pelo médico americano Steven Bratman, aliando a palavra para "correto" --do grego orthos-- com "apetite" --orexis-- (de onde vem, aliás, a palavra anorexia ou sem apetite, transtorno quemuitas vezes é mascarado pela ortorexia). Embora o objetivo do anoréxico seja perder peso, e o do ortoréxico, ficar saudável, ambos os transtornos restringem a alimentação do indivíduo, colocando sua vida em risco. 

No entanto, enquanto a anorexia é reconhecida como um mal, a ortorexia tem a desvantagem de ser uma doença "disfarçada de virtude".

Tendência crescente

Uma dieta baseada em alimentos frescos, não industrializados, está longe de ser ruim. O problema é quando isso se torna uma obsessão. Citando exemplos de dietas que considera preocupantes, Bratman faz alusão a pessoas que têm medo de consumir laticínios ou aquelas que só consomem alimentos crus (por temer que o processo de cozimento dos legumes e verduras "destrua seu campo etéreo").

"No final, o ortoréxico acaba passando grande parte da vida planejando, comprando, preparando e comendo seus pratos", explica Bratman em seu livro "Health Food Junkies" (em tradução livre, "Viciados em Comida Saudável").

Quando escreveu a obra, no final da década de 1990, Bratman se referia a hábitos alimentares de pequenos grupos de pessoas. Quase duas décadas depois, a obsessão com a comida saudável está por toda parte, inclusive no mundo digital. Para confirmar esse fato, basta fazer uma busca por #CleanEating no Instagram ou no Twitter.

Experiência pessoal

Bratman não só deu nome ao transtorno como também foi a primeira pessoa a ser diagnosticada com ele. O médico admitiu que se deixou seduzir de tal forma pela "alimentação virtuosa" que se negava a comer legumes mais de 15 minutos após seu cozimento.

Mais recentemente, em seu site, ele declarou: "No meu livro de 1997 e em tudo o que tenho escrito até agora, venho dizendo que enquanto os anoréxicos desejam ser fracos, os ortoréxicos desejam ser puros". "No entanto, a realidade me obriga a reconhecer que a distinção já não é tão clara. Parece-me que uma alta porcentagem de ortoréxicos hoje em dia se concentram em perder peso."

"Como deixou de ser aceitável que uma pessoa magra conte as calorias que consome, muitas pessoas que seriam diagnosticadas como anoréxicas falam em 'comer de maneira saudável', o que por coincidência implica em escolher apenas alimentos com baixo teor calórico."

Sem fundamento

"Esses pratos inspirados pelo Instagram, com umas folhas de espinafre, uns grãos de quinoa --que estão muito na moda, algumas sementes de romã, que são lindas-- são muito bonitos, mas não têm nutrientes suficientes", disse à BBC Miguel Toribio-Mateas, nutricionista e especialista em neurociência clínica.

 "Você termina com uma comida que te dá 200 calorias, o que não é nada em termos energéticos, e sem proteínas. Está tudo bem se você tem vontade (de comer assim um dia ou outro), mas se você se recusa a comer o resto da comida normal porque acha que ela é suja ou algo que não pode jamais colocar na sua vida porque vai te fazer mal, há um problema", acrescenta o especialista.

E se o termo "comida normal" deixa você confuso, o nutricionista faz alusão, por exemplo, a um prato de "peixe com batatas". Hoje em dia, há tamanha avalanche de conselhos sobre nutrição e saúde na internet e na mídia que fica difícil ignorá-los e lidar com eles.

 "O açúcar, nesse momento, é o demônio. Porque se você o consome com muita frequência, no mínimo, ganha um pouco de peso. E se (faz isso), pode desenvolver diabetes (do tipo) 2. Mas de vez em quando, ter a flexibilidade mental para poder dizer 'hoje vou comer um chocolate' é importante. E isso é impossível para os ortoréxicos", disse Toribio-Mateas.

Além do problema de ser aceita socialmente, a ortorexia também é tida como doença "do primeiro mundo" ou "das classes privilegiadas" --o que não está de todo errado, disse o nutricionista. "Se você tem de contar o dinheiro antes de ir às compras, não vai pagar o que cobram pelos alimentos que estão na moda e são tidos como 'limpos'." E acrescentou: "Não é que a romã não seja deliciosa. Mas se você pretende viver dela e de outros poucos produtos sobre os quais você leu que têm alto teor de antioxidantes e nada mais, essa não é uma decisão racional."

Bem informadas

Toribio-Mateas disse que a maioria dos seus pacientes é mulher. Segundo ele, elas vêm procurar conselhos para uma dieta "perfeita". Ou são arrastadas à clínica pelos familiares --já que elas próprias estão convencidas de que não há nada de errado. "É difícil tratá-las, até porque são muito bem informadas."

"Tenho uma paciente que só come legumes fervidos ou grelhados. Rejeita a carne por causa dos hormônios, rejeita os ovos porque acha que têm gordura demais, só consome uma quantidade mínima de óleo de coco --porque está convencida de que ele ajuda a queimar gordura."

"Há mitos que são mais fáceis de derrubar, mas como dizer a alguém que não coma tantos legumes?", questionou. "Tenho de convencê-la a introduzir (na dieta) outros alimentos que, segundo exames clínicos, estão faltando no seu organismo.

" Finalmente, a ortorexia não implica apenas em uma redução nas opções alimentares do paciente. "Os ortoréxicos não podem ir a um restaurante ou bar porque não sabem o que está sendo servido. E não podem ir comer na casa de amigos, a não ser que eles também sejam ortoréxicos", concluiu Toribio-Mateas.

Topo