Relacionamento

Contrariando a crença popular, especialistas dizem que sexo não é o pilar das relações

HELOÍSA NORONHA

Colaboração para o UOL

  • Thinkstock

    Compreenda que o sexo do início da paixão não é o mesmo com a estabilização da relação

No início, as relações são mais quentes. Entretanto, é normal que, depois da fase da paixão, o casal estabeleça um ritmo e divida sua atenção com outras atividades, além do sexo. “Voltados para outros interesses, alguns têm a impressão de que os estímulos sexuais diminuem", diz o terapeuta sexual Oswaldo Martins Rodrigues Jr., diretor do Instituto Paulista de Sexualidade (Inpasex). O desejo pode diminuir, pois o relacionamento é tomado pelo conforto de que a pessoa estará ali, ao lado, quando a vontade de transar surgir.

De acordo com a terapeuta sexual Maria Luiza Cruvinel, de São Paulo, uma das crises previsíveis em qualquer relação que se torne estável é o “luto da paixão”. “Há um conflito entre diminuição do desejo sexual e o aumento da afeição, proximidade, companheirismo e ternura”, diz. O arrefecimento da paixão, na verdade, fortalece o vínculo afetivo.

A estabilidade permite a satisfação de outras necessidades, fora o sexo. “O sentimento de pertencer, o companheirismo e a segurança de ter alguém podem superar a necessidade sexual. Isso permite que o casal mantenha-se junto, indefinidamente”, explica Oswaldo Rodrigues, cuja opinião é a de que o prazer sexual não é suficiente para manter um casal unido. “Muitas pessoas que consideram ter uma vida sexual incrível tendem a se separar quando o cotidiano, a segurança e a confiança não existem ou não são buscados pelo  casal."

Para alguns especialistas, raros são os casais que não experimentam temporadas de sexo morno ou de abstinência. E um dos mitos mais destrutivos é o de que casais saudáveis emocionalmente têm uma vida sexual consistente. "Não é verdade que bons relacionamentos sejam sinônimo de sexo. Proximidade e desejo erótico não são a mesma coisa, ainda que interativas. A relação amorosa sexual com a mesma pessoa por um tempo prolongado pode levar à falta de estimulo. Alguns casais ficam tão próximos que a química entre eles é neutralizada”, explica Maria Luiza Cruvinel, que ressalta que, nem por isso, a relação se esvai.

Outras demandas
O sexo perde importância quando homens e mulheres passam a priorizar outras preocupações ou demandas. O nascimento do primeiro filho costuma ser uma prova de fogo, que leva à diminuição da valorização e do tempo disponível para transar. Mas não se transforma em uma relação de irmãos. Os casais contam com outros fatores que os mantêm juntos, como planos de vida e a manutenção da família. "Tais aspectos passam a ser mais importantes do que o sexo, muitas vezes”, diz Oswaldo Rodrigues.

Seguindo a mesma linha de raciocínio de Maria Luiza Cruvinel, Cristina Romualdo, coordenadora do Instituto Kaplan de tratamento terapêutico, em São Paulo, diz que é essencial considerar as diferentes fases do relacionamento conjugal. “Muitas vezes, o investimento em outros projetos do casal -filhos, bens materiais, carreira, viagens- tiram a energia da vida sexual, mas mantém a qualidade do relacionamento em alta, com muito prazer”, diz. “Assim que conquista seus objetivos, o casal volta a investir no sexo, de forma diferente, mas satisfatória.”

Ainda segundo Cristina, um erro comum é achar possível retomar o sexo vivido no início da paixão. “Os casais precisam, juntos, desenvolver outras formas de interação sexual, aprender a inovar”, diz. Além disso, devem saber como lidar com o excesso de compromissos, profissionais e sociais, as infindáveis cobranças, o estresse e a ansiedade -característicos da vida atual e grandes vilões do divertimento, lazer e prazer.

Mitos do sexo

A terapeuta Maria Luiza Cruvinel diz que a sociedade compra erroneamente a ideia de que o sexo bom deve surgir de um impulso ou inclinação natural. “É o mito da espontaneidade”. A qualidade é fruto de investimento contínuo, mesmo para quem, na frente dos outros, vive como um casal de namorados apaixonado. Há casais que investem mais energia no relacionamento sexual. Outros, porém, encontram na cumplicidade e no companheirismo o principal combustível para manter a vida a dois. Mas em todos os relacionamentos o sexo perde muito da energia do início, o que não significa dizer que deixa de ser prazeroso e importante. Os casais que veem no sexo um essencial fator de união sofrem quando a energia sexual arrefece –arranhando uma convivência sadia. O segredo é buscar novas maneiras de se relacionar, inclusive sexualmente.


Se a falta de sexo te faz infeliz
Cada casal encontra um jeito próprio de se relacionar, e não há nada de errado em sublimar uma vida sexual desestimulante se acharem o bom convívio e a cumplicidade suficientes. No entanto, se a ausência de sexo é reflexo do desinteresse pelo outro ou a nova rotina sexual não faz o casal (um dos dois ou os dois) feliz, há um problema.

Há especialistas que defendem que o sexo ruim pode, sim, degringolar a mais saudável das relações amorosas, principalmente quando é resultado de uma vida a dois frustrante. “O beijo é um bom termômetro. Quando o casal deixa de dar um bom beijo, a relação já era”, diz a terapeuta sexual Carla Cecarello, de São Paulo. Outros sinais: abandonar as carícias e carinhos ao longo do dia e se a intimidade, quando há, é somente para o sexo. Aí, a relação vai mal.

Algumas pessoas nem percebem que o relacionamento está estagnado por causa do sexo, na opinião de Carla. São casais que vivem bem, não brigam, mas na cama agem sempre do mesmo jeito. “Ficam acomodados". É bom lembrar que o sexo envolve muito mais do que o ato. Uma vida sexual feliz inclui beijo na boca, vontade de despertar o desejo um no outro e troca de afetos fora da cama.

Há homens e mulheres que só percebem a crise diante de um comentário de alguém ou com indícios de uma traição. Segundo Maria Luiza Cruvinel, erotismo em casa exige envolvimento e atenção. “Queixar-se do tédio sexual é fácil e convencional. Alimentar o erotismo no lar é um ato de desafio declarado. Casais eróticos compartilham uma habilidade especial: são capazes de se adaptar a novos desafios, são versáteis e criativos. Esses casais fazem o sexo acontecer."
 

Topo