Sexo

Para especialistas, 'Cinquenta Tons' é sucesso pois protagonista personifica sonho feminino

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

As pilhas de exemplares em lugar de destaque nas livrarias, algumas com direito à presença de chicotes, máscaras e algemas para chamar ainda mais a atenção dos consumidores, não deixam dúvidas de que a trilogia "Cinquenta Tons de Cinza” é um fenômeno editorial. Nas redes sociais, as chamadas "Greyzetes", apelido das fãs do protagonista Christian Grey, comentam o tempo todo sobre as qualidades do milionário e suspiram, inconformadas, com a possibilidade remota de um dia serem tratadas como Anastasia Steele.

A curiosidade em saber o que há de tão interessante nas páginas dos livros de capa acinzentada tem levado cada vez mais os homens a se renderem ao romance erótico da britânica E L James. E essa excitação toda ainda vem fazendo a alegria dos donos de sex shops, que afirmam que as vendas aumentaram em suas lojas por causa do best-seller.

Especialistas em literatura, críticos e até leitores apaixonados afirmam que a trilogia é superficial, previsível, com personagens inverossímeis e, principalmente, mal escrita. Então, o que explica tamanho alvoroço? Para a escritora Noemi Jaffe, doutora em Literatura Brasileira pela USP (Universidade de São Paulo) e crítica do jornal Folha de S. Paulo, o sucesso da saga de E L James se deve justamente à fácil leitura. "Trata-se de uma historinha linear, sequencial, permeada por estereótipos amorosos e clichês dos tempos da fotonovela", declara.

Para ela, o enredo com pitadas de sadomasoquismo e erotismo dá o sabor que faltava ao enredo dos tradicionais livrinhos estilo água com açúcar, vendidos em bancas de jornais, como "Sabrina".
 
Na opinião da escritora, tradutora e ex-agente literária Celina Portocarrero, que recentemente organizou a antologia de poesias "Amar, Verbo Atemporal" (Editora Rocco), a humanidade, de um modo geral, está precisando de mais romance –na vida e como leitura. "E como as mulheres, em geral, consomem mais literatura, isso explica o furor do público feminino em torno da criação de E L James", diz.

O fato de a obra ser uma trilogia e de cada volume ter quase 400 páginas, ao contrário de espantar, atrai. "As mulheres não gostam de romances curtos, porque elas precisam de tempo para mergulhar na história e entrar no clima das situações", afirma Celina.



Segundo Noemi, outro fator que justifica o encantamento por "Cinquenta Tons de Cinza" (o nome do primeiro volume acabou batizando toda a trilogia) é Christian Grey. "O personagem masculino da história é muito cativante. Apesar de à primeira vista ele ser mostrado como um dominador, no decorrer da trama, ele leva o que Anastasia quer em consideração", explica.

"Ele preenche todos os sonhos que toda mulher tem desde a infância", diz Leonardo Berenger, professor de literatura inglesa e americana da faculdade de Letras da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro). Quem compartilha da mesma opinião é Mariana Teixeira, doutora em Literatura Comparada pela USP (Universidade de São Paulo), pesquisadora do Instituto de Estudos da Linguagem na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e especialista em literatura libertina.

"O conteúdo erótico de ‘Cinquenta Tons de Cinza’ contribui para a leitora ver em Christian Grey uma versão moderna do príncipe encantado. Afinal, mesmo os contos de fadas infantis têm uma carga erótica”, diz.
 
A mudança do parceiro através do amor é outro componente que desperta forte interesse. "Além de acreditar que essa mudança é possível na realidade, os leitores se deslumbram com a expectativa de que algo muito maravilhoso e importante pode acontecer em suas vidas, como o encontro amoroso entre Ana e Christian", afirma Leonardo, da PUC-RJ. Para ele, as cenas de sexo entre o casal atiçam o lado "voyeur" do público.


Livro levou homens às sex shops

  • Leandro Moraes/UOL

    Leia matéria sobre a mudança do mercado erótico


"As descrições, embora meio açucaradas, em especial as da lua de mel dos personagens, são detalhadas. O leitor se coloca na cama, na companhia dos dois”, explica ele, dizendo que, mesmo com toda a evolução sexual e comportamental da sociedade, o sadomasoquismo ainda é um tabu, o que desperta ainda mais fascínio.

"É cheio de clichês e situações previsíveis? Claro que sim. É uma fórmula pronta, banal. Mas não podemos deixar de admitir que é atraente, principalmente se quem a encara se sente espiando o buraco da fechadura", diz Leonardo. Assim como ele, Noemi Jaffe e Celina Portocarrero definem "Cinquenta Tons” como má literatura, mas não ignoram seus méritos.

"É melhor do que não ler nada”, diz Noemi. “Mesmo os livros ruins podem levar aos bons. Quando o leitor se apaixona por um romance erótico como esse, pode se interessar em conhecer outros e acabar encontrando autores com uma linguagem mais refinada", afirma Celina.
Topo