Comportamento

Dos religiosos aos de aventuras sexuais, sites de encontros atingem gostos variados; veja opções

BÁRBARA STEFANELLI

Da Redação

Com cada vez mais adeptos, os sites de encontros estão encurtando ainda mais a procura pelo par ideal. Além dos sites generalistas, onde se cadastram vários tipos de pessoas em busca de um par, nascem, frequentemente, as redes para públicos específicos: católicos, ricos, gays, bonitos, vegetarianos, amantes dos cavalos ou casados em busca de aventuras sexuais...

Com isso, mais uma etapa é pulada. Se antes era preciso flertar e, aos poucos, tentar uma aproximação para descobrir se havia interesses em comum com a paquera, com a internet, o caminho ficou mais curto. É possível encontrar pretendentes com os mesmos gostos e que dizem, de cara, o que procuram ali.

Alguns cuidados

Antes de combinar um encontro real, aproveite as conversas para certificar-se de que a pessoa transmite confiança. E sempre desconfie.
Se for encontrar um parceiro da internet, vá a lugares públicos.
Assim como na vida real, um membro do site pode dizer que quer conhecer o amor da sua vida, mas só quer sexo. Preste atenção no comportamento on-line do candidato, para ver se condiz com o que ele diz ser.
Lembre-se dos mesmos métodos e cuidados que toma na vida real quando conhece alguém. Não confie, de cara, na pessoa.
Tome cuidado para não revelar informações pessoais, como onde você mora e os lugares que frequenta.
Tenha certeza do tipo de perfil que procura para não se frustrar depois de conhecer.
Não fique apenas no mundo virtual e invista no contato ao vivo.
*Fonte: Psicóloga Ana Luiza Mano (NPPI)


Em agosto de 2010, segundo dados do Ibope Nielsen Online, 5,2 milhões de brasileiros navegaram por redes do tipo, no trabalho e em domicílios. O número é equivalente a 11,4% do total de internautas nesses dois ambientes, sendo que 61,5% dos interessados são homens e 38,5% são mulheres.

Quando viraram mania, no fim da década de 90, as páginas de encontros eram mais abrangentes e atendiam qualquer pessoa que estivesse interessada em encontrar alguém. No entanto, com a intenção de se destacar no mercado, além de facilitar a vida dos interessados, cada vez mais os sites de encontros afunilam o seu alcance.

Direto ao ponto

Segundo Ana Luiza Mano, psicóloga do Núcleo de Pesquisas da Psicologia em Informática da PUC (NPPI), esses tipos de páginas são benéficas para quem não tem tempo de sobra e prefere ser mais objetivo na hora da paquera. "Se o internauta quer encontrar alguém com tal perfil, entra no site e procura. Se der sorte, ainda acha várias pessoas do jeito que deseja", diz a especialista.

Para conhecer alguém da maneira convencional, como no café ou na rua, é preciso descobrir, aos poucos, como o outro é. "Já nos sites de encontros, os interessados agilizam o processo e vão logo onde desejam chegar".

Ana Luiza diz, porém, que, apesar das facilidades, o candidato tem de saber exatamente o que espera de alguém. "Às vezes, a pessoa acha que sabe o que quer em um parceiro. No entanto, por mais que acredite que quer um determinado perfil, ele pode não ser o ideal."

Topo