Relacionamento

Pesquisa diz que dinheiro é principal gerador de conflitos entre casais; veja como dividir despesas

Thinkstock
Especialista aconselha determinar um dia e horário fixos por semana ou por mês para tratar das finanças imagem: Thinkstock

Ciça Vallerio

Do UOL, em São Paulo

O peso do dinheiro na relação de um casal é grande. Como falar sobre o tema costuma causar desentendimentos e estresse, muitos evitam esse tipo de papo. E, quando ele surge, é por causa de gastos excessivos, endividamento e outros problemas nas contas familiares. Segundo os especialistas em finanças, esse é o grande erro. "Na maioria das vezes, orçamento e planejamento não fazem parte das conversas corriqueiras dos casais", afirma Gustavo Cerbasi, autor do best-seller "Casais Inteligentes Enriquecem Juntos" (Editora Gente).

Segundo pesquisa divulgada em julho de 2012 e realizada pela psicóloga e professora da Universidade de Michigan (EUA), Terri Orbuch, o dinheiro é o principal motivador de conflitos entre os casais. A pesquisadora acompanhou 373 casais que estavam no primeiro ano de casamento e tinham entre 25 e 37 anos, e coletou periodicamente informações ao longo de 25 anos. Nesse estudo, 49% das pessoas divorciadas disseram que brigaram muito com seus parceiros por causa de perfis econômicos diferentes e de mentiras sobre os gastos. Outro motivo apontado era a tendência que os que ganham mais tinham de controlar o outro. Como consequência, seis em cada dez desses divorciados que começaram uma nova relação preferiram não juntar as finanças.

Na opinião do economista e consultor financeiro Marcos Silvestre, autor do livro “Investimentos à Prova de Crise” (Editora Lua de Papel), o dinheiro não separa casal nenhum, mas acentua outras divergências. "Por mais que se entendam, as pessoas têm valores, histórico familiar e entendimentos distintos sobre os significados do dinheiro. Equalizar essa dimensão da vida do casal requer tempo e energia”, diz.

A consultora financeira Elaine Toledo, autora de “Saiba Mais para Gastar Menos” (Editora Alaúde), observa que, sem a figura do provedor, do chefe de família que entra com o dinheiro, os casais jovens têm optado pelo individualismo financeiro, com contas separadas e divisão das despesas comuns. "Dessa maneira, eles não se preparam para compartilhar a vida a dois principalmente quando surgem problemas, como a perda do emprego”, diz Elaine. “Se cada um está de um lado, o que terá de arcar com as despesas até o outro se recolocar profissionalmente se sentirá explorado, esquecendo que uma relação não é só um negócio, mas que envolve sentimentos, carinho e respeito".

Os especialistas são unânimes em afirmar que o diálogo é a chave para evitar desentendimentos. Segundo a psicóloga Cleide M. Bartholi Guimarães, diante da diversidade de relações há também de se levar em consideração as várias formas de manejar o dinheiro a dois. "Não tem certo nem errado", diz ela. "O importante é cuidar da qualidade do relacionamento, priorizando a colaboração e a compreensão mútuas, facilitando a tomada de decisão conjunta combinada com afeto, respeito e consciência do significado do dinheiro para cada um".

Contas conjuntas ou individuais?

"Em um relacionamento não se divide, se soma", diz Cerbasi, defensor da conta conjunta. "Esse é um recurso estratégico, pois ao saber que todos estão contribuindo, fica mais fácil alcançar projetos mais rapidamente", afirma. O especialista aconselha separar 10% da renda para gastos pessoais a fim de que ambos possam usufruir do mesmo padrão de vida. Seria diferente se cada um mantivesse suas contas individuais e, enquanto um pode gastar mais porque ganha mais, o outro teria muitas restrições por ganhar menos. "Por isso é importante sentar para conversar sobre os gastos da família, do casal, do marido e da mulher separadamente, para que nenhum lado seja prejudicado".

Se os cônjuges sentem dificuldade em manter uma conta conjunta, a dica dos especialistas é optar pelas individuais desde que ambos façam uma conta só do casal, na qual cada um deposita por mês a quantidade acertada para pagar as contas familiares e reservar dinheiro para projetos comuns a médio e longo prazos.

Quem paga mais?

Para Marcos Silvestre, a decisão deve ser de comum acordo. "Um critério de partilha equilibrado funciona da seguinte forma: quem ganha um salário maior, depositará proporcionalmente uma quantia maior na conta conjunta, e quem tem um rendimento menor, fará um depósito proporcionalmente menor", diz ele. O importante é que, somando a quantia dos dois, os depósitos atinjam 100% do mínimo necessário para bancar os pagamentos mensais da família.

