Comportamento

Saiba quais são os passos para mudar de carreira e conheça histórias de quem conseguiu

Regina de Grammont/UOL
Fotógrafa Luciana de Francesco, 50 anos, ficou oito meses sem trabalho e decidiu virar designer de joias imagem: Regina de Grammont/UOL

Márcia Pereira

Do UOL, em São Paulo

Seja por opção ou necessidade, muitos profissionais decidem dar um novo rumo a suas carreiras. A mudança de área ou, mais ousada, de profissão, pode parecer loucura para muita gente, principalmente, quando já se tem um emprego consolidado. No entanto, esse movimento é cada vez mais comum.

A fotógrafa Luciana de Francesco, 50 anos, ficou oito meses sem trabalho em 2010. Como tinha uma reserva de dinheiro, conseguiu passar pelo período de desemprego, mesmo tendo de sustentar a família. Em pouco tempo, a falta de perspectiva e de atividade começou a incomodar Luciana, que logo tentou arranjar uma nova ocupação.

"O que mais me afetava era ficar sem fazer nada, sem ter utilidade profissional", conta. Foi, então, que ela decidiu fazer um curso de designer de joias. "Meu irmão mora na França há dez anos, comercializando bijuterias de prata, que ele garimpa na Tailândia. Foi quando eu pensei em viver das peças que eu mesma poderia criar."

Como na época as finanças não iam bem para Luciana, ela resolveu fazer uma troca de favores com o professor do curso. "Eu pagava as aulas fotografando o portfólio dele, as peças que ele criava, os alunos durante as aulas, para a divulgação do curso", conta ela, que nunca tinha feito uma joia na vida e agora comercializa suas criações em um site.

  • Regina de Grammont/UOL

    Luciana fotografou o portfólio de seu professor
    para pagar o curso de designer de joias

 

Apesar de, eventualmente, fazer trabalhos como fotógrafa --principalmente, para divulgar suas próprias peças--, Luciana pretende conseguir se sustentar apenas com a atividade de designer em breve. "Hoje, vendo os meus anéis e colares de prata e as peças compradas por meu irmão na Ásia", conta.

Mudança total
O médico João Roberto Pereira Silva se estabeleceu em Ribeirão Preto (SP), após se especializar em cirurgia do coração e pulmão nos Estados Unidos. Ele tornou-se uma referência na cidade e também passou a dar aulas. Na década de 1980, tirou um período sabático de três meses em Natal (RN).

Como sempre gostou de cozinhar, se ofereceu para trabalhar em um bar da cidade, para adquirir experiência em uma cozinha comercial. Gourmet e enólogo autodidata, em 1984, desiludido com a profissão, João Roberto jogou o estetoscópio para o alto e decidiu encostar a barriga no fogão.

Com o apoio da mulher, o médico deixou de operar e, na época, abriu um pequeno restaurante de culinária francesa em Ribeirão Preto. O local tinha apenas 18 mesas e só atendia com reservas. Em 1997, o ex-cirurgião foi eleito chef do ano pelo "Guia Quatro Rodas".

"Em 2010, após 27 anos, encerrei as minhas atividades como ‘restaurateur’", conta João Roberto, que, aos 70 anos, já iniciou uma nova etapa profissional. "Agora, presto consultoria para restaurantes, escrevo e dou aulas sobre vinho e vou começar um curso sobre como fotografar refeições", afirma ele, que também produz ervas orgânicas e é autor do livro "Uvas e Vinhos - O Prazer da Descoberta" (Editora Nova Conceito).

Traçando planos
Voltadas para as pessoas que desejam se encontrar profissionalmente, muitas empresas se lançaram ao mercado, principalmente nos Estados Unidos, com o objetivo de ajudar nessa mudança. São as chamadas empresas de "coaching", que identificam habilidades de um profissional e traçam um plano para realçá-las e, assim, proporcionar uma tomada de decisão mais certeira.

"Essa onda de empresas que se dedicam ao 'coaching' está bem consolidada no mercado norte-americano e londrino, mas também chegou com força ao Brasil", afirma Ana Leme, diretora-geral do braço brasileiro da empresa de consultoria inglesa The Talent Business. "No 'coaching' são escalonadas várias ações, que podem ser tomadas simultaneamente, como se dedicar a um cursou ou conversar com profissionais da área almejada", explica a consultora. A seguir, veja os sete passos básicos para quem quer mudar de carreira:

Passo a passo da mudança*

1. Defina claramente o por quê da mudança. Essa é a chave do processo. Muitas vezes, uma transformação menos radical, como tentar uma nova função na mesma área, resolverá os seus problemas;

2. Investigue seu potencial para a nova carreira. Avalie o que te fez ter sucesso e o que te fez fracassar na antiga. Esse processo é difícil e, às vezes, requer a ajuda de um profissional para buscar o novo caminho;

3. Além de discutir a mudança com a família, fale com seus amigos sobre seus novos planos. Eles podem ajudar a clarear as suas ideias;

4. Procure cursos e palestras sobre a área que pretende seguir. Fique aberto ao aprendizado. É um momento de recomeçar;

5. Durante a transição, acione sua rede de contatos. Avise a todos que está mudando de área;

6. Tenha uma reserva financeira que mantenha seu nível de vida por pelo menos seis meses. Reveja seus gastos e economize no que puder. Nem sempre é possível manter o mesmo padrão durante a transição;

7. Tomada a decisão de mudar de profissão, mantenha o otimismo. Toda pessoa deve ser feliz em sua profissão --e deixar um trabalho que não te dá prazer é uma maneira de alcançar a felicidade.

*Fonte: Sílvia Magalhães, da empresa de coaching Adigo/SP

 

Topo