Equilíbrio

Procrastinação pode ser produtiva; conheça estratégias

Ron Barrett/The New York Times
Psicólogos sugerem que a procrastinação, se bem estruturada, pode trazer benefícios imagem: Ron Barrett/The New York Times

John Tierney

New York Times News Service

Nos últimos cinco anos --ou talvez até mesmo nos últimos dez-- fiquei pensando em publicar uma coluna de Ano Novo com uma resolução ousada para o ano que se inicia: "O poder da procrastinação positiva".

Bem, ainda estamos bem no início do ano e podemos tocar nesse assunto --especialmente se você ainda não pensou nas suas resoluções para 2013. Sim, você pode parar de se sentir culpado por procrastinar. Agora há argumentos científicos que confirmam isso.

Pesquisadores identificaram de modo independente o fenômeno da procrastinação positiva, embora não haja consenso quanto a essa denominação. "Procrastinação estruturada" é o termo preferido por John Perry, filósofo da Universidade de Stanford que publicou um livro sobre o tema no ano passado. É certo que não se trata de um livro longo (92 páginas com pouco texto), mas ele merece crédito: ele o escreveu, e apenas 17 anos depois de ter identificado o conceito.

Perry sentia raiva de si próprio porque procrastinava, o que é algo típico. Até que lhe ocorreu, em 1995, que ele não era totalmente preguiçoso. Enquanto adiava a correção de artigos, não ficava simplesmente de braços cruzados; ele apontava lápis, cuidava do jardim ou jogava pingue-pongue com os alunos. "Os procrastinadores", conta ele, "raramente ficam sem fazer nada".

Pode-se dizer que o ponto de vista de Perry é modesto, talvez, mas deixou a sua consciência mais leve e o fez deixar para trás a antiga ideia de que os procrastinadores devem assumir menos compromissos. A chave para a produtividade, afirma ele em "A Arte da procrastinação", é assumir mais compromissos --mas ser metódico ao fazê-lo.

No topo da sua lista de coisas a fazer, coloque tarefas difíceis, se não impossíveis, que soem vagamente importantes (mas que não o sejam de fato) e que pareçam ter prazos (mas que na verdade não tenham). Depois, em posições inferiores da lista, inclua algumas tarefas exequíveis que realmente importem.

"Cumprir essas tarefas se torna uma forma de não fazer as coisas que estão em posições mais altas na lista", escreve Perry. "Com esse tipo de estrutura apropriada de tarefas, o procrastinador se torna um cidadão útil. Na verdade, o procrastinador pode até mesmo adquirir, como eu, a fama de ser bastante produtivo".

Perry reconhece generosamente que se apoiou nos ombros de gigantes, em especial Robert Benchley, membro da Távola Redonda de Algonquin. Em 1930, Benchley revelou como reuniu força de vontade suficiente para ler revistas científicas e montar uma estante quando deveria estar escrevendo um artigo.

"O segredo de tanta energia e eficiência na execução de um trabalho é simples", escreveu ele. "O princípio psicológico é o seguinte: qualquer pessoa pode cumprir qualquer meta de trabalho, desde que não seja o trabalho que ela tem que fazer naquele dado momento".

Também podemos chamar isso de "procrastinação produtiva", o termo usado por Piers Steel, psicólogo da Universidade de Calgary. Essa é a sua técnica preferida entre as dezenas que ele catalogou enquanto pesquisava para escrever seu livro de 2011, "A Equação da Procrastinação".

"Para a maioria de nós, a procrastinação pode ser abatida, mas não inteiramente derrotada", disse-me Steel, descrevendo como levou uma década para escrever um de seus trabalhos acadêmicos sobre procrastinação. "O truque que melhor funciona para mim é fazer com que meus projetos concorram um com o outro, procrastinando em relação a um enquanto trabalho no outro".

