Comportamento

Teste se você sabe escolher presente para o seu amor

GISELA RAO
Colaboração para o UOL

Quando a dentista G.C., 27 anos, desembrulhou com euforia o pacote vermelho e viu um lampião (sim, um lampião!) pensou que fosse brincadeira e esperou o segundo presente. Mas, depois que alguns minutos se passaram e nada aconteceu, ela percebeu que a coisa era séria mesmo e perguntou ao namorado: “Por que um lampião?” Ele respondeu: “Porque eu acho você uma pessoa iluminada e a gente vive indo para o sítio da sua irmã”.

Sim, essas coisas acontecem no mundo dos homens. Coisa semelhante aconteceu com Lu Wallace, 38 anos, publicitária. No auge dos seus quilinhos a mais ela ganhou do namorado um exótico vestido chinês longo. Detalhe: mulheres chinesas não têm bumbum e muito menos seios fartos. “Eu fiquei me sentindo um churrasquinho no palito, com todas aquelas carnes pulando para fora e ainda tive de ouvir da vendedora, quando fui trocar: é que você é “magrinha” de rosto”, conta. Mas, e você, sabe escolher o presente certo para o namorado ou namorada? Faça o teste abaixo e descubra:

 

 

Para o antropólogo Tariq Kamal, autor do livro “Desvendando os Homens”, isso acontece porque eles desenvolvem, desde cedo, um conteúdo mais racional. “A maioria ainda acha que desenvolvimento pessoal é investir na carreira. A onda do desenvolvimento emocional e espiritual ainda não chegou tanto para eles”, afirma Tariq. Já a psicanalista e escritora Regina Navarro Lins, autora do livro “A Cama na Varanda”, vê nessas atitudes um – talvez - excesso de praticidade. "Se é verdade que os homens têm dificuldades em acertar nos presentes que dão para as mulheres é provável que isso ocorra porque eles foram educados para serem mais práticos e a não se ligarem nas sutilezas. Mas acredito que os que já se libertaram do mito da masculinidade devem ter a mesma facilidade que elas para escolher presentes que agradem” – completa a psicanalista.

A verdade é que quando começa a chegar perto do Dia dos Namorados, dá aquele friozinho na barriga, não dá? Primeiro, porque é uma data deliciosa mesmo e, segundo, porque escolher o mimo certo - como a gente pode constatar - é mais do que uma arte, é uma prova de muita sensibilidade e de que você, sim, está vendo o outro. Para o jornalista e escritor Marcelo Coelho, é natural que a data seja um festival de compras em shoppings centers. Afinal, os namorados compram presentes em homenagem àquilo que já possuem – o amor.
 

Topo