Comportamento

Pare de sabotar seus relacionamentos

Getty Images
Sabotadoras do próprio relacionamento parecem duvidar de que sejam capazes de despertar o interesse de alguém tão especial, como se não fossem merecedoras de algo bom imagem: Getty Images

GISELA RAO
Colaboração para o UOL

No divertidíssimo filme “Como Perder um Homem em Dez Dias” (2003), dirigido por Donald Petrie, a protagonista Andie Anderson faz de tudo para sabotar o seu recente namoro com o bonitão Bem Barry. Ela pega no pé do cara, leva samambaias para a casa dele, atrapalha o jogo de pôquer com os amigos, compra um cachorrinho monstrengo que adora fazer xixi em sua mesa de bilhar etc. etc. Problemas com a autoestima? Medo de ser feliz no amor? Não, não. O objetivo era incrementar uma matéria sobre o assunto. Mas, e nós, seres humanos não-hollywoodianos? Por que vivemos tentando sabotar as nossas relações?

São atos inconscientes, mas que ao serem postos em prática tornam-se deflagrados, sem restar qualquer tipo de dúvida

Luiza Ricotta, psicóloga

A psicóloga e professora universitária Luiza Ricotta, autora do livro “Quem Grita Perde a Razão” (Editora Ágora), dá uma boa pista: “Sabotar implica ir contra algo, e o pior, contra si mesma. Isso significa que terá que administrar as situações difíceis que produziu. São pessoas que não aguentam manter um vínculo que tenha equilíbrio e satisfação, principalmente se nunca tiveram algo significativo e valoroso antes”.

Para a especialista, algumas pessoas com autoestima baixa tendem a não acreditar que possam se relacionar de forma satisfatória quando estão com alguém interessante e ainda possam ter seu valor reconhecido, tanto para o seu próprio parâmetro, como perante os outros (familiares e amigos).

Ricotta afirma que essas pessoas parecem duvidar de que sejam capazes de despertar o interesse de alguém tão especial, como se não fossem merecedoras de algo bom. Utilizam o recurso do boicote, que acontece por meio de suas próprias ações, para produzir efeitos negativos, que tendem não só dificultar como trabalhar para o seu rompimento.

”De algum modo, aquele que sabota faz aparecer a figura do terrorista, que aterroriza a própria vida com o objetivo de manter-se na posição daquele que não consegue estabelecer um vínculo gratificante, que poderia ter acontecido caso não colocasse tudo a perder”, completa Ricotta.

Você está sabotando o seu amor quando:

  • Cria obstáculos para o entendimento.
  • Imagina o que não aconteceu, como quem está procurando algo...
  • É volúvel.
  • Testa a paciência do companheiro.
  • Deseja ter limites, pois, com o ato de boicotar, você sempre acaba na pior e se vê justificando depois a posição que está acostumada a ter: de ser sozinha, de manter a fama de briguenta, de manter o alto nível de ciúmes, de fantasiar que será trocada por outra etc.
  • Mantém uma posição padrão no relacionamento, ou seja: que se repete.
  • Você é do tipo que gosta de explosões, um modo de rebaixar a qualidade do vínculo. E de obter de forma equivocada e distorcida uma espécie de resposta quanto ao interesse do outro manter o relacionamento. É um tipo de teste com a finalidade de se sentir querida e em evidência.
  • Forja situações, criando dificuldades com o parceiro.
  • Nutre o fracasso no relacionamento.

Calma. É difícil alguém se comportar dessa maneira propositalmente. São atos inconscientes, mas que ao serem postos em prática tornam-se deflagrados, sem qualquer tipo de dúvida.

Dica

Ao verificar as frequentes queixas do seu parceiro, comece a refletir sobre exageros e situações em que poderia ter lidado de outra forma. Em relacionamentos saudáveis, as pessoas são flexíveis diante das circunstâncias, sem um comportamento rígido e fixo.

Elas assumem

“Sabotagem nos relacionamentos? Imagina, eu nunca fiz isso, eles é que me largaram. Falando sério, eu tenho certeza de que sabotei todos os meus relacionamentos passados apoiada na minha insegurança. Tenho convicção de que ela saía pelos meus poros até ‘intoxicar’ os meus parceiros e eles não conseguirem mais ficar, já que não podiam mais respirar.” - M.B., São Paulo

”Faço exatamente isso. Ficamos bem um mês e depois eu crio um monte de coisas. Talvez por ter sido tão traída, acredito que esteja sendo de novo e mesmo que não saiba de nada, imagino e acredito que aquilo seja verdade. Cheguei a ficar desleixada com a aparência, outra forma de sabotagem.” - G.L.N., Rio de Janeiro

”Eu me saboto totalmente quando se trata de relacionamentos homem x mulher. Descobri junto com minha psicanalista que, se um homem não me rejeita, eu dou um jeito e não sossego até ele me rejeitar. E aí trago homens inacessíveis, indisponíveis e que só fazem mal para minha vida. Descobrir nossa sabotagem é importante, porque agora comecei a prestar mais atenção nas pessoas e, ao mesmo tempo, a me preservar e me respeitar. Até meus amigos que eu tinha afastado estão voltado e com força total.” - R.T., São Paulo

Topo