Equilíbrio

Siga cinco passos e supere a ressaca moral após o Carnaval

Thinkstock
Refletir sobre o ocorrido é positivo para não cometer mais os mesmo erros, mas remoer a culpa é prejudicial imagem: Thinkstock

Andrezza Czech

Do UOL, em São Paulo

A folia parecia ótima. Até que, com a quarta-feira de cinzas, veio a ressaca moral. Sabendo que você passou dos limites, é comum sentir vontade de sumir, medo de encarar as ações dos dias anteriores e, claro, culpa e arrependimento. "A ressaca moral é a conscientização de um ato realizado contra seus princípios morais e éticos, mas que aconteceu em um momento de impulsividade ou sob o efeito de drogas como o álcool", diz a psicóloga Marina Vasconcellos, especialista em psicodrama.

O Carnaval, geralmente, tem a ver com excessos, mas há atitudes mais fáceis de superar e remediar do que outras, segundo o psicólogo Thiago de Almeida. Veja sete passos que te ajudarão a sair da crise:

1. Ligue para um amigo

Antes de deixar o desespero tomar conta de você, o primeiro passo é ligar para um amigo que esteve ao seu lado durante os festejos. "Falando com um amigo você terá a devida proporção do que houve na noite de excessos", diz Thiago Almeida, que é especialista em relacionamentos. É essencial que seja uma pessoa de confiança. "Boas intenções por parte do outro são fundamentais para te ajudar a transformar a ressaca moral em aprendizado, e não em humilhação", diz a especialista em comportamento humano Branca Barão, autora de "8 ou 80 – Seu Melhor Amigo e Pior Inimigo Moram Aí, Dentro de Você" (DVS Editora).

2.  Reflita sobre a gravidade do ocorrido

Avalie o nível do deslize cometido no Carnaval para saber o que fazer. Se o ato cometido envolveu ou prejudicou outras pessoas, converse e se desculpe. Se você não fez algo tão grave, mas sente que afetou alguém, também peça perdão. Mas se foi algo que apenas te envergonhou, mas não atingiu ninguém, não fique ressuscitando o assunto. Deixe que ele seja esquecido. 

Se o seu erro foi grande e você precisa se redimir, esfrie a cabeça antes de agir. Não adianta tentar se explicar para uma pessoa com raiva. Nesses casos, o melhor é esperar a poeira baixar. Só assim será possível ter uma conversa lúcida. Em outros casos, como um mal-entendido, por exemplo, é melhor agir rapidamente, para que a raiva não aumente, segundo Marina Vasconcellos.

Para identificar qual opção seguir (pedir perdão imediatamente, esperar ou ignorar o ocorrido), coloque-se no lugar do outro. Como você gostaria que agissem com você em uma situação parecida? "Assim, você poderá imaginar quais atitudes os outros esperam que você tenha, o que te dará pistas de como agir", diz Branca.

 

3. Tenha bom humor

Se a ressaca moral é consequência de atitudes inocentes (ou quase), que não prejudicaram outras pessoas, encare com bom humor as piadas dos que estavam presentes. Se você rebolou até cair no chão, por exemplo, aceite o fato de que será lembrado pela performance durante um bom tempo. "O que aconteceu, aconteceu. Se foi um pequeno vexame, não exagere na reação. Tenha paciência, pois novos fatos acontecerão com outras pessoas e o seu deslize será esquecido", diz a psicóloga e psicoterapeuta Miriam Barros, especialista em psicodrama.

4. Não fique remoendo a culpa

Lamentar-se eternamente pelo que aconteceu no Carnaval não é a solução. Para a terapeuta sexual Arlete Gavranic, coordenadora do curso de pós-graduação em Educação e Terapia Sexual do Isexp (Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática), de nada adianta viver a culpa de modo destrutivo ou por muito tempo. "Você deve assumir o erro, desculpar-se e tocar a bola para frente. Vitimizar-se e ficar o tempo todo se justificando não resolve nada. Só faz com que o episódio continue sendo comentado por mais tempo", diz.

 

5. Comportamento repetitivo

Quando a ressaca moral não tem fim, pode ser sinal de um problema emocional mais grave. "Quando erramos, temos de pedir desculpas, aprender e seguir em frente. Se permanecermos com o sentimento de culpa, é preciso procurar terapia" diz Marina. Repetir muitas vezes o mesmo erro também é sinal de que uma ajuda profissional é necessária, segundo Branca. "Ela é fundamental quando nosso comportamento nos leva para onde não queremos e não conseguimos mudar", diz.

Topo