Relacionamento

Fórmula calcula a chance de casamentos entre celebridades darem certo

John Tierney

Do New York Times, em Nova York

Em 2006, o New York Times analisou um dos grandes mistérios não resolvidos da ciência social: quanto tempo exatamente um casamento entre celebridades demora a ir pelos ares? Baseando-se na perícia estatística de Garth Sundem e na minha extensa pesquisa da literatura disponível nas filas dos caixas de supermercado, publicamos uma equação no jornal, prevendo a probabilidade de duração dos casamentos entre celebridades.

Entre as variáveis da equação, há a fama relativa do marido e da mulher, as idades, quanto tempo namoraram, a história conjugal e o fator do símbolo sexua l--determinado ao analisar os cinco primeiros resultados que aparecem quando buscamos o nome da mulher no Google e ao contarmos em quantos deles ela aparece vestida em trajes curtos ou sem traje algum.

Agora, com dados acumulados ao longo de mais de cinco anos, dispomos de um suporte empírico sólido para sustentar a Teoria unificada Sundem/Tierney das celebridades. A equação de 2006 previu corretamente a ruína do casamento de Demi Moore e Ashton Kutcher, Pamela Anderson e Kid Rock e Britney Spears e Kevin Federline. O estudo também previu que Will Smith e Jada Pinkett, provavelmente, não chegariam ao 15º aniversário, em dezembro de 2012; até agora, eles ainda estão casados, mas as colunas de fofocas estão repletas de notícias acerca de uma separação iminente.

Por mais impressionantes que sejam esses resultados, acreditamos que outros progressos científicos ainda são possíveis. Nós refinamos a equação com base em dados recentes, bem como à luz da pesquisa conduzida por Sundem em seu novo livro, "Brain Trust: 93 Top Scientists Reveal Lab-Tested Secrets to Surfing, Dating, Dieting, Gambling, Growing Man-Eating Plants, and More!"("Fundo de cérebros: 93 cientistas de renome revelam segredos testados em laboratório para surfar, namorar, fazer dieta, apostar, cultivar plantas carnívoras e muito mais!", em tradução livre).

Relevância dos tabloides
Embora a equação de 2006 tenha feito um bom trabalho no geral, ao identificar quais casais tinham maior probabilidade de se divorciarem, algumas das previsões específicas se mostraram demasiado pessimistas. Como Demi era extremamente famosa --e muito mais famosa que Ashton-- demos ao casamento a chance de sobreviver a um ano, mas eles só se separaram em 2011. Também estimamos um prazo curto quanto a Tom Cruise e Katie Holmes, por causa da fama e dos dois casamentos fracassados dele, e da diferença de idade entre os dois, mas eles ainda estão juntos.

O que deu certo com eles e o que deu de errado com a nossa equação? Sundem já analisou os números e descobriu uma maneira melhor de avaliar os efeitos tóxicos da celebridade. Enquanto a equação anterior media a fama contando os milhões de acessos do Google, a nova equação usa uma proporção de duas outras medidas: o número de menções no jornal New York Times, dividido pelo número de menções no jornal National Enquirer.

"Essa é uma melhoria importante da equação", diz Sundem. "Acontece que o total de fama não importa tanto quanto o sabor da fama. É a fama nos tabloides que traz a ruína. Claro, a Katie Holmes tinha cerca de 160 ocorrências no National Enquirer, mas teve mais que o dobro no New York Times. Uma alta proporção entre as ocorrências de ambos os jornais também explica por que Chelsea Clinton e Kate Middleton têm mais chances do que as irmãs Kardashian."

A nova equação ainda tem menos variáveis do que a antiga. Além da fama da mulher nos tabloides, as variáveis cruciais são a combinação da idade dos cônjuges (casais mais jovens se divorciam mais cedo), a duração do namoro (quanto mais rápido se casam, mais rápido se separam), e o fator do símbolo sexual (definido formalmente como o número de resultados no Google que mostram a mulher em roupas projetadas para provocar intenções libidinosas").

Sensualidade da mulher
Por que é perigoso a mulher ter uma imagem sexy? E por que as suas variáveis --imagem e fama nos tabloides-- importam muito mais do que as do marido? "É possível explicar isso de duas maneiras", diz Sundem. "Ou o cara é incapaz de indicar o destino do casamento ou ele é um enigma, indefinível por números. Eu acredito que a segunda alternativa procede".

Mas a explicação anterior parece mais plausível para os especialistas consultados, como John G. Holmes, psicólogo da Universidade de Waterloo, em Ontário, que estuda relacionamentos. "As mulheres são responsáveis pela decisão de 70% dos rompimentos, então talvez seja por isso que a personalidade e imagem delas ajudem mais a prevê-los", diz ele.

David M. Buss, que analisou estratégias de sedução em todo o mundo no livro "A Evolução do Desejo" e "Por que as Mulheres Fazem Sexo", sugere várias razões pelas quais a imagem sexy da mulher e a sua fama nos tabloides estão relacionadas a problemas.


"Pesquisas documentaram que as mulheres que vestem trajes minúsculos ou provocantes sexualmente tendem a ser mais narcísicas", diz Buss, psicólogo da Universidade do Texas. "Minha pesquisa sobre casais revelou que o traço do narcisismo prevê uma maior probabilidade de ocorrência de infidelidade sexual. Aqueles que são muito narcísicos se sentem no direito de ter relações sexuais com outras pessoas. Além disso, oscilam entre sentimentos de grandiosidade e inutilidade, e a atenção sexual os ajuda a exacerbarem a autoestima."

Infidelidade
A infidelidade sexual também é uma excelente estratégia para que uma celebridade narcísica chame a atenção dos tabloides. E por mais que os tabloides fiquem felizes ao irem atrás de infiéis de ambos os sexos, David M. Buss diz que a pesquisa sobre a longevidade do casamento mostra que existe ainda um duplo padrão: "é estatisticamente mais provável que a infidelidade sexual das mulheres conduza à separação conjugal do que a infidelidade sexual dos homens."

Claro, a correlação não significa causalidade, diz Betsey Stevenson, economista da Universidade da Pensilvânia que estudou a longevidade conjugal. "Sabemos que as pessoas que se casam jovens têm uma chance muito maior de se divorciarem", diz Stevenson. "Mas o que é muito mais difícil de saber se há tipos de pessoas que se casam jovens e são mais propensas ao divórcio, ou se o fato dessas pessoas terem se casado jovens na verdade faz com que o casamento fique mais propenso ao divórcio."

De qualquer maneira, ainda é possível usar essas variáveis para fazer previsões. A boa notícia é que, em grande parte graças aos seus namoros longos, alguns casais de celebridades têm grande chance de durarem pelo menos 15 anos: Kate e o príncipe William, Calista Flockhart e Harrison Ford, Chelsea Clinton e Marc Mezvinsky e Beyoncé Knowles e Jay-Z.

Muitos outros casais são suscetíveis a se divorciarem entre o quinto e o 15º aniversário de casamento (incluindo Cruise e Katie, agora no sexto ano de casamento), mas alguns não estão propensos a ficarem juntos por tanto tempo assim. Depois de analisar os números, Sundem tinha um conselho para Jessica Simpson e Britney Spears: que elas evitem se casar tão cedo. E ele não vê muita esperança a longo prazo para uma certa irmã Kardashian, casada com um astro de basquete profissional.

"Eu já calculei as chances de Khloe Kardashian e Lamar Odom celebrarem bodas de ouro", ele diz: "mesmo que eu estenda a probabilidade até quinze casas decimais, ela ainda é nula".

Topo