Steel diz que isso se baseia em princípios consistentes de psicologia comportamental: "Estamos dispostos a exercer qualquer tarefa vil desde que ela nos permita fugir de algo pior". Ele diz que deve créditos teóricos ao Sir Francis Bacon, filósofo do século 17 cuja estratégia autocontrole era "colocar uma emoção contra a outra e dominar uma a uma, mesmo que nós cacemos uma besta com a outra".

Steel, que entrevistou mais de 24 mil pessoas em todo o mundo, diz que 95% das pessoas confessam procrastinar pelo menos ocasionalmente. (Você pode verificar se é um procrastinador participando da pesquisa) Aproximadamente 25% dos entrevistados são procrastinadores crônicos, índice cinco vezes maior que o registrado em 1970.

Ele atribui esse aumento à natureza mutável do local de trabalho: quanto mais flexíveis os trabalhos se tornam, mais há oportunidades de evitar tarefas desagradáveis. Atualmente, quem trabalha normalmente gasta um quarto do dia procrastinando; quem estuda gasta um terço. Os homens têm mais propensão à procrastinação crônica do que as mulheres --especialmente os homens jovens.

Quantos deles estão realmente tornando isso algo produtivo? Infelizmente, os dados não são bons, e hoje muitos pesquisadores da temática do autocontrole têm dúvidas quanto à procrastinação positiva. Mesmo quando ela funciona, dizem eles, ainda estamos desperdiçando energia ao nos preocuparmos, consciente ou inconscientemente, com a tarefa que estamos evitando.

E embora Robert Benchley possa ter montado aquela estante, muitos especialistas acham que Raymond Chandler é um modelo melhor. Chandler usou a mesma percepção de Perry – a de que os procrastinadores raramente ficam totalmente ociosos – para desenvolver uma estratégia que Roy F. Baumeister, psicólogo social da Universidade Estadual da Flórida (com quem escrevi um livro sobre a força de vontade) chama de "Alternativa do Nada". Chandler se forçou a escrever histórias de detetive, dedicando-se à tarefa durante quatro horas por dia e seguindo duas regras:

a) Você não tem que escrever.

b) Você não pode fazer nenhuma outra coisa.

"É o mesmo princípio da manutenção da ordem nas escolas", explicou Chandler. "Se fizermos os alunos se comportarem, eles acabam aprendendo alguma coisa só para não ficarem entediados."

Mesmo Perry diz que muitas vezes faz sentido seguir esse conselho clássico para procrastinadores: basta começar o que se deve fazer. Ele sabe que a sua estratégia é complicada.

"A procrastinação estruturada exige certa dose de autoengano, porque costumamos perpetrar esquemas em pirâmide em nós mesmos", escreve ele. "Precisamos ser capazes de reconhecer e assumir tarefas de valor superdimensionado e prazos irreais para acreditar que essas tarefas são importantes e urgentes".

Felizmente, observa ele, os procrastinadores podem ser ótimos ao se autoenganar, uma habilidade também observada por Steel.

"A procrastinação produtiva envolve um pouco de faz-de-conta. É como adiantar o relógio em cinco minutos em relação ao horário real", disse-me ele. "Nós sabemos que fomos nós que adiantamos o ponteiro, mas ainda assim fingimos que isso não aconteceu".

"Nem todo mundo é capaz de fazer isso. Acho que é algo que funciona melhor para quem sente culpa por sua procrastinação e precisa amenizar isso. Se você é do tipo de pessoa que fica fazendo faxina no quarto na véspera de uma prova, é provável que isso funcione".

No mínimo, você pode usar essa estratégia para parar de sentir tão mal quanto a um problema que todo mundo enfrenta. Ela é certamente mais sã do que o lugar-comum de nunca deixar para amanhã o que se pode fazer hoje. Seguindo essa lógica, nunca pararíamos de trabalhar --há sempre algo que pode ser feito hoje.

É melhor seguir a versão reescrita por Perry: nunca cumpra hoje uma tarefa que pode desaparecer amanhã.

Topo