Comportamento

No Dia dos Pais, relembre as histórias de dez homens que agiram como heróis

HELOÍSA NORONHA

Colaboração para o UOL

Para toda criança, o pai é um herói. Enquanto crescem, os pequenos se acostumam a achar que todas as aventuras reais pelas quais seu pai passa para criá-los são dignas das melhores histórias em quadrinhos. Há pais, porém, que extrapolam esse limite cotidiano e reforçam a ideia do superpoder.

Abrem boca de crocodilo ou se oferecem de escudo contra um carro em alta velocidade para proteger o filho. Ou, por um amor inexplicável, são capazes de atos extremos, como manter vivo um bebê alimentando-o com a própria saliva, sem sucumbir ao desespero, ou quebrar a perna do filho para libertá-lo. Há outros que, na falta de soluções para dar mais qualidade de vida a suas crianças, desafiam a medicina e a tecnologia e se tornam inventores. Relembre dez histórias comoventes de homens que superaram os próprios limites – físicos, emocionais, intelectuais e da coragem – em nome da vida e do futuro de seus filhos. E feliz Dia dos Pais!

Paz em momento de dor

Na última terça-feira, 9, três pessoas foram atropeladas por um carro em alta velocidade durante protestos na cidade de Birmingham, no Reino Unido. Ao socorrer as vítimas, Tariq Jahan encontrou seu filho, Haroon, de 21 anos, entre os mortos. Em vez de se voltar contra o assassino, inflando ainda mais os distúrbios que tomam a cidade, Tariq pregou a paz e se tornou o contraponto necessário para que a onda de violência no país não tome proporções maiores. A um jornal britânico, declarou: "Por que temos que matar uns aos outros? Por que estamos fazendo isso? Dê um passo à frente se você quer perder seu filho. Caso contrário, fique calmo e vá para casa. Por favor". Leia mais aqui

Sobrevivência à prova

Para manter vivo o filho de apenas seis meses, soterrado sob lama e escombros, o gerente de hotel Wellington da Silva hidratou-o com sua saliva durante mais de 14 horas. Os dois foram vítimas das chuvas em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro, no início do ano. Wellington, que perdeu a mulher e a sogra na tragédia, acumulava saliva na boca para molhar a boquinha do pequeno Nicolas e, assim, evitar que ele sucumbisse à desidratação. Durante todo o tempo em que estiveram debaixo da terra, o pai ficou abraçado ao filho. Os bombeiros comemoraram ao encontrá-los e a história causou muita comoção. Leia mais aqui (Foto de Jorge Araújo/Folhapress)

À la Indiana Jones

De férias em Miami com a família, o professor universitário Hélio Teixeira, de São Paulo, viveu a maior (e pior) aventura de sua vida. Seu filho Alexandre, na época com 7 anos, caiu em um canal do parque Nacional de Everglades enquanto passeava de bicicleta. Imediatamente, um crocodilo com três metros de comprimento abocanhou o tórax do menino, de ombro a ombro, quebrando duas costelas e provocando o início de uma hemorragia. Hélio não teve dúvidas: atirou-se ao canal e tentou manter a boca do animal aberta, evitando que ele mergulhasse com seu filho. Em seguida, foi a vez de a mãe pular. Enquanto o marido lutava com o bicho, ela conseguiu resgatar o garoto que, após alguns dias de internação, conseguiu se recuperar. (Foto de Jorge Araújo/Folhapress)

Escudo humano

Para proteger os filhos, os pais são capazes de atos de bravura que só mesmo um intenso amor – e uma alta descarga de adrenalina na corrente sanguínea – poderiam explicar. Em 2008, um pai salvou o filho de um atropelamento na Austrália colocando em risco a própria vida. Um vídeo divulgado em 2010 revelou a dramática cena. A família estava na calçada quando um carro desgovernado avançou. Com o bebê de apenas quatro meses no colo, Andrew Leitch conseguiu proteger a criança do impacto. Ele quebrou uma perna, mas o pequeno não sofreu nenhum arranhão. Reveja o vídeo aqui. (Foto: reprodução do vídeo)

