Relacionamento

Teoria de que mulheres preferem os cafajestes tem fundamento

Stefan/UOL
Estudo da Universidade do Texas diz que, durante a ovulação, a mulher sente mais atração por cafajestes imagem: Stefan/UOL

Cristina Castro

Do UOL, em São Paulo

Qual mulher nunca se apaixonou por um homem bonitão, sexy, esbanjando autoconfiança, atraente, mas... um verdadeiro cafajeste? Ou não falou, em vão, repetidas vezes para a amiga terminar logo com aquele garanhão? E qual homem nunca se perguntou por que diabos foi trocado por aquele cara que claramente não quer nada a sério com a mulher de seus sonhos?

A pergunta que paira sobre todas essas situações é: as mulheres preferem os cafajestes? Para tentar respondê-la, a professora da Universidade do Texas (EUA) Kristina Durante fez três estudos com mulheres de 18 a 45 anos, durante o período de ovulação delas. A conclusão foi publicada neste ano com o título "Ovulation Leads Women to Perceive Sexy Cads as Good Dads ("Ovulação leva as mulheres a perceberem homens sexy e cafajestes como bons pais", em tradução livre). 

O resultado surpreendeu até a pós-doutora em psicologia social: todas essas mulheres, independentemente da idade, se sentiram mais atraídas aos homens "cafajestes" durante a ovulação e atribuíram a eles características de bons pais e parceiros estáveis para toda a vida.

A pesquisa também concluiu que, quando se tratava de enxergar os mesmos cafajestes com outras mulheres, a história era outra: as entrevistadas voltavam a vê-los como aventureiros a se evitar. Para piorar a situação dos homens que valorizam a fidelidade e querem ser maridos e pais, a ovulação não causou a mesma mudança nas mulheres em relação a eles.
 

Culpa da evolução

 
O que explica a mudança no comportamento durante a ovulação é a genética e a evolução. Segundo Kristina, as características dos cafajestes são ligadas a altos níveis de testosterona, sistema imunológico mais eficaz e, portanto, condições genéticas melhores. "A interpretação para isso é que somos mais atraídas por esses homens porque podemos passar seus bons genes aos nossos filhos. Em centenas de milhares de anos atrás, nossas crianças, se tinham esses sistemas imunológicos mais eficazes, tinham mais probabilidades de sobreviver nas condições ambientais dos nossos ancestrais", explica a pesquisadora em entrevista ao UOL.
 
A pesquisa considerou apenas as mulheres no período de ovulação, excluindo, portanto, meninas que ainda não entraram na puberdade, que usam métodos contraceptivos que inibem produção de hormônio ou mulheres que passaram da menopausa. Kristina acredita que quando as mulheres não estão ovulando têm uma visão mais realista dos cafajestes.
 

Mais jovens, mais vulneráveis
 

As mulheres com mais hormônio estrogênio tendem a cair mais facilmente na lábia dos cafajestes, de acordo com Kristina. "Então, se pensarmos nos níveis de estrogênio ao longo da vida, mulheres que são mais férteis, com 20 e poucos anos de idade, mais provavelmente se iludiriam com os cafajestes e sexy. Provavelmente, as mais jovens mostrariam mais esse efeito do que as mais velhas", diz.
 
E a pesquisadora revela que já foi "vítima" dos hormônios na juventude (e que a experiência pessoal foi um dos fatores que motivaram sua linha de estudo). "Eu já fui uma garota de 20 e poucos anos que esteve com garotos que provavelmente não seriam bons companheiros de longa data. Meus amigos e parentes deviam pensar ‘ele não é um cara legal’, mas quando eu estava junto do meu cafajeste sexy eu o percebia de forma diferente, através de lentes coloridas. Depois, olhando para trás, eu percebia que estava me iludindo".


Conflito entre o corpo e o cérebro

 
A pesquisadora acredita que o fato de todas as mulheres do estudo terem atribuído aos cafajestes características de bons pais indica um mecanismo criado por elas, sem se darem conta. Seria uma forma de justificar o conflito que sentem por saberem que estão lidando com um homem que não deveriam, mas serem impelidas a ter relações sexuais com ele.
 
"Quando você está ovulando, se sente mais atraída por canalhas, mas, por saber que eles não são do tipo estável, e para se sentir melhor, você pensa que talvez, apenas com você, as coisas sejam diferentes e ele poderia se tornar um bom marido, um bom pai. É uma maneira de  reduzir a ansiedade que sentimos por estarmos atraídas por eles. Pensamos: ‘ele pode não ser tão ruim’".
 

Preferem ou não preferem?
 

Pensando no ponto de vista das mulheres brasileiras e dos "cafajestes nacionais", essa teoria é válida? Para Elko Perissinotti, psiquiatra e psicanalista que é vice-diretor do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, as mulheres preferem, sim, esse tipo de homem, mas não sabem disso.
 
"É um saber não sabido, mas sendo executado (na fantasia, pelo menos), sobretudo ao sabor da ovulação ou de bebidas alcoólicas. Mas sabemos muito bem que esse é apenas um exercício de genética, hormônios e desejos, porque a cultura bloqueia isso pela lei moral e pela modificação parcial da mente. Assim, o que faríamos de fato é transformado em objeto de desejo", diz ele.
 
 
Já a antropóloga Mirian Goldenberg, professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), pesquisadora do tema há 25 anos e autora do livro "Por que Homens e Mulheres Traem?", dentre outros, diz que as mulheres acabam ludibriadas pelas técnicas de sedução dos canalhas, mas que logo se dão conta do erro e pulam fora.
 
Segundo ela, esses homens são minoria –em sua pesquisa, algo em torno de 7%. E eles jamais se intitulam cafajestes. "Dizem que são poligâmicos por natureza e não podem trair o próprio desejo. Que precisam da sedução, da aventura, da conquista". O que os diferencia de outros homens, para a pesquisadora, é a capacidade de seduzir e dizer o que as mulheres querem ouvir.
 
No fim das contas, esse cafajeste é malvisto por mulheres e homens, acredita Mirian: "Ele simboliza para os outros homens o fracasso da arte da sedução. Porque se só o cafajeste consegue aquilo que as mulheres querem, a maioria se sente extremamente derrotada. E para as mulheres representa tudo o que ela não quer".
 

Insatisfação e traição

 
O segredo dos cafajestes, segundo Mirian, é ter aprendido precocemente o que as mulheres querem. Com isso, demonstram fidelidade e, às vezes, convencem que são até mais leais do que os outros homens. "As mulheres dizem que querem o homem fiel, em primeiro lugar, então elas jamais ficariam com um cafajeste se soubessem que ele é um".
 
Para Perissinotti, a explicação para o desprezo das mulheres pela poligamia é cultural. Ele acredita que o instinto primitivo das pessoas busca a preservação da espécie com os genes "fortes", através de "um macho forte e saudável", como atesta a pesquisa da Universidade do Texas.  Mas que, por causa da cultura e da sociedade atuais, os desejos animais são bloqueados. "Divórcios frequentes e aventuras extraconjugais mostram claramente que não podemos fugir completamente de nossa herança animal poligâmica".
Topo