Comportamento

Conheça mulheres que, como Cameron Diaz, ficaram amigas de seus ex-namorados

AFP
Cameron Diaz e seu ex Justin Timberlake, durante estreia do filme "Professora Sem Classe" (20/6/11) imagem: AFP

HELOÍSA NORONHA

Colaboração para o UOL

Tida como uma das atrizes mais simpáticas de Hollywood, Cameron Diaz completa 39 anos na terça-feira (30). Em cartaz nos cinemas com o filme "Professora sem Classe", a atriz chama a atenção por dois motivos: o primeiro é o visual sexy da personagem. O segundo, a cena de sexo que protagoniza com o ator e cantor Justin Timberlake, com quem namorou na vida real por três anos e meio. Os dois continuam amigos e Cameron já disse, em entrevistas, que passado é passado, que prefere manter o foco no presente, para ter um futuro bacana. A atriz também é amiga de outros ex-namorados, como o ator Matt Dillon e o cantor John Mayer.

Especialistas afirmam que é possível transformar amor em amizade, mesmo que isso pareça pouco provável. "Quando há filhos, o contato entre os pais é inevitável. Mas a relação costuma assumir contornos mais cordiais do que de amizade", diz Mara Lúcia Madureira, psicóloga cognitivo-comportamental. Ela diz que mudar a condição de "casal" para "amigos" depende, em primeiro lugar, de nenhum dos dois ter esperança de reatar. O segundo fator é a maturidade emocional, para que ambos aceitem o fim, sem ressentimento, raiva, mágoa, alienação, culpa, ciúme, possessividade, atração ou amor romântico.

Quem consegue seguir com a amizade constrói uma relação madura de carinho. "Como ambos se conhecem bastante, podem conversar, inclusive, sobre os novos relacionamentos. Podem avaliar os erros cometidos na própria relação e, com isso, evitar que se repitam no futuro", explica a psicóloga Raquel Marques. Mas, em geral, amizade entre ex-casais é vista com desconfiança –as pessoas costumam achar que um dos dois usa a proximidade para tentar uma reconquista. Se ambos já encontraram outros parceiros, piorou. Para Raquel, a sinceridade é essencial nesses casos, tanto para o ex-casal (e atuais amigos) como para os novos parceiros.

"É comum que os novos namorados fiquem com ciúme, mas quando as relações são maduras, baseadas em clareza e confiança, não há motivo para transtornos”, diz Raquel. Já a terapeuta familiar Maria Luiza Cruvinel avisa que muita gente tem a tendência de estereotipar amizade com ex como traição. "É preciso ser firme e fazer o que se tem vontade. Se quer manter uma amizade, lute por isso. Se o namorado atual gostar mesmo de você, continuará a nutrir esse sentimento, mesmo que não aprove, de cara, determinadas escolhas suas”, diz.

Uma amizade equilibrada, com esse grau de intimidade e confidências, não acontecerá um dia logo após o término. É fundamental viver um período de luto após o rompimento. "As pessoas devem passar um tempo sozinhas e elaborarem a perda", diz Maria Luiza Cruvinel. Nessa fase, os ex-parceiros podem conhecer melhor a si mesmos e superar eventuais mágoas. "Esse tempo é necessário para que a atração e o sentimento de posse, naturais nos relacionamentos, deem lugar a outros sentimentos, como a amizade", afirma a terapeuta.
 

Topo