Relacionamento

Saiba como não pagar mico com o manual básico de elegância pós-separação

Amorim/UOL
Na tentativa de provar que estão muito felizes, recém-separados podem transmitir a imagem oposta imagem: Amorim/UOL

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

Terminar uma relação é um dos acontecimentos mais dolorosos e extenuantes da vida. Sem saber como lidar com a dor –e o despeito, a raiva, o ciúme, a revolta– muita gente acaba adotando comportamentos imaturos. Alguns, na tentativa de mostrar que estão felizes, acabam perdendo a noção do ridículo e mostrando o quanto estão descompensados. Veja, a seguir, seis atitudes que servem de atestado de dor de cotovelo (e que todos deveriam evitar):

Querer mostrar que agora, sim, vai aproveitar a vida
Essa reação, típica de quem levou um fora e não o engoliu, só é admissível na adolescência. Pessoas adultas que se jogam na balada ou emendam um romance casual atrás do outro logo após uma separação só conseguem transmitir desespero e imaturidade. "Fica óbvio que a intenção é atingir o 'ex', ainda mais que todo divórcio requer um período de luto para elaborar a perda e se fortalecer para a nova fase", diz a psicóloga e terapeuta de casais Margareth dos Reis. "Há uma fase de querer ‘tirar o 'atraso’, mas creio que a medida seja fugir dos exageros", declara a consultora de etiqueta Ligia Marques. Pegar leve ajuda a não fazer papel ridículo –o que pode gerar arrependimentos futuros.

Reinventar-se de modo forçado
A sensação de fracasso pelo fim de um relacionamento dá, para algumas pessoas, a sensação de perda de tempo, de ter estagnado a própria vida. Por isso, é comum promover transformações que vão desde trocar os móveis da sala até modificar completamente o visual. O risco está em, como no exemplo anterior, tentar parecer uma coisa que não é e acabar virando uma caricatura de si mesmo. Muitas mulheres, nessa fase, acabam extrapolando no make, na tintura de cabelo e nas roupas para parecerem mais jovens, mas o resultado acaba surtindo o efeito contrário. Já os homens passam a se empenhar mais nos esportes e na malhação. Segundo as especialistas, mudanças sempre são válidas, desde que se avalie antes sobre os objetivos: mudar porque realmente deseja evoluir ou só para mostrar ao mundo que virou alguém melhor depois do divorcio?

Falar mal do(a) ex para todo mundo
Ok, abrir o coração e detonar o parceiro, com direito a alguns palavrões, é uma catarse. Porém, pode expressar não só ressentimento, como uma total incompetência para se relacionar. Se o ex era tão xucro, por que ficou com ele por tanto tempo? Se a parceira só sabia reclamar e não gostava de sair de casa, por que não terminou tudo antes que ela o fizesse? “Trazer à tona os defeitos do antigo par depois da separação é uma postura cômoda que só depõe contra si mesmo. Afinal, se você permaneceu por um tempo ao lado de uma pessoa péssima, é porque se identificava com ela, não é mesmo? Ao falar mal dela, está falando também de si”, afirma a terapeuta de casal Margareth dos Reis. Se quiser mesmo desabafar, faça isso somente com um único amigo, bem íntimo.

Desabafar sobre o término em redes sociais
Para a consultora de etiqueta Ligia Marques, assuntos tão pessoais não devem ser expostos ao mundo –nem em forma de indiretas ou piadinhas. “A ânsia de visibilidade leva à postagem de coisas inadequadas, que acabam prejudicando de forma bastante séria”, fala a expert. E ela se refere não somente à “vitima” dos posts raivosos: quem faz o desabafo exprime recalque e dor de cotovelo. “E pode até afastar boas oportunidades de um novo relacionamento”, diz Sandra Maia, consultora de comunicação e relacionamento humano. “Não há controle sobre a quantidade de gente que vai ler a mensagem e traçar uma opinião sobre quem a escreveu. Quem gostaria de se relacionar ou se envolver com alguém que não tem controle sobre as próprias emoções?”, diz. Limite-se a mudar o status de relacionamento -e só.

Contar segredos do(a) ex ou da relação até então não revelados
Além de ser um golpe baixo, que limita muito o respeito alheio, pode resultar numa espécie de tiro no próprio pé. “Uma relação não se constroi sozinha, e sim a dois. Se o relacionamento era doentio, frio, sem graça ou sufocante, isso aconteceu por responsabilidade dos dois”, conta Sandra Maia. “Para se valorizar, você não precisa destruir ou ridicularizar o outro. Dessa forma, automaticamente estará se comprometendo também. Revelar um segredo soa como uma espécie de coação: ‘ou você fica comigo, ou conto muito mais coisas’. Seguir esse caminho só fará com que outras pessoas se afastem de você, que não merece confiança”, declara a psicóloga Margareth dos Reis.

Topo