Comportamento

Ex-estrela mirim conta como ditadura da beleza a levou à depressão

Reprodução/Twitter
Mara Wilson hoje, aos 29 anos imagem: Reprodução/Twitter

Quem se lembra da garotinha sorridente da foto acima, que ficou conhecida por seu papéis fofos, como o da filha de Robin Williams em Uma Babá Quase Perfeita (1993) ou a protagonista de Matilda (1996)? Mas por onde ela anda?

Mara Wilson, hoje com 29 anos, acaba de lançar sua biografia, em que conta como ter virado uma estrela mirim fofa só tornou sua vida triste. Revela ainda como foi difícil se dar conta de que jamais seria bonita como Scarlett Johansson ou Kristen Stewart - e de como isso minou sua carreira em Hollywood.

"Durante uma época, eu era paga para ser fofinha, mas depois fui contagiada pela maldição de ser uma atriz mirim", conta a atriz em seu recém-lançado livro Where am I now? (Onde estou agora?, em tradução livre, ainda sem versão para o português).

"Após uma seleção em que o diretor me disse que eu era perfeita para o papel da amiga gorda, a qual era alvo de piadas em todas as páginas do roteiro, me caiu a ficha. Aos 13 anos, ser bonita era o que importava. E não apenas no mundo do cinema e da televisão."

"Lá estava Scarlett (nas páginas de uma revista), linda, falando sobre seu novo filme com Bill Murray. Ela definitivamente era uma mulher, estava toda sexy. Como ela conseguiu? Senti um soco no estômago. Ela era só dois ou três anos mais velha do que eu. E sabia que nada que eu fizesse me faria ter nem metade da beleza dela. Mesmo depois que eu tirasse o aparelho, mesmo se eu colocasse lentes e melhorasse meu corte de cabelo. (...) Mesmo assim eu jamais seria boa o suficiente para Hollywood." 

RON GALELLA COLLECTION
Mara com seus pais na estreia de "Uma Babá Quase Perfeita", em 1993 imagem: RON GALELLA COLLECTION

Lacinho na cabeça
No livro, Mara conta a trajetória que percorreu ao sair da fama aos 6 anos de idade até a perder papéis para colegas mais magras e com um corpo mais sexy, passando pela morte da mãe por um câncer fulminante.

Ela fala sobre como sua mãe questionava o porquê de diretores insistirem em colocar um lacinho da cabeça dela, mesmo na hora de dormir. A resposta era sempre a mesma: "Porque ela fica tão fofa."

E, mesmo criança, ela percebia como a mãe insistia para que a atuação da filha chamasse mais atenção do que sua fofura.

A atriz lembra ainda de como durante uma filmagem, quando tinha 12 anos e já sem a mãe, a diretora que ela considerava como "uma avó postiça" teve de lhe explicar que seu corpo estava mudando e, por isso, precisaria usar um sutiã. "A puberdade havia chegado, e eu fui a última a saber."

Boa parte da biografia é focada em como ela sofreu com depressão e outros problemas, inclusive o intenso bullying de que foi alvo na internet e de como aprendeu - depois de muito sofrer - a lidar tudo isso. 

Ela cita uma crítica que achou particularmente brutal. "Uma vez eu entrei em contato com a autora de uma lista (online) chamada 'As ex-estrelas mirins mais feias' para perguntar por que ela, como uma mulher, punia outras mulheres pela aparência delas. Ela me escreveu se desculpando, dizendo que só escrevia coisas estúpidas online para pagar as contas." 

Em outra passagem do livro, ela fala de como os comentários online a afetavam: "Hoje sei que não é minha função ser linda, ou fofinha, ou qualquer outra coisa que alguém quer que eu seja. Então, a próxima vez que alguém escondido atrás de um apelido online decidir me dizer o que eu devo fazer para ficar mais bonita, vou propor um encontro cara a cara. E vou contar o que é passar pela puberdade diante dos olhos do público, pouco depois de perder sua mãe para o câncer.

Vou dizer como me senti quando achei um site com fotos (falsas) minhas nua aos 12 anos. Vou dizer que eu conheci os dois lados desse 'ser fofinha', e, nos dois casos (como atriz mirim e em sites de pornografia), isso só fez com que minha vida fosse miserável.

Vou dizer o que realmente significa se encaixar, ao ponto que agora eu só faço dublagem, onde ninguém pode me ver. Vou dizer como a minha mãe queria que eu me provasse pelo meu talento, e não pela minha aparência. Um talento que agora sei que tenho, e agora sou mais feliz do que nunca.

Depois disso tudo, se essa pessoa insistir em me dizer como eu devo ser e me vestir, então vou considerar contratá-la para ser meu estilista."

Topo