Sexo

8 tabus sexuais que você deve esquecer para ter mais prazer

Lumi Mae/UOL
Libertar-se de preconceitos em levar homens e mulheres a experiências sexuais jamais imaginadas imagem: Lumi Mae/UOL

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

Sexo ainda é um assunto cercado de preconceitos, medos e ansiedade. Quando alguém decide encarar alguns tabus, porém, ganha autoconhecimento: ao desvendar o desconhecido, a pessoa pode, finalmente, saber se aquilo é bom para ela ou não, se gostou ou detestou determinada experiência. Para te ajudar, especialistas listaram dez tabus comuns e deram dicas sobre como quebrá-los para ter uma vida sexual mais prazerosa. Confira:

Anal

Muitas mulheres sonham em experimentar, mas não o fazem, principalmente, por temer a dor. "Quando praticado da maneira correta, sexo anal não dói", afirma a ex-garota de programa e escritora Vanessa de Oliveira, que recomenda a posição de lado com as pernas flexionadas para as iniciantes.
A ansiedade dificulta o relaxamento e a tensão causa dor. O ideal é apostar antes nas preliminares –não só nas carícias locais, mas pelo corpo todo, para que a mulher fique bem à vontade. Só a penetração, porém, não garante o orgasmo: para alcançar o clímax, o parceiro precisa também estimular o clitóris. A excitação provocada pela posição ainda contribui –e muito– para o prazer. Para saber mais detalhes sobre sexo anal, clique aqui.

Cheiro e sabor

Numa de suas citações mais famosas, o cineasta Woody Allen brinca que sexo bom é sexo sujo, aludindo aos fluidos corporais. Muitas mulheres não conseguem relaxar na hora da transa, principalmente durante o sexo oral, com receio de que seus órgãos genitais apresentem mau cheiro ou um gosto esquisito. Alguns tipos de infecção (esses casos precisam ser tratados) e determinados alimentos de fato podem causar alterações nos fluidos vaginais, mas, de modo geral, são poucos os sujeitos que se incomodam com o aroma e o sabor femininos. "Várias garotas se preocupam em manter a vagina sem odor nenhum, mas o sexo oposto aprecia o cheiro característico de uma mulher quando esta está com o pH normal. Eles os excitam", diz Vanessa de Oliveira.

Orgasmo feminino

Um dos mitos mais comuns em relação ao sexo, segundo o terapeuta Oswaldo Martins Rodrigues Jr., do Instituto Paulista de Sexualidade, é a de que o gozo feminino deve ser bombástico, extremo, intenso, avassalador. "Se uma mulher experimenta sensações que estão aquém do que acredita ser orgasmo, ela já desclassifica esta sensação e não a nomeia de orgasmo", afirma. Como segue a acreditar que ainda não vivenciou o clímax sexual, a mulher reforça sua performance como sendo negativa, o que conduz a novos episódios ruins e de desvalorização do prazer. Vale lembrar que o tremor, o calor e a sensação de relaxamento que caracterizam o orgasmo feminino variam não só de mulher para mulher como de experiência para experiência.

Carícias no ânus

Segundo a sexóloga Isabel Cabral Delgado, ainda são muitos os preconceitos em relação ao ânus como zona erógena. "No caso dos homens heterossexuais, há o medo de esse comportamento ser considerado homossexual pela parceira e, às vezes, até por ele mesmo. No caso das mulheres, há o receio de que essa carícia funcione como uma preliminar para a penetração anal, que nem sempre é desejada ou permitida", diz a especialista. Deixar os temores para fora do quarto, porém, pode ser uma garantia de um enorme deleite. "Estímulos nessa região podem proporcionar muito prazer, visto que é muito inervada e com grande concentração sanguínea", explica a terapeuta sexual Carla Cecarello.

