Casamento

Como me tornei dama de honra de aluguel

Jen Glantz
Glantz posa com os vestidos acumulados em seus trabalhos em casamentos imagem: Jen Glantz

Catherine Snowdon - BBC Business reporter

Imagine se nas fotos de seu casamento, ao seu lado, estivesse uma estranha. Não é uma penetra, não é a nova namorada de um amigo, mas uma mulher que foi paga para estar lá: uma dama de honra profissional.

Escolher quem serão as madrinhas, padrinhos ou damas de honra para um casamento pode ser um assunto delicado.

Os noivos, às vezes, precisam fazer um exercício em diplomacia para equilibrar amigos e familiares e não magoar ninguém. O processo pode durar semanas e a última coisa que passa pela cabeça dos envolvidos é contratar uma profissional para este papel.

No entanto, esta profissional existe. Jen Glantz, uma nova-iorquina de 28 anos, trabalha como dama de honra há dois anos.

Nos Estados Unidos não existe a figura da madrinha de casamento e geralmente a noiva chama as amigas ou familiares para serem as damas de honra que acabam ajudando na organização da cerimônia e da festa.

Dois casamentos e uma ideia

Glantz teve a ideia quando ainda trabalhava como redatora em uma start up de tecnologia e foi convidada para ser a dama de honra em dois casamentos de duas amigas diferentes que aconteceriam no mesmo dia.

A jovem com quem ela dividia um apartamento na época brincou dizendo que ela deveria se transformar em uma profissional do ramo.

A piada da colega deu a ideia e Glantz colocou um anúncio no site de classificados Craigslist e a resposta foi surpreendente.

"Eu não acreditei, (mas) eu sabia que tinha algo aí", disse. Em junho de 2014 ela lançou um site, o Bridesmaid for Hire, e deu início a uma nova fase em sua vida.

Pacotes

O serviço funciona em um sistema de pacotes.

A partir de US$ 300 (cerca de R$ 967) a noiva pode ter a "Dama de Honra Virtual", que inclui sessões individuais para ajudar as noivas a "criar uma lista do que fazer, um itinerário para o dia e um orçamento para o seu casamento".

Existem várias outras opções, incluindo algumas sessões por telefone, e chegam até à experiência da dama de honra "ao seu lado", que começa com o valor de US$ 1.000 (cerca de R$ 3,2 mil).

Este pacote consiste em uma noiva pagar uma estranha para ficar com ela durante todo o processo do casamento chegando até a se misturar com os convidados na festa e aparecer nas fotos.

A noiva que contrata este pacote também precisa pensar nos custos adicionais como o transporte e o vestido que Glantz vai usar (e ela vai ficar com ele).

Mas com um casamento nos Estados Unidos custando, em média US$ 26 mil (quase R$ 84 mil), segundo o site Cost of Wedding, algumas centenas de dólares a mais podem não fazer muita diferença.

Glantz afirma que a conta mais alta que já cobrou para um casamento chegou a cerca de US$ 3 mil (pouco mais de R$ 9,6 mil).

Ao apresentar a ideia da dama de honra de aluguel para amigas, fiquei surpresa com suas respostas.

Uma aprovou e lembrou de uma dama de honra que só causou problemas e se transformou no centro de todo o planejamento e no dia do casamento, chamando mais atenção do que a noiva.

No entanto, outra amiga achou triste não ter uma boa amiga para ser a dama honra.

Amigas demais ou sem amigas

Glantz afirma que trabalha com todo tipo de mulheres. Algumas vem com seis ou mais damas de honra e outras a procuram porque não tem amigas próximas.

"Isso acontece, as vidas das pessoas tomam caminhos diferentes e algumas mulheres acabam sem aquele tipo de amiga para chamar (para ser dama de honra)", explicou.

"Realmente tento ficar amiga de todas as minhas clientes. Trabalho com elas em um período que pode variar entre um ano e três meses antes do dia do casamento; construímos um relacionamento neste período."

"Sou um sistema de apoio emocional para mulheres que não têm necessariamente as pessoas para ajudar a planejar o grande dia e ajudá-las com o estresse inevitável", acrescentou.

Todos que já se envolveram no planejamento de um casamento sabem que há pressão e estresse envolvidos. E alguns podem imaginar como Glantz não sente tudo isso também.

Mas ela admite que este trabalho a deixa exausta.

"Eu posso trabalhar com cinco a 15 clientes de uma vez. Adoro o que faço do fundo do meu coração, mas é um trabalho pesado. Casamentos não são mágicos e perfeitos, eles são estressantes", alerta a profissional.

Em 2015 Glantz trabalhou com mais de 40 clientes. Em 2016, até o momento, ela já tem 25 casamentos agendados e, com tanto movimento, às vezes ela precisa de ajuda.

Há ocasiões nas quais a noiva pede duas ou três damas de honra ou quando Glantz está agendada para dois casamentos no mesmo dia. Quando isso acontece, ela tem uma lista de "damas reserva".

E são muitas as pessoas que querem trabalhar com Glantz: ela já recebeu mais de 10 mil candidaturas para este emprego em seu site, vindas do mundo todo.

Segredo

Em alguns casamentos o trabalho de Glantz fica ainda mais complicado, pois a noiva não quer que ninguém saiba que ela é uma dama de honra contratada.

Neste caso, Glantz e a noiva precisam combinar uma história de amizade, como se conheceram entre outras coisas.

"Tento manter tudo muito simples. Mas ainda pode ser desafiador se as pessoas fazem muitas perguntas", conta a dama de honra profissional.

Até hoje ela conseguiu manter o disfarce em todos os casamentos onde foi necessário. Mas Glantz lembra que chegou perto de estragar tudo em uma ocasião.

"Trabalhei em dois casamentos em um fim de semana nos quais tinha histórias diferentes. Pode ficar difícil lembrar todos os detalhes", contou.

O site de Glantz tem avaliações ótimas e, independente das razões para contratar uma dama de honra profissional, as noivas parecem estar muito satisfeitas com a dama de honra de aluguel.

E ela afirma que seu trabalho é muito diferente do que fazem as empresas contratadas para organizar casamentos.

"O organizador está lá para se concentrar em coisas como o local (da festa e da cerimônia), a decoração, o transporte. Eu estou lá para me concentrar nas pessoas. Quero que as pessoas estejam com uma ótima aparência e se sintam bem", explicou.

Topo