Comportamento

Cuidado, a autopiedade pode afastar as pessoas de você

GISELA RAO
Colaboração para o UOL

O filme “Ray” (2004), dirigido por Taylor Hackford, sobre a vida do músico Ray Charles, conta que ele fica cego aos 7 anos, algum tempo depois da morte do seu irmão caçula. A mãe de Ray fez algo que pouquíssimas mães fariam: não o super protegeu! Ao contrário: não deu moleza. Ela dizia: "Nunca vou nutrir a sua pena por você porque nunca terá pena de si mesmo. Nem ninguém. Você vai aprender a escutar melhor, vai ter mais memória para decorar os trajetos, vai se virar. Eu vou te ensinar uma, duas vezes; mas três, não!"

Dicas para sair da posição de vítima

E, de fato, Ray Charles cresce independente e vai se virando como pode até se transformar num dos maiores músicos da nossa época. Sim, ele se livrou da “atravancadora de vida”, a “síndrome de vítima”. E, você, sofre de autopiedade?

“A ‘vitimização’ é um mecanismo muito sutil. O indivíduo se utiliza de seus próprios infortúnios na vida como forma de receber a atenção alheia. Mas um dia esta receita cai por água abaixo porque as pessoas tendem a se afastar de gente ‘pra baixo’”, afirma a psicóloga Esmeralda Sarraccini.

Para a coach em ecologia da criatividade Lúcia Rodrigues, a pessoa cria na cabeça uma “caixinha” de ‘vitimização’ porque se sente mais segura neste lugar confortável. Isto ocorre porque na infância provavelmente esse mecanismo funcionava. “Ela acaba justificando para o mundo que, se ela não consegue sair do buraco, não é culpa dela. Na física quântica, a angústia/tristeza é vista como alegria/felicidade represada. Por isso, é muito importante questionar-se: ‘Que falsa segurança é essa?' e 'Qual alegria me traria uma segurança verdadeira?’”, completa.

  • Divulgação

    O ator Jamie Foxx interpreta o músico Ray Charles no filme "Ray": exemplo de superação

Você tem autopiedade quando diz:

  1. "Eu tive uma infância assim e por isso fiquei assim e, portanto, serei assim, pobre de mim!" Ora, todo mundo também teve momentos ruins. Você precisa pegar o bicho pelo chifre: busque ajuda, faça terapia, frequente grupos de ajuda, entre para alguma linha espiritual que faça sentido para você. Conheço filhos de alcoólatras, de pedófilos, de espancadores, estelionatários, de rejeitadores, de ladrões e de terroristas emocionais que viraram o jogo porque disseram NÃO à autopiedade.
  2. "Ele me trocou por uma mulher bem mais jovem." Outra frase péssima! Se a dor da separação já é cruel, imagine, então, encarnar a “velha abandonada”. Não é você que não é bom o suficiente, o sujeito que está em outra.
  3. "Eu não tenho ninguém, ninguém me quer." Ôôô! Até o náufrago vivido por Tom Hanks tinha a bola Wilson. Você é uma mulher ou um mutante para não conseguir fazer uma amizade sequer?
  4. "Ninguém cuida de mim" Afeeee! Quantos anos você tem para precisar que alguém cuide de você? Três? Noventa? Quem cuida de mim aqui em casa sou eu! Não tem moleza. Nunca esqueci o que meu tio me disse quando eu estava sem namorado numa época e falei que sentia saudades de abraçar alguém. Ele disse: "Abrace-se". E é o que eu faço desde então e ainda digo: "Eu vou cuidar de você!".
  5. “Estou sempre doente”. Cuidado! Tem gente que chega a ficar doente só para alimentar a síndrome de vítima. Isso é muito comum, aliás, em pessoas de mais idade.
Topo