Comportamento

Se o que sobrou do Carnaval foi a ressaca moral, veja como amenizá-la

Dolores Orosco e Mariana Pastore

Do UOL, em São Paulo

Quem nunca acordou de uma bebedeira sem se lembrar do que tinha acontecido na noite anterior? O sentimento, eternizado pelo filme "Se Beber, Não Case", surge com frequência nas pessoas que gostam de festejar como se não houvesse amanhã. A volta do Carnaval pode trazer na bagagem muitas histórias engraçadas e, também, algum arrependimento, apagões e a inevitável ressaca moral.

De acordo com a psicóloga Cecília Zylberstajn, da PUC-SP, ela não aparece no momento, mas, sim, quando a pessoa passa a ter consciência do fato. Um jeito de lidar com isso é evitar entrar em um estado alterado pelo consumo de álcool em excesso, por exemplo.

Na maioria dos filmes, a ressaca moral é retratada em comédias, mas, na vida real, ela não é tão engraçada assim --ao menos para quem a vivencia. A publicitária Maria Luiza*, 29, trabalhava em uma agência há menos de três meses quando, em uma festa de Carnaval do trabalho, bebeu todas e "ficou" com o chefe. No dia seguinte, para piorar sua ressaca, ela disse que chegou ao escritório e tentou evitá-lo, até perceber que tinha esquecido a carteira no carro dele. "Tive de enfrentá-lo com a maior cara de tacho", recorda-se.

Segundo o psiquiatra e blogueiro do UOL Roberto Shinyashiki, autor dos livros "Sucesso É Ser Feliz" e "Problemas? Oba!” (ambos publicados pela Editora Gente), depois de uma bebedeira daquelas, quando não se tem consciência plena de qual foi a gravidade do seu vexame, a primeira coisa a se fazer é ligar para um amigo que estava sóbrio. “Essa pessoa de confiança lhe dará a real dimensão do que aconteceu. Muitas vezes, a ressaca pode confundir a memória. Você pode achar que fez algo muito mais grave do que realmente ocorreu. Ou o contrário”, explica o especialista.

Para se recuperar da ressaca moral, a publicitária conversou com uma amiga e as duas deram boas risadas. “No final, foi tão vergonhoso que se tornou engraçado. Mas não foi fácil". E ela dá uma dica para quem se encontra em uma situação parecida: "Pense que todo mundo já passou ou passará por isso um dia. E você ainda terá uma boa história para contar."

Ressaca viral

  • Reprodução

    Sergio Hondjakoff, durante a entrevista que virou sucesso na internet


A repercussão das bebedeiras também pode ser potencializada em casos de registro e a internet se tornar a responsável por sua ressaca moral.

Em um vídeo publicado em 2006, o ator Sergio Hondjakoff, 27, então na novela juvenil "Malhação", da Rede Globo, aparece sendo entrevistado em uma festa em Brasília e acabou falando mais do que deveria. Ao UOL, o ator conta que estava "relaxado" e que não imaginava que o vídeo ganharia tamanha proporção.

“Foi uma brincadeira que eu fiz, sem pensar na hora, mas repercutiu tanto que eu tenho medo de ser criticado de novo. Dei uma entrevista e aproveitei para fazer uma coisa engraçada. As pessoas generalizaram muito, acharam que eu era maluco depois que viram o vídeo”, diz Hondjakoff.

O lado positivo da culpa
A psicóloga Cecília Zylberstajn diz que o autoconhecimento é essencial para não sofrer com os arrependimentos. "Sempre que você faz uma coisa da qual se arrepende, não é algo que pensou ali, na hora. Muitas vezes, já queria ter feito e postergou. Por isso, o autoconhecimento é tão importante. Quanto mais você se conhece, menos se surpreenderá consigo mesmo", afirma.

Cecília diz, também, que a culpa tem um aspecto positivo: "Quando a gente se sente culpado por alguma coisa, o que pode resolver é reparar o erro. E a culpa é boa. Quem não a sente são os psicopatas. Não ter ressaca moral é que seria um problema. A culpa dá limites. Isso é importante para a sociedade”, explica.

*O nome foi trocado a pedido da entrevistada.

Topo