Comportamento

Cinco lições de autoestima para aprender com Paula, eliminada do BBB11

Divulgação
A eliminada Paula, em uma das festas promovidas pelo BBB11 imagem: Divulgação

HELOÍSA NORONHA

Colaboração para o UOL

Eliminada do BBB11 com 63% dos votos do público, Paula pode não ter sido uma das participantes mais queridas do público. Porém, a candidata à bolada oferecida pelo reality show deu exemplos que poderiam ser colocados em prática por mais mulheres. A invejável autoestima de Paulinha motivou UOL Estilo – Comportamento a perguntar a especialistas quais as cinco lições que a recente ex-BBB deixa de herança. Veja a seguir:

1. Não ter medo de se expor

Além, é óbvio, de aceitar participar de um reality show, Paula nunca pareceu preocupada com o fato de não seguir os padrões de beleza que torturam tantas mulheres. Nunca se sentiu intimidada por concorrer e dividir um confinamento com musas como Maria, Jaqueline e Talula. Vestiu-se como achou que deveria, exibiu sensualidade e até ficou nua mais de uma vez diante das câmeras. Tanta autoestima chegou a incomodar quem associa autoconfiança à magreza. “A causa da estranheza e rejeição é por não se admitir que uma pessoa fora dos padrões impostos –que a beleza inclui ser magra e alta– possa se gostar. Quando isso não acontece e o indivíduo manifesta uma reação contrária, causa surpresas, já que o normal seria a introspecção e até a autoexclusão”, analisa a psicoterapeuta Aridinéa Vacchiano, do Rio de Janeiro.

2. Ter confiança para seduzir

Antes de entrar para o programa, Paulinha assumiu a bissexualidade. No BBB11, trocou carinhos com Diana e com Cristiano –que, no início da atração, era considerado o homem mais disputado da casa. Ser gordinha não a impediu de ficar com ele em uma festa. “Provavelmente ela sempre foi incentivada a não se sentir excluída, a se olhar com respeito, a se aceitar. A autoestima é uma motivação necessária dentro de si. Ela é inerente a todo indivíduo que se encontra em harmonia, em equilíbrio, em paz consigo mesmo”, diz Aridinéa.

  • Divulgação

    Paula, que não ficava desconcertada nem com as provocações de Pedro Bial

3. Não se abalar por ofensas

Logo no início do programa, o participante (já eliminado) Igor, ao ver Paula colocando o biquíni fio-dental, disparou: “Ô, Jabulani, você também vai para a piscina? Ah, então acho que eu não vou agora, não!”. Para quem não se recorda, Jabulani era o nome oficial da bola da Copa do Mundo 2010. Em uma discussão, Diogo, outro eliminado, a chamou de “vaca gorda”. Isso tudo não intimidou a estudante de Roraima. “Muito se fala de bullying entre crianças e adolescentes nas escolas, mas ele acontece também no trabalho, nas universidades e nos grupos, como no do BBB”, afirma a coach Priscila Lima de Charbonnières, de São Paulo. “É muito comum em adultos pouco conscientes dos impactos que suas atitudes causam aos outros”, completa Priscila. A psicoterapeuta Aridinéia Vacchiano relembra que Paula tinha um objetivo: permanecer no programa. “Quando ela escolheu participar, sabia de todos os riscos aos quais estaria exposta, inclusive que sua autoestima seria testada para enfraquecê-la. Mas ela não se abalou.”

4. Não se incomodar com as críticas

Embora seus hábitos alimentares não sirvam de exemplo para ninguém –ela não come feijão e passa longe de frutas e verduras– Paula não liga para o que pensam dela. Pedro Bial ironizou a gulodice da moça, após as câmeras a flagrarem comendo oito fatias de pão em uma madrugada. Ela respondeu que foram “seis” e nem deu bola para as ironias do apresentador. Depois, aos colegas de confinamento, perguntou, brincando: “Vocês acham que é fácil manter esse corpinho?”. E, mais de uma vez, conseguiu rebater as provocações do apresentador do reality. “Como é uma situação temporária, Paula buscou recursos no seu interior para lidar com esses desafios e enfrentá-los, perseguindo o seu objetivo. Isso é que importa”, comenta Aridinéia.

5. Superar as limitações

Paula participou das provas de resistência com bastante empenho (e desbancou muitos concorrentes que se julgavam em melhor forma do que ela). Houve uma, no início do programa, em que ela caiu e se levantou várias vezes, sem desistir. Na última quinta-feira (17), quem acompanhou o BBB pode ter imaginado que a garota desistiria logo, de tanto que tremia de frio. Foi a penúltima a abandonar a competição (Rodrigão venceu), depois de mais de 10 horas de esforço, superando adversários como Diana e Wesley. A coach Priscila relembra que a autoestima é fruto de uma série de recursos internos desenvolvidos desde a infância. Ela está mais relacionada ao aspecto emocional e psicológico do que ao físico. “Uma pessoa não precisa se encaixar em algum padrão para ter autoestima elevada. Tanto que muitas pessoas bonitas não a têm”, encerra.

Topo