Comunicação total

Martin Brooks usou a tecnologia disponível no iPhone para criar uma nova maneira de se comunicar com sua filha, Mia, de 5 anos, que tem paralisia cerebral. Como a única forma de expressão da menina é o olhar, ele se inspirou no slogan do iPhone - “um aplicativo para tudo” - para criar um programa que permite que a filha expresse suas vontades ao olhar para uma imagem na tela do celular. O aplicativo funciona assim: as imagens representam necessidades cotidianas, como comer, ir ao banheiro e beber água. Além disso, a criança ouve a voz dos pais todas as vezes que ela seleciona uma imagem. O programa está à venda no site da Apple e já foi baixado por mais de 1.300 usuários. (Foto: Reprodução)

Superação física

Considerada uma das provas de resistência física mais desafiadoras e difíceis, até mesmo para atletas experientes, o Iron Man consiste em percorrer 180 km de bicicleta, 42 km de corrida e outros 3,8 km a nado. Para realizar o sonho de seu filho, portador de paralisia cerebral e deficiente físico, Dick Hoyt já encarou seis vezes a prova, carregando-o durante todo o percurso na bike, puxando um bote ou empurrando-o em um carrinho. Durante os treinos, o pai era incentivado pelo filho, Rick, um exemplo de superação, pois aprendeu a se comunicar escrevendo com a cabeça. Os dois criaram o Team Hoyt em 1977. Hoje Dick tem 71 anos e Rick, 49, e somam mais de 900 provas juntos. (Foto: Reprodução do site oficial)

Pai coragem

Em um deslizamento de terra durante as inundações que mataram centenas de pessoas na região serrana do Rio de Janeiro, no início deste ano Magno de Jesus Andrade fugia de casa com a família quando a queda de uma barreira prendeu a perna do filho, Pedro. Ao ouvir os gritos, ele voltou. Para tirá-lo dali, porém, Magno teve de tomar uma decisão drástica: quebrar a perna do menino e puxá-la, enquanto Pedro pedia para que ele seguisse com a família para um lugar seguro. O menino, de 15 anos, se recuperou e a família toda foi salva. Leia mais aqui. (Foto de Rafael Spuldar/BBC Brasil)

Flecha certeira

Um morador do Estado americano de Wyoming matou um urso para salvar a vida do filho. Ron G. Leming, de 62 anos, aparece na foto com o animal de mais de 220 quilos que ele diz ter matado com uma flechada no parque Washakie Wilderness, em 12 de setembro de 2008. O urso atacou seu filho, Ron J. Leming, quando os dois estavam caçando alces próximo ao rio Shoshone. A flechada do pai evitou que o filho fosse morto. Mais de um mês depois, eles voltaram às caçadas. (Foto: AP)

Parto em casa

Em 4 de julho deste ano, uma soldado da Polícia Militar ajudou um pai a fazer o parto do próprio filho. O áudio da ligação foi divulgado três dias depois. É possível ouvir o pai e mãe da criança muito emocionados com o nascimento, enquanto a policial passa as orientações. O chamado para o serviço 190 foi registrado às 22h47. Na linha, o pai do bebê informa que sua mulher estava em trabalho de parto. Após receber orientações, o homem conseguiu realizar o procedimento --o bebê nasceu com saúde e foi levado por um carro policial até o hospital da região. Clique aqui para ouvir o diálogo

Vidas preservadas

Na manhã de 7 de abril deste ano, o sargento Márcio Alexandre Alves impediu uma tragédia ainda maior na Escola Municipal Tasso da Silveira, no Rio de Janeiro. Após ter atirado em dezenas de crianças, das quais 12 morreram, Wellington Menezes de Oliveira, que ainda tinha muita munição para continuar a chacina, foi baleado pelo policial. Ferido, o atirador cometeu suicídio. O policial disse que o filho dele, de 12 anos, telefonou chorando, assim que ouviu o pai na televisão no dia do massacre. Apesar de não ter agido para salvar um de seus filhos, o policial pode ser considerado um herói por ter impedido que muitos outros filhos morressem vítimas de Wellington. (Foto: Paula Giolito/Folhapress)

 

Topo