Relacionamento

Amor platônico traz sofrimento; saiba como sair da fantasia

Thinkstock
Comuns na adolescência, as paixões platônicas devem despertar atenção na fase adulta imagem: Thinkstock

Simone Cunha

Do UOL, em São Paulo

A advogada paulistana Mônica Maia, 48, alimentou uma paixão durante 13 anos por um rapaz que conheceu durante uma viagem de férias. Quando o sentimento surgiu, ela tinha apenas 15 anos. “Durante o curto intervalo de tempo em que convivemos nada foi dito ou consumado. Mas mantivemos contato por meio de cartas carregadas de romantismo, o suficiente para me fazer mergulhar de cabeça na fantasia”, diz.

Onde surgiu a expressão?

Do ponto de vista filosófico, o amor platônico não implica em sofrimento e resignação. O termo "platônico" deriva de "O Banquete", escrito por Platão no século IV a.C., obra em que o filósofo discorre sobre as diferentes maneiras de entender e praticar o amor.

 

Para José Cavalcante de Souza, professor aposentado da Faculdade de Letras da Universidade de São Paulo (USP) e autor da tradução brasileira de "O Banquete" (Coleção Os Pensadores), amor platônico é apenas um amor intelectual, e nada ter a ver com um sentimento não correspondido.

 

Segundo ele, provavelmente faltou compreensão na hora de interpretar a obra filosófica e a ideia original foi deteriorada. Para ele, amor platônico é apenas um amor que “quase todo mundo deve sentir em algum momento de sua vida”.

Depois disso, ele foi morar fora do país e só deu notícias após dois anos, quando enviou uma carta a Mônica. Quando o rapaz voltou ao Brasil, a advogada decidiu encarar a situação. “Cansei daquela indefinição, daquele jogo de sedução doentio de ambas as partes, porque não conseguíamos nos desvencilhar desse vício que se arrastava por tantos anos”, diz ela. A esperada primeira vez do casal não foi tão parecida com aquelas de novela. “Foi apenas um protocolo que devia ser cumprido para fechar um ciclo. Sem a ilusão, enxerguei que meu príncipe era um sapo. Aquela beleza que me hipnotizava escondia uma pessoa vazia, sem encantos”, afirma. 

Os amores platônicos são comuns na adolescência e fazem parte do processo de formação, segundo o psiquiatra Raphael Boechat, professor na área de psiquiatria da Universidade de Brasília (UnB). Mas o quadro deve despertar atenção se a pessoa chegar à fase adulta cultivando paixões não reais, pois isso pode trazer prejuízos e sofrimento. 

Segundo Boechat, há alguns tipos de pessoas que são mais propensas ao amor platônico. “Pessoas com dificuldade de se relacionar, que vivem mais isoladas, têm excesso de timidez e baixa autoestima, por exemplo, podem sofrer mais de amores secretos”. 

Convicção do amor alheio

O empresário santista Felipe Oliveira, 25, tem a certeza de que uma amiga de faculdade é a mulher da sua vida. Há sete anos, o rapaz é apaixonado pela amiga, que sabe sobre o amor, mas não lhe corresponde. “Estou me guardando [sexualmente] para ela. No fundo, acho que ela gosta de mim e por algum motivo ainda não decidiu me dar uma chance”, afirma. Além de nunca ter dito que Felipe teria chances, a amada mora em outra cidade e pouco fala com o rapaz. “Pode ser que chegue um momento em que resolva dar um basta, mas também pode ser para sempre”, diz.

Para o psicanalista Christian Ingo Lenz Dunker, professor livre docente do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), há platônicos incuráveis, que passam a vida tentando encontrar aquilo que eles têm apenas no plano das ideias. “O amor é estruturalmente constituído por enganos, descobertas, revelações e reconciliações. Ele é uma história, e não apenas um sentimento fixo que temos dentro de nós mesmos”, afirma Dunker.

Você já teve uma paixão platônica?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Segundo Dunker, existe um quadro patológico denominado erotomania, na qual a pessoa tem a convicção inabalável de que o outro a ama, mas não pode revelar seus verdadeiros sentimentos. “É uma forma de negar o ‘real do desencontro amoroso’”, diz o psicanalista. 

Como sair da fantasia

Para a psicóloga Denise Gimenez Ramos, professora titular na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), não vale a pena perder tanto tempo sem se relacionar direito com alguém. “Cultivar um amor platônico é viver em um mundo de fantasia. A pessoa imagina o que quer. No universo de faz de conta, a pessoa não sofre, mas também não vive. Ou seja, não aproveita a relação a dois”, diz Denise.

De acordo com a psicóloga, a psicoterapia é o melhor caminho para resolver o problema, independente de sua origem. “Sempre é possível uma transformação. O que não pode é se apaixonar pelo irreal”, afirma. A advogada Mônica (aquela que passou 13 anos apaixonada platonicamente por um rapaz) recorreu à terapia para conseguir driblar esse sentimento. “Foi o que me deu coragem para desatar o nó que me prendia ao passado”, diz. 

Topo