Brinquedos

Apesar do mercado de sex shops não parar de crescer e inovar, muita gente ainda tem vergonha ou resistência em aderir aos implementos sexuais. "O moralismo ainda existe. não são raras as pessoas com tendência a romantizar o sexo e a negar qualquer coisa que dê um aspecto mais erotizado a ele", diz a terapeuta sexual Arlete Gavranic, do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática. Ela conta que os medos, em se tratando de brinquedinhos, são diferentes para mulheres e homens: "Elas receiam ser vistas como promíscuas. Eles pensam imediatamente em vibradores realísticos, os quais encaram como rivais, e temem ser penetrados pelos acessórios. E, claro, temem gostar".

Para a sexóloga Isabel Delgado, quem aposta nesse tipo de aditivo só tem a ganhar. "Esses objetos precisam ser encarados como brinquedos de adulto, pois servem para tornar as práticas sexuais mais divertidas e picantes", declara. Para quem deseja romper com esse tabu, a terapeuta Arlete Gavranic sugere começar com produtos fofos, como calcinhas vibratórias, massageadores pequenos, anéis penianos com desenhos de bichinhos etc. Aos poucos, novos acessórios podem ser incorporados. Veja no quadro ao lado sugestões de brinquedos eróticos.

Masturbação e voyeurismo

Por questões culturais, é mais fácil para um homem se masturbar diante de uma mulher do que o contrário. Entretanto, é muito mais excitante para um homem ver uma mulher se masturbando do que o contrário, já que o sexo masculino é mais sensível ao estímulo visual. "Apesar disso, alguns sujeitos mais inseguros se sentem ‘ameaçados’ pela capacidade feminina de se dar prazer sem a participação deles", diz Isabel Delgado. Outro fator que contribui para que a experiência seja um tabu é que muitos casais não têm intimidade suficiente para compartilhar essa prática. "A masturbação diante do outro apresenta como principal característica a vergonha. Masturbar-se na frente do outro implica em desprendimento, total segurança com o próprio corpo e não se importar com a opinião alheia. É preocupar-se apenas consigo mesmo", explica Carla Cecarello. Deixar a timidez de lado, no entanto, não só pode aumentar a cumplicidade entre os dois como melhorar a vida sexual, posto que aprenderão muito sobre como proporcionar mais prazer um ao outro.

A três

Para Patricia Pelegrina Rosseto, psicóloga e psicoterapeuta com enfoque na sexualidade, trata-se de uma configuração de relação muito diferente da esperada socialmente, o que não deixa de ser excitante para muitas pessoas, e também algo que reside na fantasia de um grande número de casais.
"Porém, muitos temem revelar suas fantasias acreditando que estas terão um impacto negativo no parceiro ou parceira, e atrapalhar a relação", diz a especialista, que recomenda sempre abrir o jogo. "A expressão da fantasia é um importante passo para superar os tabus sexuais. Poder conversar sobre isso pode trazer muita excitação, mesmo que tudo aquilo que foi imaginado não seja literalmente realizado, mas adaptado ao gosto e às necessidades do casal", completa. Patricia Rosseto avisa que o sexo a três ou qualquer variação sexual sempre deve ser realizada com o consentimento dos participantes. E sua realização deve ser antecedida de uma preparação, fato que vai colaborar para que a vivencia seja algo excitante e proporcione o prazer esperado.

Forma física

Homens e mulheres estão cada vez mais obcecados pela forma física. Para a terapeuta sexual Arlete Gavranic, esses pré-requisitos acabam gerando tensão, medo, vergonha, ansiedade e muita frustração, porque pessoas muito críticas e inseguras ficam na defensiva. Esquecem-se, portanto, de valorizar seus pontos fortes, seus melhores atributos, que vão da inteligência, do senso de humor e do bom papo, para os homens, à pele macia e aos cabelos bonitos, para as mulheres. Na cama, em vez de apelarem para o velho truque de apagar a luz ou ficar na penumbra, podem muito bem estimular os sentidos com perfumes, preservativos com sabores, géis de massagem. "E forma física em dia, é bom lembrar, nem sempre é sinônimo de boa performance sexual. O que conta é a autoestima e a autoconfiança", diz Arlete. Leia também: Não deixe que os quilinhos extras atrapalhem sua vida sexual.

 

Topo