Silvestre dá um exemplo: se o salário líquido da mulher for de R$ 6 mil, o do marido, R$ 4 mil, e as despesas do casal chegam a R$ 8 mil; no início de cada mês ela depositará R$ 4.800,00 (60% de R$ 8 mil) na conta conjunta, e ele fará uma transferência de outros R$ 3.200,00 (40% de R$ 8 mil). Essa regra prosseguirá até que alguma das rendas mude ou se altere a soma dos gastos mensais. "Distribuir o ônus financeiro do casal desta forma é puro bom senso financeiro e costuma funcionar muito por ser prático. As sobras e despesas estritamente individuais de cada parceiro devem ser administradas na conta pessoal de cada um", explica.

 

E quando um gasta mais do que o outro?

Pior do que a diferença radical entre o modo de administrar o dinheiro do casal é quando quando um descobre que o outro está endividado. O golpe final é constatar que o seu nome também está sujo por causa do outro –responsabilidade que recai em uniões de comunhão universal de bens. "É o que se chama de infidelidade financeira. Dependendo da gravidade do caso, abala a relação tanto quanto a pulada de cerca, pois a confiança é colocada em risco", diz Elaine Toledo.

Nas situações em que falta controle financeiro de um dos cônjuges, ela aconselha uma conversa franca para consertar o orçamento sem destruir o relacionamento. "De forma amena, deixe as coisas claras para que a pessoa enxergue o limite de gastos, mostrando as consequências do endividamento na vida do casal", diz Elaine. "É importante que se aprenda a fazer boas escolhas por um objetivo comum. Quando se tem um ditador mandando, a outra pessoa tende a ignorar, mas ao mostrar as vantagens, todo mundo sabe que sai ganhando", diz.

Como definir as responsabilidades de cada um

Não são apenas as contas que precisam ser definidas entre o casal. "Saber quem ficará responsável pela burocracia financeira, como pagar as faturas, arquivar os documentos, controlar os bancos também entra na lista de responsabilidades", diz o economista Marcos Silvestre. Delegar a administração para aquele que é mais organizado é algo perfeitamente possível e até benéfico, desde que tudo seja sempre compartilhado.

Assim como os bens adquiridos juntos devem ser registrados em nome de ambos, aplicações financeiras do casal devem sempre ser feitas a partir da conta conjunta, para dar transparência e facilitar a eventual partilha em caso de separação. Para evitar desgastes durante os acertos do casal, Silvestre aconselha determinar um dia e horário fixo por semana ou por mês para tratar das finanças. 

Autoconhecimento

Como conseguir estabelecer um compromisso financeiro entre duas pessoas, com histórias e experiências de vida diferentes, especialmente no que se refere ao dinheiro? Para a psicóloga Cleide Guimarães, entender o modelo que se teve em casa com os pais e enxergar que o outro foi criado de forma diferente é o caminho para o casal saber administrar bem as finanças. “Quando essas diferenças são muito distintas, se não forem bem administradas podem gerar uma batalha", afirma.

Em seu livro "Até que o Dinheiro Nos Separe” (Editora Saraiva), Cleide lista uma série de questionamentos para instigar a reflexão do casal sobre a questão do dinheiro na sua vida conjugal. Aproveite um momento a dois para refletir sobre alguns deles:

- O que valorizamos em nossas vidas e em relação ao dinheiro?

- Concordamos em como gastar e não gastar o dinheiro?

- Sabemos de nossa posição financeira no banco e das contas a pagar?

- Tenho algum objetivo financeiro? E meu parceiro? Como nossas posições se relacionam?

- Qual é a minha situação financeira perante meu parceiro?

- Gostaria de mudar algo? Meu parceiro sabe que isso me incomoda? Deveríamos conversar sobre o assunto?

- Um recebe todo o dinheiro e paga todas as contas sem que o outro seja informado (ou queira se informar)?

- Um recebe todo o recurso, mas ajuda a preservar autonomia de uso e acesso ao dinheiro de quem não recebe?

- Mantemos a igualdade baseada no respeito às diferenças?

- Temos dificuldade para decidir o que é prioritário ao fazer compras?

- Experimentamos dificuldades quando percebemos que nossos estilos de gastar são diferentes?

- Tomamos decisões em conjunto ou separados? Temos nos beneficiado desse modo?

- Como conciliamos nossas diferenças entre gastos, poupança e tolerância a riscos? 

Topo