Comportamento

Debutantes atuais não querem mais festas de princesa; veja tendências

KATIA DEUTNER

Colaboração para o UOL

Se você é da época em que baile de debutante era sempre igual, com vestido branco e muito rosa, saiba que isso mudou –e muito– de alguns anos para cá. As meninas, hoje, querem muito mais. As festas estão cheias de particularidades. Pais liberais (e que podem) chegam a gastar R$ 200 mil em uma única noite. E esqueça a história de que é a noite da princesa. Aliás, essa ideia ficou no passado há tempos. O que elas querem, agora, é uma balada, com direito a DJ e a dançar por alguns minutos com ídolos como Fiuk e outros galãs das novelas globais.

"Os valores são astronômicos e dependem muito do tipo de festa, do local, do número de pessoas, do mobiliário alugado e dos efeitos tecnológicos", explica a assessora e decoradora de eventos Cristiane Pileggi, de São Paulo (SP). "É um sonho da família e cada estilo tem um valor muito distinto", afirma a produtora de eventos Vanessa Figueiredo, da Saint Morit’s Buffet & Eventos, também da capital paulista.

A participação dos pais, muitas vezes, se resume ao preenchimento do cheque. "As debutantes são modernas. Decidem itens essenciais da festa, como tema, decoração, penteado, maquiagem, vestidos e lembranças. As aniversariantes querem uma festa mais descontraída e menos tradicional, optam por decorações temáticas e se preocupam muito mais em se divertir com os amigos do que com as formalidades utilizadas nas apresentações à sociedade", conta decoradora de festas Adriana Guerra, da Tetto Arquitetura Interiores de São Luís (MA). Também é função dos pais controlarem os gatos das meninas, que querem tudo o que for diferente, novo e, quase sempre, mais caro.

Nada de princesinha
O início da festa costuma ser marcado por volta das 22h, com número de jovens bem maior do que o de adultos. O tipo de salão preferido é aquele que tem uma separação de alas, para jovens e adultos, assim, todos ficam mais à vontade. "A maioria escolhe cores da moda para decorar o espaço (o auge agora é o azul Tiffany) ou algum tema. Mas todas querem um diferencial, para que a festa seja lembrada para sempre", conta Cristiane Pileggi.

O cerimonialista também foi dispensado. Não se anuncia mais a entrada e conta historinha de que uma estrelinha caiu do céu e nasceu a fulana. A equipe de cerimonial organiza tudo, desde a entrada dos pais, familiares que vão dançar, os 15 casais, coordenando horário com clipes de retrospectiva e parabéns. "Tudo flui sem precisar anunciar ao microfone. São os efeitos de luz e músicas impactantes que definem o momento", diz Cristiane Pileggi.

Menina que vira princesa está fora de moda. "Poucas sonham com isso", diz a assessora de eventos Renata Rodrigues, da Saint Morit’s Buffet & Eventos (SP). Porém, algumas tradições ainda se mantiveram. A troca de roupa é uma delas. Há pelo menos um vestido curto para recepcionar os convidados, um longo para a hora da dança e outro curto para a balada do final da noite. "Temos utilizado a tecnologia de iluminação RGB que permite programação da mesa para combinar as cores da festa com cada vestido usado pela aniversariante", conta o diretor Alain Pierre Berjeaut, do Espaço Aragon, em São Paulo (SP).

Dançar a valsa com um menino vestindo uma farda é coisa do passado. Aliás, príncipe também. "Elas chamam um grande amigo, um namorado ou um ficante para dançar. É claro que ainda existem as meninas que preferem os cadetes, mas são as com conceito mais antigo", diz Cristiane Pileggi.

Sonhos de menina

Cenários incríveis não faltam. A festa mais inusitada que a equipe do Saint Morit’s realizou foi um aniversário no Paraguai. Filha de mãe brasileira, a debutante paraguaia queria uma festa bem diferente. "O tema escolhido foi o mundo virtual da debutante. Transformamos o salão centenário e provençal em Assunção num cenário cibernético, branco, com espelhos e projeções em 3D. O túnel de entrada levava a uma recepcionista virtual", conta Renata Rodrigues.

Isso parece fichinha quando comparado com o desejo de outra adolescente. O sonho dela era chegar à festa dentro de uma Ferrari vermelha. "Construímos uma rampa especial e retiramos uma das portas duplas do salão para que o carro entrasse. A debutante foi recebida por atores que interpretavam paparazzi, filmando e fotografando a menina freneticamente, como uma celebridade", conta Alain Berjeaut.

Depoimento de quem fez

"Meu sonho era realizar uma festa o mais original possível. Por isso, eu escolhi 'bartenders' que faziam drinques com apresentações de malabares e utilizavam garrafas personalizadas com as minhas iniciais. Além disso, optei por um DJ para comandar o som da festa, um telão e minhas amigas fizeram uma homenagem para mim. Produziram um vídeo com uma retrospectiva da minha vida. De tradicional mesmo foi só a valsa, que eu dancei com o meu pai. Eu não quis os 15 casais, pois, seu fizesse isso, eu teria que escolher apenas 14 das minhas amigas para dançar, e todas são muito queridas. Usei um vestido só, mas ele tinha uma sobressaia, que retirei após a valsa. Eu me senti realizada."

Gabriela Motta Seixas Portella Abud, estudante

 

Topo