Comportamento

Homens também podem ter dificuldade de atingir orgasmo

Getty Images
Assim como acontece com mulheres, alguns homens não conseguem "chegar lá", problema conhecido pela área médica como transtorno orgástico masculino imagem: Getty Images

WILSON DELL'ISOLA
Colaboração para o UOL

Em relação à sexualidade masculina, muito se fala em ejaculação precoce e impotência sexual. Mas quem pensa que a dificuldade de chegar ao orgasmo durante a relação sexual é um problema exclusivamente feminino está enganado. Assim como acontece com mulheres, alguns homens também não conseguem “chegar lá”. Na área médica, essa incapacidade é conhecida como transtorno orgástico masculino.

O homem que apresenta esse problema, portanto, consegue ter ereção e até uma relação sexual, mas tem dificuldade na hora de ejacular. Para o engenheiro Roberto*, 37 anos, de São Paulo, isso não chega a ser um problema, mas ocorre quando ele não “curte” a mulher. “Estava saindo com uma colega de trabalho, quando ela bateu na porta do meu apartamento vestida somente de lingerie com um casaco por cima. Foi surpreendente e muito excitante, mas ela não parava de falar durante a transa e fui perdendo o tesão. Mantive a ereção e a relação sexual até o final, mas não cheguei ao orgasmo nem ejaculei”, conta.

Diferentemente da mulher, o orgasmo masculino é mais evidente, já que é acompanhado de uma resposta fisiológica visível: a ejaculação. Desta forma, para o homem é mais complicado fingir que chegou lá. Para a psicanalista e escritora carioca Regina Navarro Lins, autora do livro “A Cama na Varanda” (Editora Best Seller), pesquisas mostram que muitas mulheres fingem ter atingido o orgasmo para evitar ver o parceiro frustrado ou simplesmente para terminar o ato sexual que não é prazeroso: “Ao homem é proibido fingir, ou ele tem ou não tem o orgasmo. Ocorre que quando ele tem dificuldades para isso, muitas vezes sente sua masculinidade fragilizada e/ou acha que não faz sua parceira sentir-se completamente desejada, o que pode piorar ainda mais a situação. Caso esta seja uma condição recorrente, vale consultar um especialista para chegar ao diagnóstico e realizar o tratamento necessário”. Nesse meio tempo, o apoio e a compreensão da parceira são de total importância, tanto nos momentos íntimos com o entendimento de que aquela situação é uma dificuldade, como fazendo companhia nas visitas ao urologista.

Não confunda

A dificuldade masculina de atingir o orgasmo durante a relação sexual pode ser dividida em três grupos distintos – que variam de acordo com as premissas para chegar à ejaculação. O primeiro grupo, o mais comum, é caracterizado pelo homem que só consegue chegar ao orgasmo com estímulo manual ou oral. Nos outros casos, que acontecem em menor proporção, o homem até pode chegar ao ápice da excitação, mas só depois de um estímulo preliminar bastante prolongado e intenso. E ainda existem outros que só conseguem ejacular com masturbação.

Não confunda, portanto, transtorno orgástico masculino com impotência. Esta se configura quando o homem não consegue fazer com que o pênis fique ereto – que pode ser até por motivos semelhantes aos da inexistência do orgasmo (confira abaixo). É possível um homem ter ereção sem ejaculação, ejaculação sem ereção e orgasmo sem ejaculação, desde que saiba diferenciar as coisas. Orgasmo é a sensação, ejaculação é a saída de esperma do pênis.

Motivos

De acordo com estudo realizado pelo urologista Irwin Goldstein, da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, há uma variedade de explicações possíveis para a falta de orgasmo masculino, muito embora o problema seja relacionado a questões biológicas e psicológicas. Entre as causas e sintomas mais conhecidos, destacam-se:

  • Hipotiroidismo: a glândula tireoide não produz hormônio suficiente, o que pode lesar os órgãos envolvidos na produção e transmissão do impulso sexual.
  • Hipogonadismo: ineficiência dos hormônios reprodutivos com ou sem defeitos de fertilidade, cujos testículos não produzem testosterona suficiente.
  • Transtornos psicológicos: depressão, ansiedade, estresse, irritação, preocupação excessiva e nervosismo podem prejudicar a relação sexual.
  • Efeito: o uso de alguns medicamentos antidepressivos, por exemplo, podem prejudicar a qualidade do sexo.
  • Neurológicos: infarto, esclerose e neuropatia diabética podem limitar a capacidade de orgasmo.
  • Lesões físicas: ferimentos da medula espinhal e outras lesões graves podem prejudicar a capacidade de atingir o orgasmo.
  • Próstata: infecções ou cirurgias que afetam a próstata - ou outros órgãos pélvicos – podem atrapalhar.

* O nome foi trocado a pedido do entrevistado

 

 

Topo