Comportamento

Disputas acirradas de mãe e filha na vida real e na ficção

Getty Images
Na vida real: Woody Allen separou-se da atriz Mia Farrow para ficar com a filha adotiva Soon-Yi fi imagem: Getty Images

Colaboração para o UOL

A rivalidade entre mãe e filha não é nova. O tema faz parte da vida real e de histórias criadas por escritores, cineastas e autores de novelas. Confira alguns casos marcantes:

Na vida real

Em 1992, a atriz Mia Farrow descobriu que seu marido, o ator e cineasta Woody Allen, estava tendo um caso com sua filha adotiva deles, Soon-Yi, com 22 anos na época.

A atriz Lana Turner (1921-1995) protagonizou um dos maiores escândalos de Hollywood. Em 1958, sua filha, Cheryl Christina Crane, não só a acusou de abandono como matou o amante da mãe, o gângster Johnny Stompanato, com uma faca de cozinha. Segundo boatos na época, Johnny também mantinha um caso com a garota.

Nas novelas

  • Divulgação/TV Globo

    Na novela "Laços de Família", Edu (Reynaldo Gianecchini) deixa Helena (Vera Fischer) para ficar com a filha dela, Camila (Carolina Dieckmann)

Sofia (Betty Lago) e sua filha, Luísa (Natália Lage), batalharam pelo coração do aviador Léo (Rodrigo Santoro) em “O Amor Está no Ar” (Rede Globo, 1997), de Alcides Nogueira.

Manoel Carlos fascinou o Brasil em 2000 com a trama de “Laços de Família” (Rede Globo), em que Helena (Vera Fischer) abria mão do jovem médico Edu (Reynaldo Giannechini) por causa da filha, Camila (Carolina Dieckmann). Como Camila era mimada, os telespectadores ficaram frustrados.

No cinema

Em “A Primeira Noite de um Homem” (1967), Benjamin (Dustin Hoffmann) perde a virgindade com a liberal Mrs. Robinson (Anne Bancroft) e tem de lidar com a sua ira ao se apaixonar pela filha dela, Elaine (Katharine Ross).

Eliane (Catherine Deneuve) e a filha adotiva, Camille (Linh Dan Pham) se envolvem com um oficial da Marinha, Jean-Baptiste Le Guen (Vincent Perez) no Vietnã dos anos 40 em “Indochina”.

Na literatura

Hoje considerado um clássico, “Lolita”, de Vladimir Nabokov (1899-1977), causou escândalo em 1955 ao contar a história do professor Humbert, que se aproxima de uma mulher para depois se envolver com sua filha, Dolores, de 12 anos.

O polêmico Nelson Rodrigues (1912-1980) descreve a disputa de mãe e filha pelo mesmo homem no romance “Escravas do Amor”, publicado sob o pseudônimo Susana Flag em 1944.


 

Topo